Navio de 500 anos é descoberto em estado de conservação perfeito

No chão lamacento do gelado Mar do Báltico, os cientistas descobriram um naufrágio quase perfeitamente preservado e intacto, não perturbado durante centenas de anos.

Com base em sua incrível preservação, os arqueólogos conseguiram datar o navio de volta ao Renascimento. Isso é em torno do final do século XV ou início do século XVI, época de Cristóvão Colombo e Leonardo da Vinci.

A origem precisa do navio é desconhecida. É de uma época anterior ao costume de nomear navios; por enquanto, ele foi rotulado Okänt Skepp – “Navio desconhecido” em sueco.

“É quase como se tivesse afundado ontem – os mastros no lugar e o casco estão intactos”, disse o arqueólogo marítimo Rodrigo Pacheco-Ruiz, da empresa de pesquisas marítimas MMT.

“Ainda no convés principal está um achado incrivelmente raro – um barco usado para transportar a tripulação de e para o navio, encostado no mastro principal. É uma visão verdadeiramente surpreendente.”

O primeiro indício de que havia algo no fundo do mar a 140 metros abaixo da superfície dessas águas salobras ocorreu em 2009, quando o sonar de varredura lateral da Administração Marítima Sueca revelou algo fora do comum.

Mas foi apenas uma década depois – no início deste ano – que o significado total do naufrágio foi realmente revelado. E foi totalmente por acaso. O MMT foi contratado para inspecionar o fundo do mar antes de instalar um gasoduto de gás natural; e lá, emergindo da escuridão, havia um grande navio.

Para estudar o navio em maiores detalhes, os cientistas implantaram veículos operados remotamente (ROVs) a partir do convés do Stril Explorer. Estes foram usados para fazer um levantamento fotogramétrico do navio afundado, fornecendo modelos 3D de alta resolução detalhados que os pesquisadores puderam estudar.

Ela tem cerca de 16-18 metros de comprimento – apenas um pouco menor do que o principal de Colombo, o Santa Maria de 19 metros.

Além do barco, do casco e dos mastros, alguns dos cordames também permanecem intactos. O mesmo acontece com o gurupés e partes da popa. Até mesmo o cabrestante e a bomba de porão estão parcialmente preservados.

A equipe credita este nível de preservação às águas frias, levemente salgadas e hipóxicas das águas mais profundas do Mar Báltico; um ambiente menos hospitaleiro para a vida marinha que normalmente assolaria um navio afundado em madeira.

O navio naufragado é de grande significado histórico, disseram os pesquisadores. Não só está mais intacto do que outros navios afundados no Báltico – como o navio de guerra Marte, afundado na Primeira Batalha de Öland em 1564, ou o grande navio de guerra Vasa, que afundou em sua viagem inaugural em 1628 – também é o mais antigo.

“Sabemos que é o mais antigo naufrágio do Báltico. Não há outro navio no mundo deste período como este. Temos navios mais antigos, mas eles são apenas madeiras ou metal – nós nunca temos um navio como este com mastros e âncoras”, Pacheco disse ao Daily Mail.

Claro, a história do Okänt Skepp ainda não acabou. A maior questão a ser respondida é por que ele afundou, pois não há danos que indiquem claramente uma causa.

Para isso, precisaremos de outra expedição – uma para obter cuidadosamente amostras desse naufrágio misterioso.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.