NASA revela conceito muito interessante para casa de gelo em Marte

Todos que assistiram Perdido em Marte (ou melhor ainda, leram o livro de Andy Weir) sabem que uma vez que muitas questões envolvendo uma viagem para Marte forem resolvidas, viver no planeta será o mais novo desafio.

Marte tem um ambiente hostil, com temperaturas extremas e altíssimos níveis de radiação, portanto, onde e como os primeiros exploradores vão se abrigar e viver é a prioridade máxima, especialmente porque é provável que permaneçam lá por muitos meses.

Com isso em mente, a NASA reuniu especialistas, arquitetos e designers no Langley Research Center, na Virgínia, para desenvolverem o projeto para uma possível habitação em Marte, incluindo quais materiais seriam melhores para a construção. A melhor solução que eles entraram? Gelo.

Sua proposta, como você pode ver na arte conceitual acima e abaixo, é o Mars Ice Home, uma cúpula inflável que será coberta por uma espessa camada de gelo protetor, como um iglu.

“Depois de um dia dedicado a identificar necessidades, objetivos e restrições, rapidamente avaliamos muitas ideias loucas, fora da caixa, e finalmente convergimos para o atual projeto Ice Home, que fornece uma solução de engenharia de som”, disse Kevin Vipavetz, engenheiro sênior de sistemas na Langley, em um comunicado.

Novamente, para quem assistiu ao filme Perdido em Marte, o projeto parecerá familiar, porque o visual se assemelha em muito ao do alojamento usados pelos personagens do longa. A principal diferença é o uso do gelo para proteger os astronautas da radiação cósmica presente na atmosfera de Marte, enquanto também permite a passagem de luz natural.

“Todos os materiais que selecionamos são translúcidos, por isso podem permitir a passagem da luz do dia e dar a sensação de que o astronauta está em casa ou em uma caverna”, explicou Kevin Kempton, principal pesquisador do Langley Mars Ice.

Os matérias utilizados para construir essas casas de gelo precisarão enfrentar o clima desafiador de Marte, incluindo radiação ultravioleta, radiação de partículas carregadas, oxigênio atômico e tempestades de poeira – que os cientistas da NASA afirmam não ser tão fortes quanto a tempestade de Perdido em Marte.

Outra razão principal para o uso do gelo é que ele já pode ser encontrado em Marte, tornando as casas mais fáceis de transportar é mais rentáveis. Segundo o projeto, o gelo será usado para encher bolsas translúcidas localizasse no exterior das casas, enquanto uma camada celular de dióxido de carbono obtida a partir da atmosfera marciana seria usada para isolar o interior da casa.

Que os seres humanos um dia chegarão ao planeta vermelho já não há dúvidas, a questão é quando e quem chegará primeiro. Seja através do plano da NASA para mandar o homem em Marte até 2030 ou o desejo de Elon Musk para criar uma colônia no planeta em 2060 – quanto mais preparados estivermos para esse dia, melhor.

Veja também: Mais do autor

Comentários

Carregando...