“Não é justo”: mulher trans que ganhou uma competição feminina foi desclassificada por sua “sexualidade”

Johana Trujillo, que é uma mulher transgênero, venceu uma corrida na Venezuela, mas a organização do evento não quis reconhecê-la como campeã. “Eu mereço respeito, sou uma mulher corajosa, sou uma mulher que tem valores e princípios”, disse ela.

Por mais que a participação de mulheres trans em competições femininas seja um assunto que vem sendo discutido nos últimos tempos, ainda parece que não se chega a um acordo comum porque continuam ocorrendo casos em que há contradições que podem acabar prejudicando os envolvidos.

Embora se concorde que a comunidade trans deve ser totalmente integrada à sociedade sem nenhum tipo de condição, há quem defenda que as mulheres que nasceram homens têm superioridade biológica sobre o restante das meninas, pelo que não podem competir na mesma categoria.

Quando não está claro como agir nesta situação, casos como o que aconteceu em uma corrida no estado de Táchira , na Venezuela, onde uma mulher trans denunciou ter sido discriminada por ter vencido o evento na categoria feminina e a organização não quis dar o prêmio .

Neste evento realizado pela Universidad de los Andes, Johana Trujillo foi a primeira a cruzar a linha de chegada, mas vendo que era uma mulher transgênero, os organizadores decidiram não levá-la em consideração.

“Enquanto alguns dormem e se machucam, pratico esportes, então não é justo que me afundem por causa da minha sexualidade, mereço respeito, sou uma mulher corajosa, sou uma mulher que tem valores e princípios, que respira igual a qualquer ser humano. Não é justo que eu tenha acordado cedo hoje para ganhar e eles me fazem isso”, disse Trujillo, segundo o Efeito Cocuyo.

Essa situação fez com que organizações que defendem os direitos LGTBIQ+ levantassem suas vozes para condenar esse ato de discriminação que Trujillo sofreu. Por sua vez, houve usuários nas redes sociais que defenderam a medida tomada pela organização.

buy metformin metformin online