Mulheres salvam a vida de um guaxinim e ele continua retornando após 3 anos

Parece uma história dos contos da Disney, mas aconteceu de verdade: há três anos um guaxinim foi encontrado na estrada por uma moça chamada Nikki Robinson. Ela resgatou o bichinho e tentou levá-lo aos centros de vida selvagem e veterinários, porém ela havia ficado desapontada por não ter conseguido encontrar algum tipo de atendimento especializado para o pobre guaxinim. 

Instagram/red_pangolin

Porém, o mais interessante aconteceu: a mãe de Nikki, Linda, já havia tido algum tipo de experiência com guaxinins e, após um pouquinho de persuasão, ela acolheu a criaturinha. Eles o chamaram de “Mãozinha” e ficaram apaixonadas pelo bichinho. 

Instagram/red_pangolin

Linda e Nikki o alimentaram e o criaram e, quando ele teve idade o suficiente, deixaram-no ir. 

Porém, para a surpresa de todos, Mãozinha continuou retornando às vezes após alguns dias e, depois, passou a retornar dentro de alguns meses.  

Instagram/red_pangolin

Ele retornava, pedia aconchego e, é claro, comida. Afinal, parece que é apenas isso que os bichinhos querem, não é mesmo? Nikki e Linda jamais viram um guaxinim tão amoroso na vida! 

“Mãozinha estava abandonado à beira da estrada com cerca de 4 semanas de idade apenas. Ele iria morrer se não fosse resgatado, no meio do trânsito.  Tentamos levá-lo em clínicas de reabilitação para animais selvagens, mas todos os lugares estavam lotados e tudo o que podiam nos oferecer era ‘levar a um veterinário para ser sacrificado’ ou ‘deixar a natureza seguir seu curso lá fora’”. 

Instagram/red_pangolin

Mas, ao invés disso, mãe e filha decidiram agir e ajudar o pobrezinho. A mãe estava hesitante no início, pois o trabalho de reabilitar um animal selvagem exige tempo integral e muitas, muitas mamadas diárias. Logo, a mãe finalmente aceitou que o bichinho daria o trabalho equivalente ao de um netinho e viu que não seria tão difícil assim. Aliás, pela maneira amorosa que o bichinho olhava, prontamente ela se derreteu. 

Instagram/red_pangolin

Depois de forte e já com idade o suficiente, ele foi liberado para viver na natureza, mas antes ele tinha muito medo de qualquer animal ou humano que não fossem aqueles com quem tivesse crescido. Ele voltava todas as noites para visitá-las e também para saborear a comidinha que elas deixavam para ele. 

As visitas foram diminuindo e ele começou a aparecer quando fazia mais frio e mesmo assim ele as deixava tocar nele para fazer carinho. 

Instagram/red_pangolin

O bichinho ficou com a família por cerca de dois meses e, de um animalzinho desidratado e ainda agressivo, se transformou em um membro de família totalmente carinhoso e afetuoso.

Mas, é claro, com o lado selvagem o suficiente para que pudesse viver sua vida, sem jamais se esquecer de suas origens. 

É incrível como os seres humanos, em parceria com a natureza, conseguem realizar verdadeiros milagres e uma bela amizade não é mesmo?

 

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.