Médicos diagnosticam o primeiro caso de uma mulher que urina álcool

Relatos médicos dos Estados Unidos dão conta do primeiro caso conhecido de uma mulher que literalmente urinava álcool. O caso foi relatado recentemente no Annals of Internal Medicine, e conta a história de uma mulher de 61 anos, examinada no Hospital Presbiteriano do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh. Antes de ser colocada na lista de espera para receber a doação de um fígado, a mulher, que sofria com cirrose hepática e diabetes, foi submetida a uma série de exames.

Apesar de ter cirrose, a mulher afirmava raramente ingerir álcool – algo que os médicos custaram a acreditar, principalmente porque seus testes de urina normalmente davam positivo para a presença de álcool. Desconfiando de que a mulher poderia ter um problema “secreto” com a bebida, os médicos repetidamente sugeriram que ela procurasse um tratamento específico para o vício. Entretanto, ela sempre insistia que não era alcoólatra.

A coisa começou a se encaixar (e a ficar maluca, diga-se de passagem) quando um exame minucioso na bexiga da mulher apontou a presença de uma colônia de uma levedura chamada Candida glabrata. Trata-se de um fungo comum na flora humana, e que normalmente não nos traz nenhum problema. Além disso, tal levedura possui certa proximidade com a Saccharomyces cerevisiae, utilizada na fabricação de cerveja.

Shutterstock

Para certificarem-se do que estava acontecendo de fato, os cientistas colheram um exemplar da levedura e colocaram-no em uma placa de Petri. A surpresa veio com o resultado: A amostra coletada e cultivada estava produzindo álcool. Isso levou os cientistas a concluírem que a bexiga da paciente estava constantemente produzindo álcool, com um processo semelhante ao utilizado pelas cervejarias.

Na fabricação da bebida, utiliza-se água, açúcar e um tipo de levedura. A mistura é colocada em condição anaeróbica, com total privação de oxigênio, o que faz com que a levedura provoque um processo de fermentação, produzindo etanol e dióxido de carbono.

Por mais estranho que possa parecer, a combinação de condições em que o organismo da paciente se encontrava fez com que sua bexiga agisse, digamos, como uma microcervejaria. O açúcar chegava até a sua urina por conta do diabetes mal controlado, e lá se combinava com a levedura que havia colonizado a bexiga, produzindo o efeito.

“Acreditamos que a maior razão para a paciente ter desenvolvido esta condição seja o diabetes mal controlado, já que uma bexiga com altos níveis de glicose representa uma condição ideal para o crescimento de leveduras”, disse Kenichi Tamama, responsável pelo relatório médico, em entrevista ao IFLScience. Como o caso representa algo inédito na medicina, os médicos diagnosticaram a mulher com algo chamado “síndrome da fermentação da bexiga”.

Apesar de se tratar de um efeito inédito acontecendo na bexiga, a produção de álcool pelo corpo humano não é algo totalmente novo. Há alguns anos, cientistas já haviam relatado casos de pessoas que enfrentavam esta condição no sistema digestivo.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.