Misterioso super fungo está se espalhando em escala global

No que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) chama de “ameaça séria”, um fungo relativamente novo e potencialmente mortal e multirresistente está se espalhando pelo mundo.

Enquanto a maioria dos fungos gosta de climas quentes e úmidos, o Candida Auris pode sobreviver em superfícies frias como a pele, potencialmente permanecendo por um longo tempo, permitindo que atue mais como uma bactéria do que um fungo. Até 29 de março, pelo menos 617 casos clínicos de C. auris haviam sido relatados nos EUA, com mais de 1.000 pacientes portando o fungo. Nova York confirmou a maioria dos casos (309), seguida por Illinois (144), Nova Jersey (104) e nove outros estados.

C. auris foi descoberto em 2009, quando os médicos encontraram o fungo na orelha de um paciente no Japão (auris é latim para ouvido), embora a mais antiga linhagem conhecida remonta à Coréia do Sul em 1996. Agora, é considerado um patógeno emergente e, desde então, se espalhou para outros países ao redor do mundo, incluindo o leste e o sul da Ásia, sul da África e América do Sul.

O que o torna tão difícil de tratar é, em parte, devido a como ele é identificado, muitas vezes exigindo tecnologia específica e uma cultura de sangue ou outros fluidos corporais. Como pode colonizar seu hospedeiro por vários meses – talvez indefinidamente – o fungo pode se espalhar entre pessoas e vários objetos ao longo do tempo antes de entrar na corrente sanguínea e se espalhar por todo o corpo, causando infecções invasivas graves. Seu tratamento é ainda mais difícil, devido ao fato de que ele não responde aos antifúngicos comumente usados ​​e tem mostrado resistência àqueles usados ​​para tratar outras infecções por Candida, como infecções vaginais por levedura ou aftas orais.

Outros países não destacados neste mapa também podem ter casos de C. auris não detectados ou não relatados. CDC

Pelo menos 56.000 pessoas nos EUA e na União Europeia morrem a cada ano como consequência direta da infecção por bactérias resistentes a antibióticos, comparável à gripe, à tuberculose e ao HIV / AIDS juntos. Como o C. auris está nos mostrando, infecções fúngicas podem em breve contribuir para esse crescente número.

O CDC diz que os que correm maior risco são pessoas que já estiveram em um hospital com casos confirmados do fungo, bem como aqueles que tiveram cirurgia recente.

Inscreva-se no nosso canal do YouTube

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.