Notícias e artigos sobre ciência, incluindo espaço, biologia, arqueologia, e muito mais.

Misteriosas câmaras seladas são descobertas em ruínas astecas

No coração da moderna Cidade do México, encontra-se o grande templo asteca conhecido como Templo Mayor, que uma vez serviu como o centro sagrado da cidade capital do império pré-colombiano de Tenochtitlán.

Com a recente descoberta de uma plataforma cerimonial e duas câmaras lacradas sob o marco famoso, os arqueólogos acreditam que podem ter a chance de desvendar um mistério que tem os confundido por séculos, finalmente revelando os túmulos de alguns dos grandes reis astecas.

Ao continuar a exploração de um túnel escondido que foi descoberto em 2013, os pesquisadores descobriram uma passagem que conduz a uma estrutura circular que se assemelha a um Cuauhxicalco – um espaço ritual que, de acordo com relatos antigos, era usado para queimar os corpos de governantes astecas. Isto é evidenciado por duas portas fechadas que arqueólogos especulam que poderiam proteger as câmaras de sepultamento desses soberanos.

Ao anunciar a descoberta, o pesquisador Leonardo López Luján explicou que “a partir do que dizem as fontes, o Cuauhxicalco era uma estrutura de caráter funerário, e podemos especular que por trás dessas paredes podem existir duas pequenas salas que contêm os restos incinerados de vários líderes”.

A julgar pela data do templo, escavadores acreditam que quaisquer túmulos descobertos aqui poderiam pertencer a alguns dos primeiros governantes astecas, incluindo Montezuma I, que reinou entre 1440-1469.

No entanto, os arqueólogos estão incitando as pessoas a não ficar muito animadas ainda, uma vez que escavação destas câmaras não começará até o próximo ano, o que significa que, de momento, o seu conteúdo deve continuar a ser objeto de especulação.

Como vários observadores têm comentado, esta não é a primeira vez que as esperanças foram levantadas a respeito da possível descoberta dos restos de reis astecas, mas até agora tudo tem terminado em decepção. Consequentemente, as tradições funerárias realizadas após a morte de governantes do império asteca permanecem largamente desconhecidas.

Florescendo a partir de meados do século 14 até 1521, o império se estendia através da maior parte do norte da Mesoamérica, com a capital, Tenochtitlán, sendo fundada em uma ilha em um lago agora seco no local que é a atual Cidade do México. No seu centro estava uma área sagrada cercada por um muro, dentro do qual estavam duas pirâmides que serviam de santuários ao deus do sol Huitzilopochtli e o deus da chuva Tlaloc.

Via: IFLScience

Comentários
Carregando...