Milhares de filhotes de pinguins morrem devido a desastre ambiental na Antártida

A segunda maior colônia de pinguins-imperadores (Aptenodytes forsteri) do mundo parece estar em colapso, depois que o mar revolto afogou todos os seus bebês em três invernos seguidos.

A colônia da Baía de Halley já foi responsável por 5 a 9% da população global de pinguins imperadores, de acordo com o British Antarctic Survey (BAC), que relatou a catástrofe. Isso equivalia a cerca de 15.000 a 24.000 casais adultos. Mas em 2016, a plataforma de gelo marinho em que a colônia criava seus bebês desmoronou durante o mau tempo, jogando filhotes de pinguins incapazes de nadar na água gelada. Em 2017 e 2018, o padrão climático se repetiu.

Por que milhares de filhotes de pinguins dessa enorme colônia estão se afogando?
Shutterstock

“Nos últimos 60 anos, as condições do gelo marinho na Baía de Halley eram estáveis ​​e confiáveis”, disse o BAC em um comunicado. “Mas em 2016, após um período de tempo anormalmente tempestuoso, o gelo do mar quebrou em outubro onde os pinguins ficam. Esse padrão se repetiu em 2017 e novamente em 2018 e levou à morte de quase todos os filhotes a cada temporada”.

Os pássaros chegam ao local a partir de seus passeios de mar de verão a cada mês de abril; para os pinguins que sobreviverem, o local deve permanecer estável durante o inverno do hemisfério sul. Estas descobertas, baseadas em imagens de satélite e publicadas em 25 de abril na revista Antarctic Science, foram verificadas quando pesquisadores visitaram a região.

A boa notícia é que pelo menos parte da colônia parece ter se mudado, em vez de ter morrido. A colônia Glaciar Dawson-Lambton, a 55 quilômetros ao sul, aumentou significativamente em números desde a devastação da Baía de Halley, informou a BAC. Aquela colônia, que havia atingido um mínimo de apenas 1.280 pares na temporada de 2015, inchou a cada ano seguinte. Em 2016, atingiu 5.315 pares. Em 2017, foram 11.117 pares. E em 2018, um total de 14.612 pares montou acampamento no local.

Esses números ainda são menores do que o total original da Baía de Halley, mas sugerem que um número significativo de pinguins descobriu que é melhor se mudar do que retornar ao local especialmente perigoso.

A longo prazo, os pesquisadores notaram, há razões para suspeitar que o mau tempo pode ser uma nova ameaça para as populações de pinguins. Embora os dados estejam incompletos, setembro de 2016 incluiu a menor pressão atmosférica na região naquele mês em 30 anos, um fator que impulsionou a atividade de tempestades. Ao mesmo tempo, a velocidade média do vento foi mais alta do que o esperado. Essa pesquisa, eles escreveram, irá ajudá-los a entender como os pinguins reagirão ao mundo se ele continuar aquecendo e mudando.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.