Pular para o conteúdo
Milagre dos Andes

Milagre dos Andes: Sobreviventes tiveram que comer carne humana e ficar 72 dias na neve

Quão longe você poderia ir para sobreviver? Você faria o que for preciso? Você ao menos comeria carne humana? É algo que muitas pessoas se perguntam quando ouvem histórias de sobrevivência em circunstâncias extremas. Mas Roberto Canessa não precisa se perguntar. Ele fez isso.

Roberto Canessa não é estranho às medidas extremas que devem ser tomadas para sobreviver. Em 1972, aos 19 anos, Canessa era um estudante de medicina que viajava com seu time de rúgbi para assistir a uma partida no Chile.

Para chegar lá, eles embarcaram em um pequeno avião que deveria sobrevoar a Cordilheira dos Andes. No entanto, após enfrentar uma forte turbulência, o piloto cometeu um erro e começou a descer ainda sobre as montanhas, fazendo com que o avião batesse em um pico coberto de neve. Canessa foi um dos poucos sobreviventes da queda do voo 571 da Força Aérea Uruguaia, mas a provação estava longe de terminar.

Dezenas de passageiros morreram no acidente ou ficaram gravemente feridos com ossos quebrados ou detritos embutidos em seus corpos. Nos dias seguintes, vários outros passageiros sucumbiram aos ferimentos ou morreram devido à exposição às temperaturas congelantes na encosta da montanha.

E uma noite, uma avalanche levou outras oito pessoas, deixando apenas um punhado de sobreviventes. Canessa e os outros fizeram tudo o que puderam para se proteger, fazendo cobertores com os assentos do avião e usando alumínio dos destroços para derreter a neve para beber água. Mas a única coisa que não conseguiram encontrar foi comida.

Milagre dos Andes

Em desespero, os sobreviventes recorreram à única fonte de sustento disponível para eles: os corpos dos mortos. Canessa discute essa decisão em seu livro, I Had To Survive, afirmando: “Você tinha que comer esses cadáveres, e foi isso. A decisão de aceitá-lo intelectualmente é apenas um passo, no entanto. O próximo passo é realmente fazê-lo”.

Foi uma decisão difícil para Canessa e os outros, como ele lembra: “Foi muito difícil. Sua boca não quer abrir porque você se sente tão infeliz e triste com o que tem que fazer.”

Apesar da relutância inicial, os sobreviventes encontraram consolo na ideia de que estariam dispostos a sacrificar seus próprios corpos, se necessário. Como explica Canessa, “Fizemos um pacto de que, se morrêssemos, ficaríamos felizes em colocar nossos corpos a serviço do resto da equipe”.

Comer os mortos criou um sentimento de unidade espiritual entre os sobreviventes, não apenas para aqueles que ficaram vivos, mas também para os mortos cujo sacrifício lhes permitiu continuar. Canessa acredita que a decisão de comer seus corpos forneceu não apenas nutrição física, mas também sustento espiritual. Ele afirma: “Sinto que compartilhei um pedaço de meus amigos não apenas materialmente, mas espiritualmente, porque sua vontade de viver nos foi transmitida por meio de sua carne”.

Essa vontade de viver acabou desempenhando um papel significativo na sobrevivência de Canessa, junto com o sustento físico fornecido pela comida dos mortos. Junto com outros dois homens, ele embarcou em uma caminhada de dez dias pelas montanhas em busca de resgate.

Apesar das temperaturas congelantes e das condições traiçoeiras, os homens perseveraram e acabaram sendo resgatados. Das 45 pessoas a bordo do voo 571 da Força Aérea Uruguaia, apenas 16 sobreviveram à provação de 72 dias nas montanhas.

Sua sobrevivência foi chamada de “Milagre nos Andes” e inspirou vários livros e filmes. Canessa se tornou um cardiologista pediátrico, dizendo: “É minha vingança contra a morte. Você tem uma grande montanha para escalar. Eu já estive lá antes. Mas a alegria … que espera por você do outro lado é espetacular!”