Menino com síndrome de lobisomem vítima de bullying a vida inteira prefere ignorar provocações: “Estou feliz”

Llait Patidar, de 17 anos, disse que na infância sofreu o mais cruel bullying: os meninos atiravam pedras nele e o rejeitavam porque achavam que ele os “morderia”.

Para muitas crianças e jovens, o bullying costuma ser um assunto muito delicado e complicado. Nem todo mundo é capaz de lidar com isso e é um problema que acaba afetando muito negativamente tanto a autoestima quanto o desempenho escolar.

E Llait Patidar, um estudante de 17 anos de Nandleta, uma pequena cidade da Índia, que sofre de uma estranha condição conhecida como síndrome do lobisomem, sabe muito bem disso.

Lalit Patidar
Lalit Patidar

Segundo informações do Daily Mail, esta doença lhe causou muitos problemas de auto-estima e o obrigou a suportar as provocações e o bullying de seus colegas de classe.

A síndrome do lobisomem faz com que as pessoas preencham seus corpos com pelos em lugares incomuns. Esta doença é considerada muito estranha porque acredita-se que apenas poucas dezenas de pessoas tenham sofrido dela na história, desde a Idade Média, quando surgiram os primeiros relatos.

Lalit Patidar
Lalit Patidar

Para Lalit, isso condicionou sua vida, pois sempre foi apelidado de “menino macaco” por seus companheiros mais cruéis, que tinham “medo de que ele os morderia”.

Apesar dos momentos difíceis que viveu, Lalit acredita que o mais importante é “ser feliz e fazer os outros felizes”. “Eu tive esses pelos toda a minha vida, meus pais dizem que o médico me raspou quando nasci, mas eu realmente não percebi nada de diferente em mim até os seis ou sete anos de idade”, disse ele.

Lalit Patidar
Lalit Patidar

O menino, que trabalha como agricultor nas horas vagas para ajudar os pais, disse que desde então seus pelos cresceram descontroladamente e se espalharam por todo o corpo.

“Descobri que é porque tenho uma condição chamada hipertricose. É raro e, tanto quanto sei, apenas 50 pessoas no mundo foram afetadas por isso. Não há histórico de problemas de crescimento de cabelo na minha família, sou o único que tem essa doença”, acrescentou.

shams qari
shams qari

Embora as provocações tenham marcado sua infância, Lalit decidiu não dar espaço a esses comentários e seguir sua vida realizando seus sonhos. Ela agora bloga e faz vídeos no YouTube.

“Não há cura para isso. Eu aparo meu pelo se achar que está muito comprido. É como o cabelo na cabeça, vai continuar crescendo, não tenho outra forma de lidar com isso”, explicou.

shams qari

Para as crianças que podem estar sofrendo de traumas semelhantes, Lalit as aconselhou a não ouvir as provocações e seguir em frente com suas vidas. “As pessoas fofocam e até inventam coisas, mas você não precisa ser assim. Não importa o que os outros digam, nunca devemos desistir da vida , devemos ser sempre felizes e positivos ”, encerrou o jovem.

buy metformin metformin online