Mais de 200 milhões de porcos já foram afetados por maior crise epidêmica em animais na história

Cientistas, criadores de animais e veterinários do mundo inteiro estão assustados com a ascensão de uma doença extremamente fatal, que vem atingindo porcos principalmente na Ásia, em números alarmantes. A doença, conhecida como “peste suína africana”, já matou mais animais do que a famosa crise da “doença da vaca louca”, e por isso vem sendo considerada a maior doença de toda a história a afetar números consideráveis de animais.

De acordo com informações recentes , a doença já afetou 200 milhões de porcos, principalmente em países como China, Hong Kong, Coreia do Norte, Mongólia e Vietnã. A peste suína africana não afeta seres humanos, mas é extremamente contagiosa e fatal para os suínos, tendo uma taxa de mortalidade de quase 100%.

Porcos
Shutterstock

O vírus causador da doença foi registrado pela primeira vez na África, ainda no começo do século 20, e levou bastante tempo para que começasse a ser visto em animais de outros continentes. Em 1957, o vírus já havia aparecido, por exemplo, em Portugal. O grande desafio para os cientistas é o fato de se tratar de um vírus resistente a temperaturas extremas e Ph’s elevados, podendo até mesmo permanecer em cortes de carne suína por seis meses, desde que não expostos ao cozimento ou defumação. Ainda não há nenhuma forma eficiente de combater ou evitar a propagação do vírus entre os suínos, mas os especialistas estão trabalhando no sentido de desenvolver uma vacina para a doença.

O fato da doença estar se instalando de forma considerável na China é essencialmente assustador, visto que o país abriga nada menos que 400 milhões de porcos, o que acredita-se que seja a metade dos animais desta espécie em todo o planeta. Como não se sabe exatamente quanto tempo levará para que os cientistas consigam traçar uma forma viável de frear a ascensão mortal da doença, grande parte da população suína mundial está em perigo.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.