Conheça a história de Lina Medina, a mãe mais jovem do mundo

No início da primavera de 1939, uma família preocupada em uma aldeia remota no Peru levou sua filha de cinco anos a um médico na distante capital Lima. A barriga da menina estava crescendo há vários meses e sua mãe estava com medo de ser um tumor.

Para seu espanto e desânimo, o médico diagnosticou a filha, Lina Medina, com 7 meses de gravidez. Seis semanas depois, Medina tornou-se, aos 5 anos e 7 meses de idade, a menina mais nova que se sabe a dar à luz.

Conheça a história de Lina Medina, a mãe mais jovem do mundo
Wikimedia

O caso chocou o mundo da medicina, e o assunto tem sido objeto de especulação desde então. Medina nunca revelou quem era o pai, e até hoje ela e sua família evitam a publicidade do mundo exterior.

A verdadeira história de Lina Medina, a mãe mais jovem do mundo, e das circunstâncias que cercam sua extraordinária história, dá uma visão da sociedade em que ela cresceu e dos caprichos da biologia humana.

Um caso de puberdade precoce

Conheça a história de Lina Medina, a mãe mais jovem do mundo
YouTube/Anondo BD

A condição de Lina Medina certamente foi uma surpresa para todos que estudaram o caso, mas entre os endocrinologistas pediátricos, não era totalmente impensável.

Cerca de 1 em cada 10.000 crianças desenvolve uma condição conhecida como “puberdade precoce”, na qual o corpo da criança atinge a maturidade sexual antes dos oito anos de idade. Cerca de 10 vezes mais meninas do que meninos desenvolvem-se dessa maneira, e há motivos para suspeitar que isso pode ser acelerado pelo contato sexual em idade precoce.

Análises posteriores sugeriram fortemente que Medina pode ter atingido a menarca oito meses após o nascimento, embora outros relatos afirmassem que ela ficava menstruada regularmente desde os três anos de idade.

Um exame em Medina aos 5 anos mostrou que ela já tinha desenvolvido mamas, quadris mais largos que o normal e avançado no crescimento ósseo. Para todas as aparências, no momento em que Lina Medina engravidou – em torno de seu quinto aniversário – seu corpo era o de uma mulher muito pequena e imatura.

Lina Medina: grávida aos cinco anos

Conheça a história de Lina Medina, a mãe mais jovem do mundo
Wikimedia

A puberdade precoce é uma boa explicação para a gravidez de Lina Medina, mas obviamente não explica tudo. É uma condição necessária, mas não suficiente, para engravidar aos 5 anos. Alguém, em outras palavras, teve que engravidá-la e, considerando as probabilidades de 100 mil para 1 contra ela, essa pessoa provavelmente não era um menino de 5 anos de idade também com puberdade precoce.

A própria Medina nunca contou aos seus médicos ou às autoridades quem o pai era, apesar de seu próprio pai, um ourives chamado Tiburelo, ter sido preso por uma breve suspeita de estupro infantil. Ele acabou sendo libertado e as acusações contra ele caíram, no entanto, quando ele negou veementemente ter feito sexo com sua própria filha e nenhuma evidência ou declarações de testemunhas puderam ser encontradas para acusá-lo.

Em um artigo sobre o caso, publicado em um serviço de notícias em outubro de 1955, o escritor Luis Leon relatou que muitas das aldeias remotas do Peru realizam regularmente festivais religiosos que ainda mantêm uma forte atmosfera pré-cristã e frequentemente se transformam em sexo grupal.

Não é inédito para as crianças estarem presentes, ou pelo menos não longe destas festas. Na ausência de uma confissão ou outros fatos sobre o caso de Lina Medina, incluindo sua própria dificuldade observada em dar declarações claras, isso fornece uma fonte potencialmente plausível, se não exatamente comprovada, para a relação sexual que teve que acontecer para ela engravidar.

Um assunto privado

Conheça a história de Lina Medina, a mãe mais jovem do mundo
YouTube/Ileana Fernandez

Uma vez conhecida a condição de Lina Medina, virou notícia em todo o mundo.

Os jornais do Peru, sem sucesso, ofereceram à família Medina milhares de dólares pelos direitos de entrevistar e filmar sua filha. Jornais nos Estados Unidos passaram dias relatando a anomalia e insinuando os detalhes lascivos em cada parágrafo.

Mais uma vez, ofertas foram feitas para a família e trazê-la para os Estados Unidos, e novamente todas as ofertas foram recusadas.

Medina continuaria evitando publicidade pelo resto de sua vida, recusando-se a se sentar regularmente para entrevistas com agências de notícias internacionais, jornais locais e programas de televisão. Sua (talvez sábia) aversão aos holofotes continua até hoje: seu artigo da Wikipedia (em inglês), por exemplo, observa que existem relatos conflitantes sobre se ela ainda está viva e pede ajuda para resolver a questão.

Talvez fosse inevitável, dada a natureza espantosa da condição de Medina e sua aversão aos holofotes, que alguns observadores acusariam sua família de fraudar todo o caso. Mais de 80 anos, parece improvável que seja o caso. Nem Medina nem sua família são conhecidos por terem tentado aproveitar a história de forma alguma, e registros médicos da época fornecem ampla documentação de sua condição.

Apenas duas fotografias foram tiradas de Medina enquanto ela estava grávida – e apenas uma delas, uma foto de perfil de baixa resolução – foi publicada fora da literatura médica. Clique aqui para ver a imagem (conteúdo sensível)

Apesar disso, o arquivo de seu caso contém numerosos relatos de médicos que a trataram, bem como radiografias bem definidas de seu abdômen que mostram os ossos de um feto em desenvolvimento dentro de seu corpo. Exames de sangue confirmaram sua gravidez da maneira usual, e os artigos publicados na literatura passaram por revisão sem problemas, sugerindo que os pesquisadores contemporâneos não podem criticar os fatos relatados sobre o caso de Medina.

A vida posterior de Lina Medina após se tornar a mãe mais jovem do mundo

Lina Medina parece ter recebido um bom atendimento médico, especialmente pelo tempo e lugar em que viveu, e deu à luz um menino saudável de 3 quilos.

O parto foi por cesariana porque, apesar dos quadris prematuramente alargados de Medina, seu corpo magro ainda não era adequado para passar uma criança de tamanho normal pelo canal de parto.

A criança se chamava Gerardo, em homenagem ao médico que examinou Medina pela primeira vez, e foi para a aldeia familiar de Ticrapo quando liberado do hospital.

Gerardo cresceu pensando que Medina era sua irmã mais velha e só descobriu a verdade quando era adolescente.

Entrevistado em 1955 sobre a vida dele e de sua mãe, Gerardo afirmou que queria ser médico quando crescesse. Apesar de não ter defeitos conhecidos ou outros problemas de saúde, Gerardo morreu relativamente jovem, aos 40 anos, em 1979, de causas naturais.

Lina Medina, por sua vez, passou a viver uma vida normal no Peru.

Em sua juventude, ela encontrou trabalho como secretária para o médico que participou do parto.

Ela se casou com um homem chamado Raul em algum momento no início dos anos 1970, e deu à luz ao seu segundo filho em 1972, aos 39 anos. Medina e Raul não eram pessoas ricas e, até onde se sabe, em 2002, eles ainda eram casados e moravam em um bairro pobre de Lima, conhecido como Chicago Chico.

Dada sua atitude vitalícia em relação à publicidade e aos olhos curiosos de estranhos curiosos, talvez seja melhor que ninguém pareça saber exatamente onde Lina Medina vive ou o que ela, seu marido ou seu filho mais novo estão fazendo nos dias de hoje.

Fontes: LiveScience, Wired, The Sun, Wikipedia

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.