Ilhas Marshall são 10 vezes mais “radioativas” que Chernobyl

Algumas das Ilhas Marshall no Oceano Pacífico – como os atóis Bikini e Enewetak – ainda são mais radioativas que Chernobyl e Fukushima, embora mais de 60 anos tenham se passado desde que os Estados Unidos testaram armas radioativas, segundo um novo estudo.

Ao testar o solo para plutônio-239 + 240, os pesquisadores descobriram que algumas das ilhas tinham níveis entre 10 e 1.000 vezes maiores do que em Fukushima (onde um terremoto e tsunami levaram ao derretimento de reatores nucleares) e cerca de 10 vezes mais altos do que os níveis na zona de exclusão de Chernobyl. [Chernobyl: tudo o que você precisa saber sobre o maior desastre nuclear da história]

Os pesquisadores levaram apenas um número limitado de amostras de solo, o que significa que uma pesquisa mais abrangente é necessária, disseram eles. Independentemente disso, eles ficaram surpresos que nem os governos nacionais nem as organizações internacionais tivessem “qualquer orientação adicional sobre os níveis de plutônio permissíveis no solo”, embora os níveis nas Ilhas Marshall fossem altos, escreveram os pesquisadores no estudo.

Teste de bombas nucleares

Teste nuclear nas Ilhas Marshall
Teste nuclear nas Ilhas Marshall. Shutterstock

Depois de lançar bombas atômicas nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em 1945, efetivamente terminando a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos decidiram testar mais armas radioativas. Alguns desses testes ocorreram nas Ilhas Marshall, uma cadeia de ilhas entre o Havaí e as Filipinas, então um distrito do Território da Confiança das Ilhas do Pacífico – administrado pelos EUA em nome das Nações Unidas. As duas primeiras bombas – chamadas Able e Baker – foram testadas no Atol de Bikini em 1946 e deram início a um período de 12 anos de testes nucleares nos atóis Bikini e Enewetak, durante os quais os EUA testaram 67 armas nucleares.

O primeiro teste da bomba de hidrogênio, com o codinome Ivy Mike, foi testado em Enewetak em 1951. Os EUA realizaram seu maior teste de bomba de hidrogênio no Atol de Bikini – a bomba de 1954 do Castelo Bravo, que era mais de 1.000 vezes mais poderosa que a “Little Boy”, a arma de urânio que dizimou Hiroshima.

Além de contaminar os atóis Bikini e Enewetak, a precipitação nuclear dos testes também fez chover radiação e deixou doentes os que vivem nos atóis de Rongelap e Utirik (também parte das Ilhas Marshall). Em 2016, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Columbia, em Nova York, publicou um estudo na revista Proceedings of National Academy of Sciences (PNAS) sobre a radiação gama de fundo em três dos atóis Marshall do norte: Enewetak, Bikini e Rongelap. Eles descobriram que os níveis de radiação no Bikini eram mais altos do que o relatado anteriormente, então decidiram fazer estudos mais aprofundados sobre a radioatividade nas ilhas. (Os raios gama são como raios X energéticos que são liberados pelas armas nucleares.)

Mais radiação

Agora, essa mesma equipe escreveu três novos estudos, publicados on-line ontem (15 de julho) na revista PNAS, em quatro dos atóis nas ilhas do norte de Marshall: Bikini, Enewetak, Rongelap e Utirik.

Os níveis externos de radiação gama estão significativamente elevados no Atol de Bikini, Enewetak; e Rongelap, em comparação com uma ilha no sul das Ilhas Marshall, que os cientistas usaram como controle, descobriram os pesquisadores.

Os níveis nas ilhas Bikini e Naen eram tão altos que ultrapassaram o limite máximo de exposição que os Estados Unidos e a República das Ilhas Marshall concordaram, disseram os pesquisadores.

Os pesquisadores também descobriram que as ilhas de Runit e Enjebi no Atol de Enewetak, bem como nas ilhas Bikini e Naen, tinham altas concentrações de certos isótopos radioativos no solo. (Um isótopo é um elemento com um número diferente de nêutrons que o normal em seu núcleo.) Essas quatro ilhas tinham níveis de plutônio radioativo que eram mais altos que Fukushima e Chernobyl, descobriram os pesquisadores.

“O que foi surpreendente foi o quão alta a radiação gama externa está em Naen, que é a ilha externa do Atol de Rongelap”, disse Nikolic-Hughes. “Ela foi contaminada durante o teste Bravo… [as pessoas de lá] foram evacuadas, voltaram e se mudaram novamente. É uma história terrível sobre o que aconteceu com o povo Rongelapês.”

Em seu segundo estudo, os pesquisadores trabalharam com mergulhadores profissionais, que coletaram 130 amostras de solo da cratera Castelo Bravo, no Atol de Bikini. O nível de alguns dos isótopos – plutônio-239, 240, amerício-241 e bismuto-207 – era uma ordem de magnitude maior do que os níveis encontrados em outras ilhas Marshall, descobriram os pesquisadores.

Essas descobertas são importantes porque “medir a contaminação radioativa do sedimento da cratera é um primeiro passo para avaliar o impacto geral dos testes de armas nucleares nos ecossistemas oceânicos”, escreveram os pesquisadores no estudo.

Coqueiro
Shutterstock

No terceiro estudo, os pesquisadores testaram mais de 200 frutas – a maioria cocos e pandanus – em 11 ilhas de quatro diferentes atóis. Os níveis de césio-137 não pareciam bons para uma grande parte dos frutos dos atóis de Bikini e Rongelap, que tinham níveis de radioatividade superiores aos considerados seguros por vários países e organizações internacionais, descobriram os pesquisadores. [Chernobyl brasileiro: Goiás foi palco de um dos maiores acidentes radioativos da história]

Mais trabalho é necessário para educar as pessoas que vivem nas Ilhas Marshall sobre esses perigos, incluindo as decisões de reassentar algumas dessas ilhas, disseram os pesquisadores.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.