Homem ‘sobre-humano’ que alega não dormir há mais de 60 anos surpreende médicos

por Lucas Rabello
0 comentário 627 visualizações

Em uma pitoresca vila vietnamita, reside Thai Ngoc, de 80 anos. Imagine isso: uma vida sem a doce rendição ao sono. Por mais de seis décadas, o ritual noturno de Ngoc tem sido tudo, menos típico, tornando-o o protagonista de um conto que dança na borda do inacreditável. Bom, pelo menos é o que ele garante.

“Não consigo pegar no sono”, Ngoc poderia dizer, sua história se entrelaçando no tecido do folclore local e chegando aos ouvidos dos curiosos. Entre eles, o YouTuber Drew Binsky, cuja busca pela verdade o levou diretamente à porta de Ngoc. Determinado a desvendar as camadas deste enigma noturno, Binsky embarcou em uma noite de vigília, sem a parte do sono, para testemunhar em primeira mão a realidade de uma alegada vida desimpedida por sonhos.

A origem da saga vigil de Ngoc remonta a uma febre em ’62, uma doença infantil que supostamente desligou sua capacidade de cochilar. Visitas ao hospital? Claro, ele teve algumas, mas cada uma delas sem sucesso, deixando mais perguntas do que respostas. Segundo ele, até os médicos ficaram surpresos. Alguns especulam que o espectro da guerra (transtorno de estresse pós-traumático), a sombra do conflito do Vietnã, desempenha um papel, gravando um estado permanente de alerta na psique de Ngoc.

“É difícil”, Ngoc poderia refletir, sua voz tingida com uma mistura de resignação e inveja em relação ao mundo ao seu redor, que dorme tranquilamente. “Noites sob a lua, enquanto outros sonham, estou lá fora, cuidando dos meus campos, lutando contra a quietude.” Apesar da carga de trabalho dobrada, a prosperidade permanece uma companheira elusiva, uma ironia que não escapa a Ngoc enquanto ele labuta sob o céu estrelado.

“Eu ainda posso carregar 50 quilos de fertilizante a uma distância de 4 quilômetros da minha casa até o campo sem me sentir cansado”, disse ele pela Vietnamnet.

Então, como é uma noite na vida do homem que diz não dormir? Durante o dia, os campos e o trabalho agrícola exigem suas horas, mas ao cair da noite, Ngoc veste um chapéu diferente, transformando-se em um viticultor ao luar. Seu vinho caseiro, um produto do trabalho noturno, oferece um breve encontro com a sonolência, apenas em estado leve, mas raramente inaugura o abraço elusivo do sono.

“Um ou dois goles, e há um indício de sono”, um tradutor transmite as observações de Binsky, “mas é um convidado fugaz, permanecendo apenas uma hora ou duas.” Mais frequentemente, às 4 da manhã, Ngoc se encontra em um cenário familiar: deitado na cama, vestido de pijama, um ritual esperançoso diante da incansável vigília.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados