Google usará apenas energia renovável a partir de 2017

O Google anunciou que todos os centros e escritórios estarão comprando apenas energia renovável a partir de 2017.

Isso significa que em breve, sempre que você fizer uma pesquisa no buscador ou utilizar o Gmail, estará utilizando energia renovável e livre de emissões de carbono. A empresa trabalha neste plano desde 2010.

Como não é logisticamente possível construir e conectar uma rede de painéis solares ou turbinas eólicas a cada edifício do Google, a empresa está financiando projetos ao redor do mundo para compensar suas demandas de energia, que atingem 5,7 terawatt-hora (TWh) por ano.

“Para alcançar este objetivo, estaremos comprando energia eólica e solar para compensar a eletricidade que nossas operações consomem ao redor do mundo”, declarou Urs Hölzle, vice presidente de infraestrutura técnica do Google. “Estamos focando na criação de novas formas de captação de energia a partir de fontes renováveis, e por isso, só compraremos de projetos financiados por nós.”

A empresa também publicou um artigo sobre seus esforços relacionados a energia limpa e abriu um site sobre consciência ambiental, onde relata suas diversas iniciativas, como sensores de poluição gerada por carros no Street View e um projeto contra a pesca ilegal.

Considerando que o Gmail tem mais de 1 bilhão de usuários, e as pessoas assistem centenas de milhões de horas de YouTube todos os dias, o Google consume uma quantidade enorme de energia – quase tanto quando a cidade de San Francisco, nos EUA.

A boa notícia é que o Google não é a única empresa de tecnologia empenhada em ser amiga do meio ambiente.

A Apple diz que 93% de suas operações no mundo são alimentadas por energia renovável. Já o Facebook quer ter 50% da sua energia vindo de fontes limpas e renováveis até 2018. Há muito progresso a ser feito, mas ter empresas tão influentes seguindo este rumo é um motivador para que outras sigam o exemplo.

Além disso, é algo bom para os negócios: nos últimos 6 anos, o custo da energia eólica caiu em 60%, e o da energia solar teve uma redução de 80%.

Veja também: Mais do autor

Comentários

Carregando...