Girafas podem entrar em lista de espécies ameaçadas de extinção

O Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA (FWS) anunciou este mês que conduzirá uma revisão, que pode levar até 12 meses, para considerar se a girafa deve ou não receber o status de “ameaçada” em sua lista de animais em risco.

Desde 1985, a população nativa de girafas diminuiu em até 40%, segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza. Agora existem apenas 97.000 girafas restantes em estado selvagem (conforme medido em 2016). Grupos que incluem a Humane Society e o Center for Biological Diversity solicitaram que o governo dos EUA considere a inclusão do animal na lista de espécies ameaçadas de extinção. [5 fatos que mostram que podemos estar caminhando para uma extinção em massa]

Girafas
Imagem de ramalholore por Pixabay

Embora a girafa não seja nativa dos EUA, o país desempenha um papel significativo na sua ameaça. De 2006 a 2015, mais de 39.500 girafas (mortas e vivas) foram importadas para os EUA, de acordo com o The Independent.

Grupos de preservação de animais dizem que a girafa está sendo caçada como carne e trazida de volta aos Estados Unidos como prêmios. Se os EUA incluíssem o animal na lista de espécies ameaçadas, isso permitiria ao governo restringir a importação dos animais mortos no exterior.

Existem restrições atuais aos elefantes e leões que são caçados em outros países. No ano passado, o governo Trump suspendeu as restrições, segundo a ABC News, mas rapidamente os colocou de volta após protestos públicos.

Outros fatores que colocam a girafa em risco são a perda de habitat e o conflito entre pessoas e animais.

Depois que a FWS realizar sua análise, haverá um período para comentários públicos, após o qual uma decisão final será anunciada. [NYTimes]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.