Forma de vida antiga da Terra está despertando após 170 anos no permafrost

De cerca de 1550 a 1850, uma onda de frio global chamada Pequena Era do Gelo aumentou o tamanho das geleiras em todo o Ártico. Na ilha de Ellesmere, no Canadá, a geleira Teardrop se estendeu pela paisagem e engoliu um pequeno tufo de musgo.

Desde 1850, a planta ficou congelada sob uma camada de gelo de 30 metros de espessura, enquanto humanos descobriam antibióticos, visitavam a Lua e queimavam 2 trilhões de toneladas de combustíveis fósseis.

Graças a esta última façanha, a bióloga evolucionista Catherine La Farge encontrou o tufo da espécie Aulacomnium turgidum livre de seu sepultamento gelado. O musgo estava desbotado e rasgado, mas ostentava uma tonalidade verdejante – um possível sinal de vida.

As histórias sobre as mudanças climáticas geralmente destacam a fragilidade oscilante do sistema ecológico da Terra. A situação ficou ainda pior quando um relatório das Nações Unidas disse que 1 milhão das espécies de plantas e animais do nosso planeta enfrentam o espectro da extinção.

Mas, para algumas espécies excepcionais, o derretimento das calotas polares e do permafrost está começando a revelar outra narrativa – uma de surpreendente resiliência biológica.

Permafrost
Shutterstock

Pesquisadores estão descobrindo em um Ártico aquecido organismos congelados e presumidos mortos por milênios, que podem voltar a vida de novo. Esses zumbis da era do gelo variam de bactérias simples a animais multicelulares, e sua resistência está levando os cientistas a revisarem sua compreensão do que significa sobreviver.

“Você não presumiria que algo enterrado por centenas de anos seria viável”, disse La Farge, que pesquisa musgos na Universidade de Alberta, no Canadá.

Em 2009, sua equipe estava vasculhando a margem da Teardrop para coletar matéria vegetal cuspida pelo encolhimento da geleira. Seu objetivo era documentar a vegetação que há muito tempo formava a base do ecossistema da ilha.

“O material sempre foi considerado morto. Mas ao ver tecido verde, pensei: ‘Bem, isso é bem incomum'”, disse La Farge sobre os tufos de musgo seculares que encontrou.

Ela trouxe dúzias dessas curiosas amostras de volta para Edmonton, distribuindo-as com solos ricos em nutrientes em um laboratório quente. Quase um terço das amostras irrompeu com novos brotos e folhas.

“Ficamos muito impressionados”, disse La Farge. O musgo mostrou poucos efeitos nocivos de seu congelamento multi-centenário.

Não é fácil sobreviver sendo congelado. Cristais de gelo irregulares podem destruir membranas celulares e outras máquinas biológicas vitais. Muitas plantas e animais simplesmente sucumbem ao frio no início do inverno, querendo que suas sementes ou ovos gerem uma nova geração na primavera.

Os musgos forjaram um caminho mais difícil. Eles dessecam quando as temperaturas despencam, evitando o risco potencial de formação de gelo em seus tecidos. E se partes da planta sofrerem danos, certas células podem se dividir e se diferenciar em todos os vários tipos de tecido que compõem um musgo completo, semelhante às células-tronco em embriões humanos.

Graças a essas adaptações, os musgos são mais propensos do que outras plantas a sobreviver a longo prazo de congelamento, disse Peter Convey, um ecologista da British Antarctic Survey.

Nos calcanhares do ressurgimento do musgo canadense de La Farge, a equipe de Convey anunciou que havia despertado um musgo de 1.500 anos enterrado a mais de um metro de profundidade no permafrost antártico.

“O ambiente de permafrost é muito estável”, disse Convey, observando que o solo permanentemente congelado pode isolar o musgo de tensões no nível da superfície, como ciclos anuais de congelamento e descongelamento ou radiação prejudicial ao DNA.

O recrescimento de musgos centenários sugere que as geleiras e o permafrost não são apenas cemitérios para a vida multicelular, mas poderiam, ao contrário, ajudar os organismos a resistir às eras glaciais. E como o aquecimento causado pelo homem descasca a cobertura de gelo no Ártico e na Antártida, quem quer que seja capaz de sair do gelo vivo está pronto para dominar os ecossistemas polares em desenvolvimento.

Convey explicou que, como o derretimento do gelo expõe as superfícies da terra, as plantas geralmente colonizam o novo terreno de “algum outro lugar”, através de esporos transportados a longas distâncias pelo vento. Essa dispersão distante é lenta, muitas vezes levando décadas.

Mas “quando algo pode sobreviver in situ”, disse Convey sobre o musgo que sua equipe descobriu, “isso realmente acelera o processo de recolonização”. Esses musgos podem pintar uma paisagem sem vida verde quase da noite para o dia, abrindo o caminho para outros organismos chegarem e se estabelecerem.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.