fbpx

Fazer carinho em gatos e cachorros por 10 minutos diminui os níveis de estresse

Os estudantes universitários nos Estados Unidos estão mais estressados ​​do que nunca e, para ajudá-los a lidar, centenas de faculdades em todo o país implementaram programas de visitação de animais.

Acredita-se que isso alivia o estresse dos alunos de graduação, mas até agora havia poucas evidências científicas de que tais programas realmente funcionassem. Olhando para o principal hormônio do estresse, o cortisol, um novo estudo é um dos primeiros a se aprofundar nos benefícios fisiológicos de acariciar animais de estimação no campus.

“Nós já sabíamos que os alunos gostam de interagir com os animais e que isso os ajuda a experimentar emoções mais positivas”, diz a pesquisadora de desenvolvimento humano Patricia Pendry, da Washington State University.

“O que queríamos descobrir era se essa exposição ajudaria os alunos a reduzir o estresse de uma maneira menos subjetiva”.

Usando níveis de cortisol salivar como uma indicação do estresse acadêmico, o estudo se concentrou em 249 estudantes universitários, que foram divididos aleatoriamente em quatro grupos durante um programa de visitação de animais de uma universidade.

Durante 10 minutos, o primeiro grupo de alunos foi autorizado a acariciar, brincar e sair com um grupo de gatos e cachorros de um abrigo local. Os outros grupos não tiveram tanta sorte.

Enquanto o segundo grupo passou os 10 minutos na fila, esperando e observando outros alunos interagirem com os animais, o terceiro grupo nem chegou tão longe, e só foram mostradas imagens dos animais em uma apresentação de slides.

O último grupo foi simplesmente colocado em uma lista de espera indefinida, o que significa que eles não tiveram nenhuma exposição visual ou física aos animais, mesmo que lhes tenham dito que os veriam em breve.

Amostras salivares foram tomadas por cada participante três vezes ao longo do dia, uma vez ao acordar, e mais duas vezes 15 e 25 minutos após o experimento de 10 minutos.

Como o primeiro estudo de visitação animal para examinar o cortisol salivar fora de um ambiente de laboratório, os resultados são promissores. No final, o primeiro grupo mostrou níveis significativamente mais baixos de cortisol salivar do que todos os outros grupos. E isso permaneceu verdadeiro, não importa quais sejam os níveis de cortisol de um estudante ao acordar, o tempo que eles passaram despertos naquele dia, ou seus ritmos circadianos.

Em suma, isso sugere que apenas 10 minutos de tempo de carinho podem ter um impacto significativo nos níveis de estresse físico do aluno. E os autores estão esperançosos de que isso possa ajudar as universidades a determinar o melhor tipo de interação e dosagem para seus programas de intervenção animal.

Embora devamos ter em mente que o tamanho da amostra deste estudo é bastante pequeno, os resultados complementam a extensa pesquisa sobre terapia assistida por animais em geral, que mostrou que ter um cão é benéfico tanto para a saúde humana quanto para o bem-estar. [AERA Open]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.