Estudo assustador revela a razão pela qual nunca encontramos alienígenas

por Lucas Rabello
0 comentário 7,7K visualizações

A Inteligência Artificial (IA) está avançando rapidamente, deixando muitos a ponderar sobre suas implicações, não apenas na Terra, mas no cosmos. Alguns pesquisadores, como aqueles que publicam na Acta Astronautica, sugerem que estamos chegando a um cruzamento, possivelmente um gargalo cósmico tão severo que poderia explicar por que ainda não encontramos vizinhos extraterrestres.

O conceito que está agitando este pote cósmico é conhecido como “grande filtro”. É uma teoria do campo da astrobiologia que questiona por que, apesar da vastidão do universo e dos bilhões de estrelas potencialmente orbitando estrelas semelhantes ao Sol, ainda não avistamos nenhum sinal de vida alienígena. Será que as civilizações estão encontrando um obstáculo universal que as impede de alcançar uma fase espacial? Este artigo de pesquisa sugere que a IA superinteligente (ASI) — IA que ultrapassa a inteligência humana — pode ser essa barreira formidável.

Imagine uma corrida para um ponto crucial na linha do tempo de uma civilização, o salto de uma espécie confinada ao planeta para uma espécie espacial. Agora, adicione o desenvolvimento de uma IA que evolui rapidamente além do controle humano. O ritmo em que a IA poderia progredir, otimizando e melhorando a uma velocidade vertiginosa, poderia superar nossas próprias capacidades evolutivas. Essa discrepância pode não apenas dificultar nossas ambições de exploração espacial, mas também paralisá-las completamente.

Eis o ponto crucial: o potencial da ASI não está apenas na velocidade, mas na autonomia. Trata-se de desenvolver sistemas que podem pensar, aprender e agir de forma independente. O medo é que esses sistemas possam não agir sempre no melhor interesse da humanidade. Por exemplo, se as nações começarem a depender fortemente de IA autônoma para defesa militar ou vantagem estratégica, esses sistemas poderiam direcionar suas imensas capacidades para ações menos nobres. Imagine drones controlados por IA tomando decisões em frações de segundo em guerras — decisões que antes levavam horas ou dias de deliberação por generais humanos. Os riscos são altos, e os resultados podem ser catastróficos.

O artigo cita uma possibilidade arrepiante de que a expectativa de vida de uma civilização tecnologicamente avançada poderia ser inferior a 100 anos, do momento em que começam a enviar sinais para o espaço até o surgimento potencial de uma IA incontrolável. Isso é apenas um piscar de olhos no cronograma cósmico, um pensamento preocupante, com certeza. Esses pesquisadores não estão apenas lançando previsões apocalípticas; eles estão olhando para a equação de Drake, que estima o número de civilizações comunicativas na galáxia. Seus resultados? A equação, quando ajustada para incluir o surgimento da ASI, prevê apenas um punhado de civilizações existentes a qualquer momento, muitas das quais podem ser praticamente indetectáveis devido às suas atividades tecnológicas modestas.

Este discurso não é apenas sobre desgraça e melancolia. É um chamado à ação. O artigo enfatiza a necessidade urgente de estruturas regulatórias robustas que possam orientar o desenvolvimento da IA, particularmente em áreas como aplicações militares. O objetivo? Garantir que a evolução da IA esteja alinhada com a sobrevivência e prosperidade de nossa espécie. Trata-se de aproveitar o potencial da IA enquanto protege contra seus riscos, garantindo que os avanços da IA beneficiem a humanidade em vez de levar à sua queda.

Yuval Noah Harari, um historiador conhecido por suas observações perspicazes sobre o progresso humano, apontou que nada em nossa história nos preparou para a introdução de entidades superinteligentes não conscientes em nosso planeta. As implicações são profundas e abrangentes. Desenvolvimentos recentes levaram líderes em IA e tecnologia a propor uma moratória sobre o desenvolvimento adicional de IA, pressionando por uma pausa até que possamos estabelecer um quadro para o avanço seguro e responsável.

Apesar da cautela, o fascínio pela IA permanece forte, especialmente dado seu potencial para superar as capacidades humanas em eficiência e tomada de decisão. Os governos podem hesitar em impor regulamentações estritas à IA, considerando a vantagem estratégica que ela proporciona. O uso recente da IA em zonas de conflito como Gaza destaca as realidades marcantes e o possível futuro que enfrentamos se a IA continuar a evoluir sem controle.

Mas não é apenas sobre o que a IA pode fazer; é sobre o que ela deveria fazer. A integração da IA em sistemas militares é particularmente preocupante. Há um risco real de que as armas autônomas possam operar além dos limites éticos, contornando as leis internacionais projetadas para proteger os direitos humanos e a dignidade. Este cenário apresenta um equilíbrio precário. De um lado, o potencial da IA para lidar com tarefas com eficiência sem precedentes. Do outro, o risco de que essas tarefas incluam a condução de guerra autonomamente, com supervisão humana mínima.

A corrida para a superioridade em IA poderia potencialmente desencadear uma cadeia de eventos que levaria à destruição rápida e generalizada, mesmo antes que a humanidade tenha uma chance real de se tornar uma espécie multiplanetária. Este é o ponto em que o debate sobre IA intersecta com questões existenciais mais amplas: Que tipo de futuro queremos criar? Como navegamos pelos desafios apresentados por nossas próprias criações tecnológicas?

À medida que nos aprofundamos nesta discussão, usar ferramentas como o SETI (Busca por Inteligência Extraterrestre) nos oferece uma lente única através da qual visualizar nosso próprio desenvolvimento e os possíveis futuros que nos aguardam. O impulso para alcançar as estrelas, para ultrapassar nossos limites atuais, é mais do que apenas um sonho. É uma necessidade, um desafio a ser superado se esperamos prosperar ao lado das maravilhas tecnológicas que criamos.

Fonte: Science Alert

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados