Esse talvez seja o mapa mais preciso do mundo que já foi feito

Mapas são itens que existem há muito, muito tempo, como uma tentativa do ser humano de conhecer e classificar os territórios por onde passava. O primeiro mapa de que se tem notícia foi feito em uma tábua redonda de argila por volta de 2.300 a.C. na região da Mesopotâmia, todavia foi no século XV com as grandes navegações que eles ficaram populares no mundo todo.

Hoje em dia temos uma grande variedade de mapas, sendo eles: os mapas geomorfológicos – que representam as características do relevo de uma região; os mapas hidrográficos – que mostram os rios as bacias que cortam uma paisagem geográfica; os mapas biogeográficos – que apontam os tipos de vegetação que cobrem uma determinada localização; os mapas climáticos – que indicam os tipos de clima que atuam sobre um determinado local e os mapas topográficos – que estudam o relevo em níveis de altura e também incluem os rios mais importantes de uma determinada região.

Projeção de Mercator / Shutterstock

No entanto – e não bastando apenas a descrição da Terra como ela se apresenta – os seres humanos também criaram seus próprios mapas, marcando delimitações de espaços e muitos aspectos importantes da cultura mundial. Dentre esses mapas, temos os mapas políticos – que mostram a divisão do território em países, estados, regiões e municípios criados pelo homem; os mapas demográficos – que apresentam a distribuição da população no mundo; os mapas econômicos – que apresentam as atividades produtivas do homem em um local específico; os mapas rodoviários, que estamos muito familiarizados, responsáveis por mostrar as ruas, rodovias e estradas de uma determinada região e, por fim, os mapas históricos – que apresenta as mudanças históricas que ocorreram durante séculos em um continente, país, estado, etc.

Enfim… por mais que tenhamos desenvolvidos mapas, nem tudo é perfeito: há muitas ilustrações da geografia do nosso planeta que são enormes distorções da verdade, assim como a projeção clássica de Mercator, a primeira representação cartográfica que abrangeu todo o globo terrestre.

Foto: Reprodução

Durante a história, muitas foram as tentativas de corrigir esse erro, porém a melhor delas parece ter surgido recentemente com um novo mapa do artista e arquiteto Hajime Narukawa, de Tóquio: nomeado mapa AuthaGraphic, essa gloriosa criação é cientificamente precisa e esteticamente muito atraente. O mapa foi tão bem recebido que acabou ganhando o prestigiado Good Design Grand Award do Japão.

Foto: Reprodução

Uma característica incrível do mapa é a que, independente da forma que este mapa assuma, de um retângulo plano convencional a uma estrutura dobrada em 3D – que pode ser colocada em mosaico sem costuras visíveis – os países e continentes permanecem proporcionais entre si, incluindo a Antártica, que muitas vezes é negligenciada nos modelos já estabelecidos até então.

Foto: Reprodução

O mapa do mundo AuthaGraphic fornece uma perspectiva precisa avançada do nosso planeta, segundo o site Spoon & Tamago, que explica detalhadamente como funciona a dinâmica do mapa. E a notícia mais agradável é que qualquer pessoa já pode adquirir sua própria versão do mapa na internet, caso você queira, literalmente, “ter o mundo em suas próprias mãos”.

Incrível, não é mesmo?

você pode gostar também
1 comentário
  1. Daniel Diz

    Então agora é a vez dos japoneses ficarem no meio do mundo, substituindo o eurocentrismo dominante?

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.