Descobriram que um esqueleto de 10.000 anos tem um descendente vivo morando perto

Em 1903, pesquisadores que escavavam uma caverna em Cheddar Gorge, Somerset, no Reino Unido, se depararam com uma descoberta surpreendente – m esqueleto de Homo sapiens que viveu cerca de 10.000 anos atrás e é um dos humanos modernos mais antigos da Grã-Bretanha.

Conhecido hoje como “Cheddar Man”, o antigo cavalheiro recentemente voltou a ser notícia. Cientistas que utilizam técnicas modernas de DNA acreditam que o humano mesolítico tinha olhos azuis claros e uma pele escura. Tão notável quanto ressuscitar o rosto deste antigo britânico é o fato de que o descendente moderno do Homem de Cheddar vive a menos de um quilômetro e meio das cavernas onde seus restos mortais jazem por milênios.

Este antigo britânico foi descoberto por acaso durante uma reforma de drenagem na atração turística de Gough’s Cave durante o início do século 20. O esqueleto rapidamente se tornou conhecido como o humano moderno mais antigo descoberto nas Ilhas Britânicas.

Um caçador-coletor mesolítico que morreu na casa dos 20 anos, o homem antigo tinha apenas cerca de 1,50 m.

Enterros em cavernas eram típicos na época, quando a Inglaterra ainda era uma terra de floresta ligada à Europa. Estranhamente, o Cheddar Man foi encontrado enterrado sozinho.

Em 2018, o Museu de História Natural de Londres extraiu o DNA do osso do ouvido interno de Cheddar Man. Especialistas da University College of London e da Kennis & Kennis Reconstructions usaram esse DNA para reconstruir seu rosto. Esforços anteriores o retrataram como de pele clara. No entanto, pesquisas nos últimos anos conectaram certos traços de DNA relacionados à cor da pele aos de humanos antigos da África subsaariana. Como outros humanos mesolíticos na Europa na época, Cheddar Man provavelmente tinha um tom de pele escuro.

“Ele é apenas uma pessoa, mas também um indicativo da população da Europa na época”, diz o Dr. Tom Booth, pesquisador associado ao museu. “Eles tinham a pele escura e a maioria tinha olhos claros, azuis ou verdes, e cabelos castanhos escuros.

O Cheddar Man subverte as expectativas das pessoas sobre que tipos de traços genéticos combinam… Parece que os olhos claros entraram na Europa muito antes da pele pálida ou cabelos loiros, que só surgiram depois da chegada da agricultura… Ele nos lembra que você não pode fazer suposições sobre a aparência das pessoas no passado com base na aparência das pessoas no presente, e que as características que estamos acostumados a ver hoje não são algo fixo”.

Cheddar Man foi um dos primeiros pioneiros humanos do assentamento da terra que se tornou a Grã-Bretanha. Apesar dos mais de 10.000 anos que se passaram desde sua morte, descendentes ainda povoam a ilha. Cerca de 10% da raça britânica moderna pode traçar seus ancestrais até a população genética européia da qual o Cheddar Man era membro.

Essa população foi amplamente substituída por uma última onda de agricultores migrantes. No entanto, testes de DNA em 1997 revelaram que as relações matrilineares do antigo humano ainda viviam na região. Adrian Targett, um professor do ensino médio, era uma correspondência de DNA. Nascido perto do local de descanso final de Cheddar Man, ele ainda detém o recorde de “descendente mais distante rastreado por DNA”. A cada revelação sobre o Cheddar Man, a narrativa da história britânica se torna mais rica.

buy metformin metformin online