Em uma descoberta histórica, estrelas de nêutrons se juntando foram observadas pela primeira vez

A quinta observação de ondas gravitacionais (OG) marca o início de uma nova era na astronomia: em 17 de agosto de 2017, as colaborações da LIGO e VIRGO detectaram estrelas de nêutrons se fundindo pela primeira vez e imediatamente alertaram observatórios em todo o mundo. Em uma questão de horas após o evento, telescópios ao redor do mundo começaram a estudar o fenômeno quase que imediatamente.

O evento observado, chamado GW170817, foi produzido na galáxia NGC 4993, localizada a 130 milhões de anos-luz da Terra. O sinal gravitacional foi o mais forte já observado, durando mais de 100 segundos e emitiu uma explosão de raios gama (ERGs), fornecendo a primeira evidência de que as ERGs são produzidas por colisões de estrelas de nêutrons. Também foi fornecida a evidência mais forte ainda de que as fusões de estrelas de nêutrons são responsáveis ​​pela criação dos elementos mais pesados ​​do universo, como ouro e platina.

A importância desta observação não pode ser olvidada: estamos testemunhando Galileu apontando o telescópio para o céu, ou Henrietta Swann Leavitt trabalhando a relação que será usada para medir distâncias cósmicas. Esta observação traz uma dimensão completamente nova à astronomia. As dezenas de artigos publicados na Nature, Nature Astronomy, Astrophysical Journal Letter, Science e Physical Review Letters, também quebraram recordes. Eles possuem mais de 45.000 autores – cerca de 35 por cento de todos os astrônomos ativos do mundo – que trabalharam nos mais de 70 observatórios que ajudaram a fazer essa descoberta.

“Agora, temos a detecção de não apenas a fusão, mas o movimento em espiral de duas estrelas de nêutrons”, disse ao IFLScience a Dra. Vicky Kalogera, a astrofísica mais destacada da LIGO Scientific Collaboration da Northwestern University. “O sinal que ouvimos no dia 17 de agosto é o sinal de ondas gravitacionais mais fortes que já recebemos e é o mais longo. Temos mais de cem segundos. Detectamos o movimento em espiral muito claramente até elas se fundirem. E isso nos permitiu medir as massas com bastante precisão”.

As massas das estrelas de nêutrons mescladas estão entre uma e duas vezes a massa do nosso Sol e o objeto que elas formaram tem uma massa entre duas e três massas solares. As previsões teóricas sugerem que buracos negros se formam quando as estrelas de nêutrons colidem, mas os pesquisadores atualmente não podem dizer com confiança se o remanescente é um buraco negro ou uma estrela de nêutrons.

A detecção gravitacional por si só é suficiente para todos ficarem bastante empolgados com essa descoberta, mas saber que os astrônomos conseguiram detectar a fonte usando telescópios leves torna este um momento crucial na astronomia. Um com consequências de grande alcance.

“Recebemos o alerta no dia 17 de agosto de que detectaram com bastante precisão uma fusão de estrelas de nêutrons e descobrimos muito rapidamente que seria possível tentar encontrar uma contrapartida óptica usando nossos observatórios no Chile”, disseram a Dra. Maria Drout, Hubble e Carnegie-Dunlap Fellow dos Observatórios de Carnegie, ao IFLScience.

Com seus colegas e muitos astrônomos em todo o mundo, eles analisaram as fontes candidatas dentro da área do céu que a colaboração LIGO e VIRGO sugeriram como a origem provável para o GW170817. A região não era enorme, mas ainda continha um grande número de galáxias.

“Nossos colegas juntaram uma lista de uma centena de galáxias que íamos procurar naquela noite. E, como aconteceu, a nova fonte foi encontrada na nona galáxia que estava em nossa lista”, acrescentou a Dra. Drout.

“Usando todos os nossos telescópios em direção ao objeto, você pode ver todas as cores diferentes e isso lhe diz muito sobre a física. Parecia algo que era muito jovem; um objeto novo e curioso. Então, era a fonte ou outra coisa que acabara de explodir recentemente”. [IFL Science]

Comentários
Carregando...