Isso é o que realmente aconteceu na famosa casa mal assombrada de Amityville

Se você é uma pessoa curiosa, com certeza já deve ter visto ou ouvido falar no filme “Horror em Amityville”, certo?

Por incrível que pareça, esse filme foi baseado em uma história real, de uma família que acabou se mudando para uma casa na beira de um lago, sendo a residência repleta de um histórico de fato perturbador, envolvendo assassinatos e fatos misteriosos sem explicação.

Porém, isso é o que realmente aconteceu na famosa casa mal assombrada de Amityville – veja a seguir e descubra o que realmente aconteceu no local:

 

Era 13 de novembro de 1974 quando ocorreu o assassinato dos seis membros da família DeFeo, dentro da própria residência em Amityville. A casa ficava na Ocean Avenue, no vilarejo de Amityville em Nova York.

Das vítimas estava os pais Ronald e Louise DeFeo, e os filhos Dawn, com 18 anos de idade, Allison de 13, Marc de 12 e John de apenas 9. Todos foram brutalmente assassinados por armas de fogo enquanto dormiam, sendo que o único sobrevivente foi o filho mais velho Ronald Jr., de 23 anos na época.

O pai e a mãe levaram dois tiros cada, enquanto cada criança morreu por um único disparo. O curioso é que o apelido de Ronald Jr. era “Butch”e ele foi levado para interrogatório sobre os crimes.

Seus relatos apresentavam várias inconsistências e ele negou a autoria do crime. Após pressionado, Butch finalmente afirmou ter cometido o crime. Entretanto, aí vem algo ainda mais bizarro: ele foi julgado no ano seguinte e, durante o processo, o advogado do rapaz afirmou que ele teria sido motivado pelo crime por conta de vozes que ouvia em sua cabeça.

O filho mais velho sofria transtornos de personalidade e tinha envolvimento com drogas como LSD e heroína. Um psiquiatra confirmou a veracidade dos transtornos e Butch foi sentenciado à prisão, por 25 anos por cada vítima que matou – ou seja, prisão perpétua.

O curioso e, que também originou as lendas assustadoras, foi que nas necropsias não havia sinal algum de luta ou sedativo no organismo das vítimas. Ou seja, elas nem sequer acordaram ao ouvir os sons dos disparos.

Butch revelou que a ideia de matar seus pais surgiu de Dawn, a irmã de 18 anos, que estava zangada com o pai por ele tê-la proibido se encontrar com o namorado na Flórida. Ambos usavam drogas e bebiam junto com os amigos, sendo que o plano inicial era matar os pais e levar os irmãos para a casa dos avós no Brooklyn e, para isso, convidaram um par de cúmplices para auxiliá-los no plano.

Dawn havia se desesperado pela morte dos pais e saiu atirando no restante da família, a fim de evitar testemunhas. Ela teria forçado Marc e John a se deitarem de bruços e matou Allison com um tiro no rosto. Após uma discussão pela arma, Dawn desmaiou e Butch revela que posicionou a arma em sua cabeça e atirou.

Em resumo e de acordo com especialistas, tratava-se de uma família disfuncional repleta de transtornos e uso de substâncias ilícitas. E você deve estar se perguntando: mas e a falácia sobre as assombrações?

Ronald Jr., o autor dos crimes

 

Depois de perder o direito em herdar a casa, o local foi comprado pela família Lutz, de modo que os pais, George e Kathy, revelam que uma série de atividades paranormais e aparições demoníacas, crucifixos invertidos, etc., começaram a ocorrer no local. Talvez as visões começaram a ocorrer como uma reação sobre o conhecimento do que tinha ocorrido na residência, de modo que começaram a culpar a casa pela perturbação que aparentemente estavam vivenciando.

No fim das contas eles decidiram abandonar o local e as experiências se transformaram no livro de Jay Anson, lançado em 1977, que serviu de base para o filme de terror “Horror em Amityville”.

A família Lutz manteve sua palavra de que as experiências eram reais, porém o próprio advogado de Butch revelou que isso tudo não passa de uma farsa, uma vez que os crimes teriam ocorrido sem o auxílio “sobrenatural” de alguma entidade.

[Live Science]

Comentários
Carregando...