Distanciamento social pode precisar continuar até 2022, diz estudo dos EUA

Se você já está cansado das medidas de distanciamento colocadas em prática por conta do coronavírus, saiba que o pior ainda pode estar por vir. De acordo com um estudo realizado recentemente por cientistas de Harvard, as medidas podem seguir até 2022 caso não seja desenvolvida nenhuma vacina ou um tratamento eficaz até lá.

Essa estimativa foi feita a partir de uma análise no comportamento de outros coronavírus que já infectaram seres humanos, como o HCoV-OC43 e o HCoV-HKU1. Mais especificamente, os pesquisadores analisaram a forma como os coronavírus se comportam depois do pico inicial das infecções.

De acordo com os resultados encontrados, caso não seja desenvolvida uma vacina ou um tratamento em breve, podemos ter que manter algumas medidas de distanciamento até 2022, para evitar que os casos mais sérios da doença prejudiquem de forma insustentável os sistemas de saúde ao redor do mundo.

Shutterstock

Para Stephen Kissler, principal autor do estudo, pelo menos nos Estados Unidos o distanciamento social não é suficiente para manter os casos de Covid-19 em um número aceitável para os sistemas de saúde caso ele seja feito somente durante um certo período. Para o autor, será necessário um distanciamento intermitente para limitar os casos graves da doença.

Obviamente, outros fatores como o desenvolvimento de uma vacina podem reduzir drasticamente os casos de infecções, mas isso pode estar longe de acontecer. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, talvez ainda precisemos de “12 a 18 meses” para que uma vacina eficaz seja alcançada.

Mark Woolhouse, epidemiologista da Universidade de Edimburgo, que não participou da pesquisa, disse em entrevista ao ‘IFLScience’ que o estudo é de grande importância, mas que ele possui algumas falhas. Para Woolhouse, a pesquisa de Kissler não leva em consideração outras medidas sociais que podem ser adotadas neste meio tempo, como ações destinadas diretamente ao público de maior risco, distanciamentos diferenciados, e etc.

De qualquer forma, pode ser que o clima de quarentena permaneça por um bom tempo até que de uma vez por todas seja seguro voltar às ruas.

você pode gostar também
1 comentário
  1. Silvano Diz

    Um estudo realizado em 2018 na Europa, por vários cientistas de várias universidades Europeias, já previa um avanço tecnológico. Baseados no uso da nanotecnologia, esse estudo diz que essa tecnologia traria um afastamento social, portanto, não é de se admirar se for prolongado esse afastamento. Portanto, a justificação dos políticos será, no ponto de vista político direcionado para o coronavirus, que também é já desde o princípio uma questão política.

    Para o tecnólogos irão se basear no uso das tecnologias de inovação científica.

    Para os economistas, poderão se basear na justifitiva do consumismo

    Os religiosos irão se basear nos seus sermões, justificando que é o fim dos tempos.

    Portanto, não é de se admirar quando estás situações começarem a serem manifestas por todo mundo.

    Agora, cabe a ti, oh leitor dos tempos o seu posicionamento quando isso vier acontecer.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.