Descoberto o buraco negro mais próximo da Terra. E você pode “vê-lo”

Um buraco negro recém-descoberto pode ser o buraco negro mais próximo da Terra, e você pode ver de sua casa sem um telescópio.

O buraco negro, que está à 1.000 anos-luz da Terra, na constelação de Telescopium, pertence a um sistema com duas estrelas companheiras que são brilhantes o suficiente para serem vistas a olho nu. Mas você não poderá ver o próprio buraco negro diretamente; o objeto maciço tem uma força gravitacional tão forte que nada – nem mesmo a luz – pode escapar dele.

Os astrônomos descobriram esse buraco negro enquanto estudavam o que pensavam ser apenas um sistema estelar binário, ou duas estrelas que orbitam um centro de massa comum. Eles estavam usando o telescópio MPG / ESO de 2,2 metros no Observatório La Silla, no Chile, para observar o binário, conhecido como HR 6819, como parte de um estudo mais amplo sobre sistemas de estrelas duplas. Quando analisaram suas observações, os pesquisadores ficaram chocados ao saber que um terceiro objeto estava escondido no sistema: um buraco negro.

Essa visão de campo amplo mostra a região do céu, na constelação de Telescopium, onde o HR 6819 está localizado. (Crédito da imagem: ESO / Digitized Sky Survey 2 / Davide De Martin)

Embora os astrônomos não pudessem observar diretamente o buraco negro, eles foram capazes de inferir sua presença com base em suas interações gravitacionais com os outros dois objetos no sistema. Observando o sistema por vários meses, eles foram capazes de mapear as órbitas das estrelas e descobrir que outro objeto maciço e invisível deve estar atuando no sistema.

As observações também mostraram que uma das duas estrelas orbita o objeto invisível a cada 40 dias, enquanto a outra estrela fica sozinha a uma distância muito maior do buraco negro.

Eles calcularam que o objeto é um buraco negro de massa estelar – um buraco negro que se forma a partir do colapso de uma estrela moribunda – e que o objeto tem cerca de quatro vezes a massa do nosso Sol.

A impressão deste artista mostra as órbitas dos objetos no sistema triplo HR 6819, que consiste em um par de estrelas binárias no qual uma estrela (órbita em azul) orbita um buraco negro (órbita em vermelho), além de outra estrela com uma maior órbita (também em azul). (Crédito da imagem: L. Calçada / ESO)

“Um objeto invisível com uma massa pelo menos quatro vezes maior que a do sol só pode  um buraco negro”, disse Thomas Rivinius, cientista do Observatório Europeu do Sul que liderou o novo estudo, em comunicado. “Este sistema contém o buraco negro mais próximo da Terra que conhecemos”, acrescentou.

Depois do buraco negro de HR 6819, o buraco negro mais próximo conhecido fica a cerca de 3.000 anos-luz da Terra, na constelação de Monoceros. Mas ainda poderia haver outros à espreita ainda mais próximos que ainda precisam ser detectados; os astrônomos estimam que existem milhões de buracos negros apenas na nossa galáxia – nenhum perto o bastante para nos causar problemas.

O buraco negro HR 6819 é um dos primeiros de massa estelar encontrados em nossa galáxia que não liberam raios-X brilhantes ao interagir violentamente com suas estrelas companheiras, e a descoberta pode ajudar os pesquisadores a encontrar outros buracos negros “silenciosos” na Via Láctea.

“Deve haver centenas de milhões de buracos negros por aí, mas conhecemos apenas muito poucos”, disse Rivinius. “Saber o que procurar deve nos colocar em uma posição melhor para encontrá-los.”

Como ver HR 6819

Embora você não consiga ver o buraco negro porque ele é invisível, os observadores no Hemisfério Sul podem ver as estrelas binárias no sistema HR 6819 sem a ajuda de binóculos ou telescópio.

“Ficamos totalmente surpresos quando percebemos que este é o primeiro sistema estelar com um buraco negro que pode ser visto a olho nu”, disse Petr Hadrava, cientista emérito da Academia de Ciências da República Tcheca em Praga e co-autor do estudo.

A dupla aparece como uma única estrela de quinta magnitude na constelação de Telescopium, perto da fronteira com a constelação de Pavo, o pavão. Na escala de magnitude, na qual números menores denotam objetos mais brilhantes, os objetos mais fracos visíveis ao olho humano estão na magnitude 6,5. Atualmente brilhando na magnitude 5,4 – apenas um pouco mais brilhante que Urano, o mais escuro planeta visível – HR 6819 é brilhante o suficiente para ser visto a olho nu. [LiveScience]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.