Pular para o conteúdo
Descoberto em caverna no México mostra que os humanos chegaram às Américas 30.000 anos atrás

Descoberta em caverna no México mostra que os humanos chegaram às Américas 30.000 anos atrás

Até pouco tempo atrás, a crença de que o Homo sapiens chegou à América há apenas 15 mil anos era amplamente aceita quando se tratava de rastrear a chegada da humanidade ao continente.

A teoria mais difundida é que, depois que nossa espécie se espalhou pela Eurásia, grupos humanos próximos à Sibéria conseguiram atravessar o inverno da Ásia para a América através do Estreito de Bering. No entanto, cada vez mais evidências estão surgindo que sugerem que a colonização do continente remonta a pelo menos o dobro do que se acreditava originalmente.

Recentemente, arqueólogos mexicanos e norte-americanos que estavam estudando as evidências mais antigas de agricultura no Vale de Tehuacán, ao sudeste de Puebla, descobriram restos esqueléticos de fauna que sugerem uma presença humana muito mais antiga do que as teorias mais aceitas estimam.

Ao primeiro olhar, a descoberta de uma dúzia de ossos de coelho e veado nos níveis mais baixos da Caverna Coxcatlán não parecia ser nada de novo. Essa caverna foi descoberta na década de 1960 e é uma área arqueológica cujos vestígios mais antigos datam de 12 mil anos. No entanto, a equipe ficou surpresa quando uma análise de datação por radiocarbono determinou que os restos de esqueletos recentemente encontrados tinham entre 28.000 e 30.000 anos de idade.

Descoberto em caverna no México mostra que os humanos chegaram às Américas 30.000 anos atrás

Os resultados do estudo foram publicados na revista Latin American Antiquity e revelam que o Homo sapiens já havia habitado a região central do México antes do Último Máximo Glacial, há cerca de 20 mil anos, quando o gelo atingiu sua extensão máxima e as condições eram muito mais hostis na América do Norte.

As descobertas da Caverna Coxcatlán se juntam a outras descobertas feitas pelo Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) na Cueva del Chiquihuite, em Zacatecas, onde foram encontradas mais de 1.900 ferramentas de calcário que atestam a presença humana na América há 30 mil anos. Essas descobertas estão prestes a mudar a história da humanidade no continente.

Até agora, a teoria mais aceita sobre a chegada da humanidade à América é a da hipótese do Estreito de Bering, que sugere que grupos humanos viajaram através do Estreito de Bering da Eurásia para a América há cerca de 15 mil anos. No entanto, as descobertas recentes na Caverna Coxcatlán e na Cueva del Chiquihuite sugerem que a colonização do continente remonta a pelo menos 30 mil anos atrás. Isso significa que os humanos poderiam ter chegado à América de forma independente, ou através de rotas diferentes, como através do Pacífico ou pelo oceano Ártico.

Essas descobertas também têm implicações para a compreensão da evolução da humanidade e da diversidade genética. Se os humanos chegaram à América há pelo menos 30 mil anos, isso significa que eles tiveram muito mais tempo para se adaptar e evoluir de acordo com as condições do continente. Isso também significa que os povos indígenas da América têm uma história muito mais antiga do que se pensava anteriormente e que a diversidade genética entre esses povos pode ser ainda maior do que se pensava.

Essas descobertas também levantam questões sobre como os humanos conseguiram sobreviver e se adaptar a condições tão hostis durante o Último Máximo Glacial. Pode ser que os humanos tenham desenvolvido estratégias de sobrevivência e adaptação muito mais avançadas do que se pensava anteriormente, ou pode ser que outros fatores, como o clima, tenham sido menos severos do que se pensava anteriormente.

Os resultados do estudo foram publicados na revista Latin American Antiquity.