Notícias e artigos sobre ciência, incluindo espaço, biologia, arqueologia, e muito mais.

Dentro do monstro: fotos assustadoras mostram o olho do furacão Irma

Os furacões podem afetar milhões de pessoas no chão, mas apenas um punhado de pessoas têm a oportunidade de ver essa monstruosidade da natureza do alto.

O 53º Esquadrão de Reconhecimento Meteorológico da Reserva da Força Aérea dos EUA – os chamados “Caçadores de Furacões” – voam regularmente em missões de reconhecimento em tempestades tropicais e furacões para coletar dados críticos que meteorologistas e cientistas climáticos usam para prever tempestades e desenvolver estratégias para manter as pessoas seguras.

Quando o Irma se desenvolveu em uma das tempestades mais poderosas que já se formaram na história recente, os caçadores de furacões voaram repetidamente para o olho da tempestade – aqui está um vislumbre de como foi.

irma
Olho do furacão Irma

Dentro de um olho de furacão, as nuvens que cercam a depressão central se elevam para formar uma parede que se assemelha às arquibancadas em um estádio de futebol. Essa perspectiva, conhecida como efeito estádio, é visível nessa foto do olho do Irma, capturada por um piloto da Força Aérea dos EUA durante um vôo no dia 5 de setembro. Na época, o Irma atingiu a Categoria 5 – com velocidades de vento sustentadas de até 300 km/h.

Compartilhada pelos Caçadores de furacões no Facebook e no Twitter em 6 de setembro, essas duas fotos tiradas dentro do olho do Irma mostram o efeito estádio – a parede curva de nuvens aumentando ao redor do olho do furacão – iluminada pela lua quase cheia e pelo sol, respectivamente.

O avião WC-130J penetra em fortes tempestades como o Irma em uma altitude de 3.000 metros, viajando a mais de 480 km/h. Uma missão comum para coletar evidências meteorológicas de um furacão geralmente leva 11 horas de tempo de vôo – com a equipe coletando dados com a frequência de uma vez por minuto – e cobre aproximadamente 5.633 quilômetros.

O esquadrão fez missões para as três tempestades que estavam ativas no Atlântico, coletando dados sobre os furacões Irma, José e Katia para ajudar o Centro Nacional de Furacões a prever com mais precisão o progresso das tempestades.

Veja o vídeo abaixo:

Comentários
Carregando...