Contos de batalha bíblicos confirmados usando variações no campo magnético da Terra

O campo magnético da Terra não é constante. As inversões em que de repente inverte a direção são uma ferramenta crucial na datação de eventos geológicos. Agora, alguns pesquisadores afirmam que podem usar até mesmo mudanças breves na força do campo para datar com precisão a destruição de cidades e, em seguida, usar essas datas para testar os relatos bíblicos.

O segundo livro de Reis não é uma das partes mais lidas ou famosas da Bíblia, mas as batalhas que descreve são de interesse dos historiadores. Elas são, afinal, consideravelmente mais plausíveis do que contos de livros anteriores, como A Arca de Noé, mesmo que as vitórias sejam atribuídas à intervenção divina.

Escavações arqueológicas conseguiram combinar vários locais com cidades (aldeias pelos padrões modernos) mencionadas na Bíblia como sendo destruídas por vários vizinhos hostis. Em um novo estudo, o estudante de doutorado da Universidade de Tel Aviv, Yoav Vaknin, e co-autores mostram que a destruição dessas cidades se encaixa nos relatos bíblicos.

Quando as substâncias magnéticas ficam quentes o suficiente, elas retêm o campo magnético local enquanto esfriam. Hoje, esse campo magnético é frequentemente fornecido por linhas elétricas ou outras fontes artificiais, mas há três milênios o campo magnético da Terra era praticamente o único jogo na cidade. Assim, quando os exércitos saqueiam cidades incendiadas, a camada de cinzas que marca sua “zona de destruição” carrega um registro da intensidade, bem como da direção, do campo magnético da Terra naquele momento.

“Com base na semelhança ou diferença de intensidade e direção do campo magnético, podemos corroborar ou refutar hipóteses que afirmam que locais específicos foram queimados durante a mesma campanha militar”, disse Vaknin em comunicado. O campo estava mudando excepcionalmente rápido nesta região entre 3.000-2.600 anos atrás, às vezes aumentando mais que o dobro da intensidade atual, tornando o processo mais fácil.

A Bíblia se refere à cidade filistéia de Gate, logo além das fronteiras da Judéia, como sendo destruída por Hazael, rei de Aram-Damasco. Os arqueólogos acreditam que o sítio Tell es-Safi, no que hoje é o centro de Israel, são os restos de Gate, e foi queimado por volta de 830 aC.

Contos de batalha bíblicos confirmados usando variações no campo magnético da Terra
Yoav Vaknin medindo no local de uma das cidades destruídas, cuja data de destruição foi revelada pela magnetização ali codificada. Crédito da imagem: Shai Halevi, Autoridade de Antiguidades de Israel

A Bíblia também culpa Hazael pela queda de três outras cidades, que se acredita serem os lugares agora conhecidos como Tel Rehov, Tel Zayit e Horvat Tevet.

Vaknin e os co-autores não podem culpar um indivíduo, mas afirmam ter mostrado que o campo magnético era o mesmo quando Gate e as outras cidades queimaram, indicando que provavelmente foi no mesmo ano. Pela navalha de Occam, parece provável que a mesma mão estivesse em jogo.

Por outro lado, a destruição de Tel Beth-Shean (agora norte de Israel) também foi atribuída por alguns estudiosos modernos a Hazael. No entanto, os dados de Vaknin sugerem que sua morte ocorreu 70 a 100 anos após a de Gate, época em que Hazael certamente estava morto. A queda de Tel Beth-Shean coincide com a campanha do faraó Shoshenq nas terras a leste do Mediterrâneo.

O trabalho também apóia a teoria de que partes do reino de Judá sobreviveram depois que os babilônios destruíram Jerusalém. “As cidades no Negev, nas montanhas do sul da Judéia e no sopé do sul da Judéia permaneceram quase inalteradas, disse o coautor Erez Ben Yosef. “Agora, os resultados magnéticos apoiam essa hipótese.”

Essas cidades caíram décadas depois, e os autores atribuem sua destruição aos edomitas, e não aos babilônios. Ben Yosef sugeriu que talvez seja por isso que a Bíblia, raramente elogiosa de qualquer vizinho do Reino de Judá, reserva um ódio especial aos edomitas.

No entanto, o fato de a Bíblia poder apresentar um relato preciso de eventos que ocorreram pouco antes de ser escrita não diz necessariamente muito sobre quão bem ela cobre os milhares de anos anteriores a isso.

O artigo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

buy metformin metformin online