Conheça Gloria Ramírez, considerada a mulher mais “tóxica” da história

O dia 19 de fevereiro de 1994 ficou marcado para sempre na história do Hospital Geral de Riverside, na Califórnia-EUA. Aproximadamente às 20h15 daquele dia, uma mulher de 31 anos, chamada Gloria Ramirez, chegou à emergência com sintomas graves e evidentes de um câncer cervical.

Os médicos encontraram bastante dificuldade em se comunicar com a garota, já que ela apresentava sinais de confusão severa, além de taquicardia e problemas de ordem respiratória. A emergência, por conta disso, sedou a garota para tentar salvá-la.

A situação começou a ficar extremamente estranha quando os médicos tentaram usar o desfibrilador em seu peito. Após a aplicação da técnica, foi percebido um brilho oleoso na pele da paciente, que também passou a exibir um hálito forte, misturando um odor adocicado com o cheiro de alho.

Reprodução

Uma das enfermeiras, chamada Susan Kane, tentou retirar uma amostra de sangue da paciente, e de acordo com os registros médicos ela também relatou um forte cheiro de amônia saindo do tubo de coleta.

E então as coisas foram de mal a pior.

Logo depois de passar o tubo com o sangue para outra médica, Julie Gorchynski, Kane desmaiou e precisou ser retirada da sala de emergência. Julie logo percebeu que havia pequenas partículas coloridas no sangue da paciente, e pouco tempo depois a médica também passou a apresentar náuseas. Assustada, a médica deixou a sala e se sentou na mesa de uma das enfermeiras, desmaiando em seguida.

Uma terceira funcionária, Maureen Welch, também desmaiou, fazendo com que o hospital decidisse desocupar o hospital. Uma pequena equipe permaneceu na sala de emergência para tentar estabilizar Ramirez, mas depois de 45 minutos de massagem cardiorrespiratória e desfibrilação ela acabou falecendo por conta de uma falha nos rins, ocasionada pelo câncer.

Ao todo, 23 pessoas que estavam no hospital enquanto Ramirez era atendida ficaram doentes, e cinco precisaram ser internadas. Entre os sintomas apresentados por essas pessoas estavam vômitos constantes, confusão mental, hepatite, apneia e até mesmo necrose vascular, no caso de Julie Gorchynski, que atendeu diretamente a garota.

O que de fato aconteceu?

Até hoje há um certo mistério sobre o caso de Ramirez, mesmo que não tenham faltado iniciativas de médicos e cientistas para tentar entender o que estava acontecendo no corpo da garota para provocar tamanha toxicidade. Não está descartado, no entanto, que uma espécie de “histeria coletiva” tenha ocorrido no hospital. Isto é, a partir do primeiro caso de desmaio, outros funcionários começaram a passar mal justamente pelo medo de serem afetados pela paciente.

De acordo com a perícia médica, realizada pelo Laboratório Nacional de Livermore, Ramirez estava utilizando um solvente chamado DMSO com o intuito de combater as dores do câncer. Isso fez com que o solvente se acumulasse no seu corpo e acabasse formando o “dimetil sulfona” (DMSO2) a partir do momento em que os paramédicos administraram oxigênio na paciente. O DMSO2 possui a característica de se cristalizar em temperatura ambiente, o que explica as partículas no sangue de Ramirez.

Os desfibriladores, por sua vez, poderiam ter transformado o DMSO2 em DMSO4, um gás extremamente perigoso que certamente teria a capacidade de contaminar quem quer que estivesse próximo à paciente. Entretanto, alguns especialistas questionam de forma veemente a possibilidade do DMSO4 ser formado dentro do corpo humano.

Infelizmente, ninguém soube determinar com exatidão o que ocorreu com Ramirez, que acabou por ser enterrada dois meses depois, após exaustivas análises, com seu corpo já em processo de decomposição.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.