Conheça a música mais triste do mundo que supostamente fez pessoas cometerem suicídio

A música de Rezső Seress e László Jávor, “Gloomy Sunday”, pode ser uma das músicas mais deprimentes já gravadas, e é comumente chamada de “A Canção Suicida Húngara” por causa de sua conexão com uma onda de suicídios do século XX. Mas será que essa música melancólica pode realmente desencadear um comportamento suicida? [10 coisas que você precisa saber sobre o suicídio]

“Gloomy Sunday” é uma canção envolta em tantas lendas, que até os detalhes de sua criação são incertos. Provavelmente a melhor discussão da música e seu impacto vem do artigo de Steven Stack, “Gloomy Sunday: ‘A canção húngara do suicídio’ realmente criou uma epidemia de suicídio?”, que apareceu no Omega: The Journal of Death and Dying em 2008.

Rezső Seress  © Wikimedia Commons

Sabemos que a música foi escrita por Rezső Seress e as letras foram escritas por László Jávor, e que foi gravada pela primeira vez por Pál Kalmár, em 1935. Algumas versões da lenda dizem que a música foi inspirada na separação de Seress e um amante, que depois se matou; outros afirmam que foi a namorada suicida de Jávor que inspirou a música.

A música é contada a partir da perspectiva de uma pessoa cujo ser amado morreu e está pensando em se suicidar para se encontrar com ele, sendo a canção acompanhada por uma melodia particularmente melancólica. Seress se suicidou em 13 de janeiro de 1968. Em seu obituário, o New York Times informou que “Gloomy Sunday” deixou Seress deprimido porque ele se desesperou por nunca mais criar outra música hit.

Os contos sobre as conexões da música com o suicídio começam antes mesmo da canção ser publicada, com uma lenda urbana alegando que o segundo editor a receber a partitura se matou pouco  tempo depois. Mas “Gloomy Sunday” foi um sucesso indiscutível na Hungria da era da Depressão, e acabou ficando famosa internacionalmente. Billie Holiday gravou sua versão de “Gloomy Sunday” em 1941 e, a partir de 2008, a música foi gravada 79 vezes por artistas como Lou Rawls, Ray Charles, Elvis Costello, Sarah McLachlan e Björk. Confira a versão original da música abaixo:

Um artigo de março de 1936 da Time Magazine lista uma série de suicídios na Hungria que supostamente estavam ligados à música: um sapateiro citou a música em um bilhete antes de se suicidar; duas pessoas se atiraram enquanto ouviam bandas; as pessoas supostamente se afogaram no rio Danúbio enquanto seguravam a partitura. E relatos de comportamentos suicidas ligados à música não se limitavam apenas à Hungria. Na década de 1930, tanto a Times quanto o New York Times relataram suicídios e tentativas de suicídio nos Estados Unidos ligados a “Gloomy Sunday”. A música foi banida da BBC até 2002 e, de acordo com alguns relatos, certos pontos de venda nos EUA se recusaram a tocar a música, temendo que fosse de alguma forma responsável por esses suicídios.

Mas é claro que a correlação não é igual à causa. Muitas dessas mortes ocorreram no meio da Grande Depressão, quando “Gloomy Sunday” era bastante popular. E, nas discussões de sobre a música, é frequente notar que a Hungria tem uma taxa de suicídio anormalmente alta (na verdade, as altas taxas de suicídio entre as culturas fino-úgricas do passado e do presente levaram à especulação de que pode haver um gene que predisponha alguns membros dessas populações ao comportamento suicida).

Então, enquanto “Gloomy Sunday” pode muito bem ter sido conectada a alguns desses suicídios décadas atrás, é improvável que a música aja como uma versão “maldita”, entrando em seu cérebro e inspirando você a se matar. Mas só por precaução, se você estiver viajando pela Hungria para conhecer sua história, é melhor ouvir algo um pouco mais animado, não é mesmo?

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.