Conheça a bizarra história do assassino Charles Manson e sua “Família”

No dia 19 de Novembro de 2017 o mundo não falou sobre outra coisa, se não a morte do assassino Charles Manson, que morreu aos 83 anos.

Manson foi sentenciado à morte, sendo que a justiça voltou atrás e acabou o condenando à prisão perpétua nos EUA por fundar um clã de assassinos, feito por seguidores de sua ideologia, que executavam suas vítimas com suas próprias mãos. Seu clã era conhecido como “A Família”, sendo eles os responsáveis por um vasto episódio de crimes macabros no fim dos anos 60.

Manson era um músico excêntrico e usuário de LSD, que foi conhecido pelo seu carisma e por seu desequilíbrio emocional extremo. Ele tinha grandes ambições, sendo que acabou formando seu grupo a partir de pessoas que moravam nas ruas para realizar seus planos macabros.

Tudo isso certamente refletiu de uma infância terrível, sendo que ele foi rejeitado pela mãe, também usuária de drogas e envolvida com a prostituição, sofrendo sérios abusos físicos e sexuais por um tio seu. Ele passou por diversas instituições de abrigos em que recebeu tratamentos, porém apesar de seu QI ter sido pontuado acima da média, ele tinha um comportamento extremamente violento, tendo até sodomizado um garoto ao mesmo tempo usando uma faca em seu pescoço.

Sharon Tate, vítima de Manson.

Charles disseminava um mix de conceitos de filosofia pouco conhecidos na época, sendo um manipulador inato. Ele acreditava que os Beatles transmitiam mensagens sobre o fim do mundo através do “The White Album” (1968) e que a música “Helter Skelter” teria sido uma associação ao crime cometido pela “Família” cuja vítima principal era a atriz e modelo Sharon Tate.

Em 9 de agosto de 1969, no luxuoso bairro de Beverly Hills, Los Angeles, quatro membros da “Família” entraram em uma mansão para executar a ordem de seu líder de exterminar todos os que ali se encontravam.

Membros do clã “A Família’.

No local estava a atriz Sharon Tate, símbolo de seu tempo e esposa do diretor de cinema Roman Polanski, que estava grávida de oito meses e meio, junto ao seu cabeleireiro e outros três amigos. Os membros do clã Susan Atkins, conhecida como Sexie Sadie, Patricia Krenwinkel, Leslie van Houten e Tex Watson não tiveram piedade e, além de atirarem em todos eles, também os esfaquearam. Para piorar ainda mais o quadro, escreveram nos muros da residência com o sangue das vítimas.

Em dois dias, um casal que vivia ao lado da mansão de Tate e Polanski também foi morto pelo clã assassino.

As causas do assassinado ainda permanecem um mistério, porém pesquisadores do caso alegam que a mansão onde ocorreram os crimes havia pertencido a Ferry Melcher, um produtor musical que havia rejeitado uma gravação de Manson, tendo ele planejado a vingança dessa forma. Já outro fator aponta a obsessão de Manson com Sharon Tate, sendo que 45 anos após o assassinato ele disse “vou me manter fiel a ela enquanto viver”.

Manson vivia na prisão de Corcoran, na Califórnia, sendo que sua sentença foi mudada para prisão perpétua em 1972. Sua personalidade ainda intriga o mundo inteiro, sendo que o fundamento de suas ideologias estranhas e o tipo de coisa e motivações para tamanhos crimes entre ele e seu clã ainda permanecem um mistério.

[People]

Comentários
Carregando...