Conheça 7 cidades majestosas que se encontram submersas atualmente

Nada dura para sempre e o mesmo é válido inclusive para as grandes metrópoles do mundo: seja pelas guerras ou até por desastres naturais, tudo tende a desaparecer um dia.

Aliás, algumas cidades podem até mesmo afundar no oceano e a seguir você conhecerá algumas das mais belas delas, que atualmente se encontram submersas. Veja só:

7 – Alexandria, Egito

@Franck Goddio 

Fundada por Alexandre o Grande em 331 a.C., Alexandria já foi o porto mais importante do Egito. Essa cidade acabou sendo varrida da face da Terra, juntamente com o Palácio de Cleópatra na Ilha de Antirhodos e a antiga cidade de Rhakotis. Terremotos foram os causadores da submersão da cidade pela consequência dos maremotos, há mais de 1.200 anos.

@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 

6 – Heracleion, também conhecido como Thonis, Egito

@Franck Goddio 

Fundada no século VIII a.C., Heracleion abrigava o templo de Amon, que desempenhou um papel importante nos ritos associados à continuidade dinástica.

Antes da fundação de Alexandria, Heracleion era o porto mais importante do Egito.

Esta ruína em especial foi descoberta em 2000 pela Equipa IEASM (Institut Européen D’Archéologie Sous-Marine).

@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 

5 – Canopus, ao leste da moderna Alexandria

@Franck Goddio 

Esta cidade foi mencionada pela primeira vez no século 6 a.C. e era conhecida por seus santuários dedicados a Osiris e Serapis. Foi descoberta em 1933 pelo príncipe Toussoun.

@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 
@Franck Goddio 

4 – Estruturas de pedra submersas na ilha Yonaguni Jima, no Japão

@National Geographic e The Living Moon 

Essas estruturas de pedra com um aspecto místico foram descobertas por um mergulhador local em 1986.

As ruínas possuem um castelo, cinco templos, um arco triunfal e pelo menos um grande estádio, conectados por estradas e canais de água, segundo Masaaki Kimura, geólogo marinho da Universidade de Ryukyus. Simplesmente impressionante, não é mesmo?

@National Geographic e The Living Moon 
@National Geographic e The Living Moon 

Veja só um vídeo interessante sobre a descoberta:

3 – Cidade de Baiae, também conhecida como Campania, Itália

@Parque de Arqueologia Subaquática de Baiae

A cidade de Baiae ou Campania, e o Portus Julius, porto de origem da frota imperial ocidental, baía de Nápoles, na Itália, era um recurso popular para os ultra-ricos nas últimas décadas da República Romana.

A cidade era bem equipada, sendo que tinha um cassino e uma piscina gigante também. Baiae foi saqueada por invasores muçulmanos no século VIII e ficou totalmente deserta por conta de uma epidemia de malária por volta de 1500. Quase todos os edifícios estão submersos, devido à atividade vulcânica local.

@Parque de Arqueologia Subaquática de Baiae
@Parque de Arqueologia Subaquática de Baiae
@Parque de Arqueologia Subaquática de Baiae

2 – Cidade do Leão (Shi Cheng) do Lago Qingdao, China

@big-blue , CCTV e lovethesepics

Esta cidade foi inundada em 1959 para criar um lago artificial para o Projeto da Barragem do Rio Xin’an. Cerca de 290.000 pessoas foram realocadas.

Shi Cheng foi erguida durante a Dinastia Han Oriental (entre 25 e 200) e nos séculos VII e VIII, era um centro cultural, econômico e político.

Hoje e dia se encontra há 27 metros abaixo da superfície.

@big-blue , CCTV e lovethesepics
@big-blue , CCTV e lovethesepics
@big-blue , CCTV e lovethesepics
@big-blue , CCTV e lovethesepics

1 – Samabaj, a Cidade Maia Perdida no Lago Atitlán, Guetamala

@Maya Relief Foundation e Prensa Libre

Essa cidade foi encontrada por Roberto Samayoa Asmus, em 1996, no lago Atitlán. Este lago é o centro espiritual e de cura mais importante da Guatemala há mais de 2.000 anos, sendo habitado desde pelo menos 300 a.C.

Samabaj desapareceu sob a água há cerca de 1.700 anos, quando o lago subiu subitamente 20 metros. Arqueólogos acreditam que o vulcão Atitlán pode ter entrado em erupção e bloqueado as saídas no fundo do lago com lama.

@Maya Relief Foundation e Prensa Libre
@Maya Relief Foundation e Prensa Libre

O Lago Atitlán, no entanto, continuou como um centro cerimonial e ainda é um local sagrado onde a astrologia e espiritualidade maia ainda são praticadas por muitos maias, bem como por pessoas que o visitam, de todas as partes do mundo. Veja só um vídeo interessante sobre o assunto:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.