Pular para o conteúdo
Um computador quântico cria a primeira simulação de um buraco de minhoca

Um computador quântico cria a primeira simulação de um buraco de minhoca

Os buracos de minhoca são estruturas teóricas que podem conectar pontos distantes no espaço-tempo, criando um atalho entre eles. Estes portais podem estar a bilhões de anos-luz de distância um do outro.

A ideia dos buracos de minhoca foi descrita pelos físicos Albert Einstein e Nathan Rosen. Embora ainda não tenham sido observados no espaço, os buracos de minhoca já foram criados em computadores quânticos.

Uma equipe de pesquisadores nos Estados Unidos conseguiu criar um buraco de minhoca holográfico no computador quântico Sycamore, do Google, e enviou uma mensagem através dele. A simulação foi realizada com um sistema quântico composto por 9 qubits e mostrou que a mensagem enviada por uma metade apareceu não codificada na outra.

O qubit se moveu através de teletransporte quântico, um processo pelo qual informações sobre estados quânticos podem ser enviadas entre partículas distantes, mas emaranhadas quânticamente.

Este experimento é importante porque abre a porta para futuros testes em computadores quânticos para avaliar ideias da teoria das cordas e da física gravitacional.

A ligação entre emaranhamento quântico, espaço-tempo e gravidade quântica é uma questão fundamental da física e uma área ativa de pesquisa teórica. No entanto, este experimento ainda é muito básico para responder a essas questões de maneira definitiva, pois o protótipo utilizado não é mais poderoso do que os supercomputadores disponíveis atualmente.

Além disso, é importante destacar que o experimento apenas demonstra a possibilidade teórica de criar um buraco de minhoca em um computador quântico, mas não mostra como isso seria possível na prática no espaço real. A criação de um buraco de minhoca no espaço exigiria uma quantidade enorme de energia, o que é difícil de imaginar como poderia ser alcançado.

No entanto, mesmo que a criação de um buraco de minhoca no espaço pareça improvável no momento, a pesquisa sobre eles ainda é importante porque pode nos ajudar a entender melhor a natureza do espaço e do tempo e como eles funcionam.