Como uma tribo da Amazônia evitou que uma empresa milionária destruísse a sua floresta

O povo Waorani, assim como a grande maioria dos povos indígenas, depende apenas de suas próprias forças para sobreviver e para manter a sua cultura. No entanto, como quase sempre acontece, mesmo que nunca tenham interferido na vida urbana que corre ao redor da área onde vivem, no Equador, precisaram ir à luta para defender seus direitos.

Levando consigo suas armas tradicionais, documentos, e cantando suas músicas, o povo Waorani foi acompanhado de advogados até a justiça do Equador defender a preservação da área da Amazônia onde vive.

View this post on Instagram

“Without our culture, our language, who will we become?” – Nemonte Nenquimo, Waorani leader⠀ ⠀ In the short span of centuries – as a result of invasion, conquest and resource extraction – indigenous peoples of the Amazon have been struggling to protect their cultures from extinction. Thousands of years of cultural knowledge and ways of life that care for, sustain and defend one of our planet’s most complex, rich, mysterious and important ecosystems are on the verge of disappearing.⠀ ⠀ Amazon Frontlines works with indigenous communities across the western Amazon, alongside our partner Ceibo Alliance, to support community-led initiatives to recover and protect traditional knowledge and empower the elders, women and mothers who pass this knowledge on to the younger generations. Learn about this beautiful program by visiting: https://buff.ly/2n5SU1I

A post shared by Amazon Frontlines (@amazonfrontlines) on

A área, de acordo com a imprensa local, está sendo colocada em risco pela crescente tendência de exploração no ponto da Mata Amazônica onde os Waorani vivem. Mais especificamente, o que levou os indígenas até a justiça foi o temor de que uma empresa que busca a exploração do petróleo pudesse ganhar o poder de fazer escavações e dominar a região. Esta prática, caso se concretizasse, colocaria em risco todo o estilo de vida dos indígenas, derrubando árvores, acabando com o solo, expulsando os animais e afetando o suprimento de água do povo. A companhia, tomando conta do lugar, destruiria praticamente tudo – incluindo a água e o ar, por conta da poluição.

View this post on Instagram

“We're here today to demand our rights as indigenous peoples and to show the world that the government did not consult us around the auction of our territory. They just showed up in planes, stayed for 30 minutes, and spoke in Spanish– a language our elders don't speak– about all the things they were going to give us. We're here today to make it clear to the world: our land is not for sale!" – Nemonte Nenquimo, President of the Waorani organization of Pastaza Province⠀ ⠀ Show the Ecuadorian government the world is watching by signing and sharing the Waorani's petition: link in bio.⠀ ⠀ #waoraniresistance#keepitintheground#rightsofnature

A post shared by Amazon Frontlines (@amazonfrontlines) on

Tudo isso levaria, inevitavelmente, à necessidade dos Waorani encontrarem outro lugar para viver, abandonando tudo o que aquela terra já significava para eles. Mas eles não iriam entregar tudo tão facilmente assim. Legalmente, no entanto, o governo do Equador precisaria do consentimento do povo indígena para poder passar a propriedade daquele território para a empresa exploradora de petróleo. Sabendo disso, um representante foi enviado em nome das autoridades equatorianas para conseguir o aval dos indígenas.

O problema, alegam os indígenas, é que o “acordo” que era proposto não previa situações favoráveis aos Waorani – apenas aos interesses financeiros governamentais. Por isso, o povo decidiu entrar com uma queixa oficial contra o governo do país, marchando à Corte com suas armas e vestimentas tradicionais.

Felizmente, as indignações do povo indígena comoveram também os cidadãos equatorianos, que ficaram ao lado dos Waorani durante todo o processo. Além deles, várias celebridades, como Leonardo Di Caprio, saíram em defesa dos indígenas. O governo, novamente, tentou “abafar” as questões, promovendo uma audiência sem a presença de um tradutor oficial que pudesse garantir que as queixas estavam sendo devidamente compreendidas e registradas, o que fora percebido por parte dos representantes dos indígenas, e que levou à suspensão dos trâmites legais até um tradutor fosse chamado.

View this post on Instagram

#Regram #RG @amazonfrontlines: “Our territory is not for sale. Our future is in the jungle. As a Waorani woman, I can say that we will never permit the companies to enter our territory and destroy our lives. We are united to resist and protect our rainforest, which we all depend upon”, affirmed Nemonte Nenquimo, indigenous Waorani spokeswoman and founding member of our indigenous partners Alianza Ceibo, during a meeting with UN Special Rapporteur on Indigenous Rights Vicky Tauli-Corpuz, during her current visit to Ecuador. The Waorani of Pastaza are organized to defend their territory, one of the last remaining oil-free, roadless areas which the Ecuadorian State plans to auction off to oil companies. Stand with the Waorani to protect their rainforest home: https://waoresist.amazonfrontlines.org/ #ecuador #amazon #indigenous #forests #indigenousresistance #indigenousrights #unitednations #pastaza #climatechange #tribe #waorani #waoresist

A post shared by Leonardo DiCaprio (@leonardodicaprio) on

No final, agindo de acordo com a lei e ouvindo as reivindicações dos Waorani, foi concedida vitória aos indígenas, que fizeram história ao evitar que 7 milhões de acres fossem vendidos para interesses econômicos individuais, salvando também a própria vida e a propagação de uma cultura milenar.

Agora, as entidades que defendem os interesses indígenas no Equador admitem que as “batalhas” ainda não terminaram, mas garantem que tudo será feito no sentido de evitar que a diversidade cultural seja destruída pelos interesses econômicos de empresas privadas.

View this post on Instagram

Powerful and Historic Victory for the Amazon as the Waorani people won a major legal battle yesterday to protect half-a-million acres of rainforest from oil! This sets a critically important precedent for #IndigenousRights. And this victory is not just for the Waorani – it is for all indigenous peoples, and for all beings of the Amazon rainforest – a forest that we all depend upon. Thank you all for your amazing support to the Waorani – you are part of this movement! The struggle now continues as the government announces they will appeal the court’s decision – please help to send an urgent message to demand respect for indigenous rights! (link in profile) #WaoraniResistance

A post shared by Amazon Frontlines (@amazonfrontlines) on

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.