Como sobreviveríamos a uma depressão econômica no século XXI

Entre a Primeira e a Segunda Guerra mundiais o mundo viu a maior crise econômica que alguma vez já existiu em toda história humana: a Crise de 1929. Esse foi um dos acontecimentos mais impactantes da História Contemporânea e afetou o mundo inteiro, deixando consequências irreversíveis para quase todas nações do planeta.

A crise ocorreu nos Estados Unidos no dia 24 de outubro de 1929, em uma quinta-feira ou melhor dizendo, em uma quinta-feira negra, quando o valor das ações da Bolsa de Valores de Nova York despencou de forma tão abrupta que provou o seu crash, ou seja, o colapso total da bolsa de valores do país. Isso fez a nação imergir em uma crise que durou até 1939, após o New Deal, uma série de programas implementados nos Estados Unidos entre 1933 e 1937, sob o governo do presidente Franklin Delano Roosevelt, para aos poucos recuperar a economia estadunidense.

Por conta de os Estados Unidos serem uma forte economia mundial, muitos países ocidentais industrializados foram severamente afetados pela crise de 1929 e o mundo se deparou com a quebra de muitas empresas, bancos e até mesmo nações inteiras.

Shutterstock

Então, quando pensamos em tudo isso nos dias de hoje, imaginamos a crise de 1929 como algo que ficou para trás nos inúmeros registros dos livros de história.

Mas, de acordo com a Forbes Business Magazine, outra depressão econômica poderia acontecer agora e afetar o mundo todo. E o pior: se isso ocorrer, essa nova grande depressão será tão complicada quanto à crise de 29, ou até mesmo pior que ela.

Apesar de muitos bancos e do mercado financeiro se mostrarem consolidados em muitos setores, um colapso econômico de grandes proporções mudaria bastante a forma como viveríamos.

Mas… como sobreviveríamos a uma depressão econômica no século XXI?

Mãe segurando sua filha em tempos de crise Wikipedia

Primeiramente há uma questão importante de ser levantada: em tempos de crise, as pessoas freiam seu nível de consumo. Por isso, a demanda de muitas empresas começa a cair e, consequentemente, há de se reduzir o número de empregados.

Sobre o seu trabalho, vale a pena refletir: seu emprego realmente produz o essencial para a sociedade? Apesar de nenhum emprego ser 100% seguro, é importante procurar alternativas para trabalhar, pois em casos de crise, demissões em massa acontecem e é necessário estar preparado para elas.

A segunda coisa a ser levada em consideração é a qualidade do consumo: em tempos de crise muitas lojas começam a abaixar o preço de tudo e, se você não tomar cuidado, pode gastar bem mais que o necessário, de modo a não ter reservas para uso posterior.

Mãe e seus filhos passando por dificuldades financeiras durante a crise de 1929 Wikipedia

Uma crise é sempre descrita primeiramente como uma recessão, para posteriormente tornar-se uma depressão. Por isso, é essencial organizar suas finanças e providenciar uma reserva de emergência de, no mínimo, seis meses a um ano com seus gastos essenciais, para que se possa ter uma base necessária para sobreviver antes que tudo piore. É muito importante acelerar esse processo inclusive vendendo coisas que você não utiliza no momento, pois todo dinheiro será necessário ao longo de tempos tão sombrios.

E não só o dinheiro em si se torna escasso, como o mais importante de tudo: os alimentos e nosso acesso a eles.

Em nosso vídeo sobre como sobreviver a uma pandemia ou epidemia trouxemos alguns exemplos de alimentos que você pode estocar, sobretudo em casos de crises diversas:

 

Outro ponto importante para sobreviver em uma crise, é adquirir conhecimentos básicos, seja de culinária, como também sobre como cultivar seus próprios alimentos em casa: algumas pessoas já estão investindo em hortas caseiras, para que possam, no mínimo, obter um sustento extra. Mesmo que uma pessoa more em um apartamento existem opções caseiras de hortas podem salvar uma refeição: tomates, cenouras, espinafre, limões, mini pimentões e muitos outros são alguns exemplos de ingredientes que você pode cultivar facilmente, em seu apartamento.

Algo muito importante a tomar nota é a defesa pessoal: em tempos de crise, a fome, o desemprego e a escassez de uma maneira geral, fazem os seres humanos se tornarem agressivos e muitas pessoas também colapsam junto com o sistema econômico de seu país. Portanto, além de saber defender-se de possíveis invasores e criminosos que buscam roubar algo a todo custo, é importante notar como anda a sua atitude perante a situação, sobretudo a sua em relação à sua postura e saúde mental: afinal, a crise de 1929 provou que sob estresse muitas pessoas tiveram colapsos mentais, afundando-se em depressões profundas e resultando em um número assombroso de suicídios.

Manter os exercícios físicos em dia juntamente com hábitos saudáveis é algo que oferece forças para que passemos por crises com maiores facilidades.

Famílias esperando um auxílio emergencial do governo estadunidense durante a crise de 1929  Wikipedia

E, para finalizar o mais importante: estar perto de sua família e amigos. Sabemos que estamos distantes e isolados, por conta da quarentena, mas reservar um tempo para conversar com seus familiares e amigos e aqueles que possuem um significado especial em nossas vidas é essencial para todos nós.

Quando o mundo colapsa, nossas forças internas são testadas e por isso é muito importante manter-se alinhado, lembrando-se que um dia tudo irá passar.

As crises vêm e vão e, mesmo não sabendo se a próxima recessão pode se tornar uma depressão, é sempre bom estar preparado de alguma forma. Afinal, os que sobreviveram durante a crise de 1929 eram pessoas cuidadosas com o seu dinheiro, prudentes e inventivas.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.