Como sobreviver a um tsunami?

Shutterstock

Em 22 de maio de 1960, o maior terremoto já registrado atingiu a costa do sul do Chile. Quando o tremor parou, Denis García, morador da cidade portuária de Corral, notou algo estranho. Ele estava procurando por sua família, não percebendo que eles estavam seguros e em terreno alto, quando avistou Corral Bay. As águas haviam recuado, deixando o fundo do mar vazio. García foi investigar. Ele não viu o tsunami de 12 metros de altura em direção a ele até que fosse tarde demais.

Preso na água, ele se agarrou a um pedaço de detrito por horas antes de encontrar outro sobrevivente e subir no telhado de uma casa enquanto passava por ela, disse a entrevistadores décadas mais tarde. Enquanto isso, o tsunami varreu o Pacífico. Estima-se que o Grande Terremoto Chileno e o tsunami que se seguiu tenham ceifado mais de 5.000 vidas.

Cerca de 80% dos tsunamis começam ao longo do “Anel de Fogo” sismicamente ativo do Oceano Pacífico, mas teoricamente mega ondas podem atingir qualquer oceano e atravessar o mar para causar o caos longe de sua fonte.

Denis García teve sorte. A maioria das pessoas não sobrevive a ser arrastada por um tsunami. Mas existem algumas maneiras de se proteger desses desastres naturais. Sua estratégia exata dependerá de onde você está e será mais tranquila se você tiver planejado com antecedência.

Sabe que o tsunami está chegando

tsunami
Shutterstock

A maioria dos tsunamis é desencadeada quando os terremotos próximos ao fundo do mar deslocam uma grande quantidade de água. Essa água é empurrada para fora como uma série de ondas que se movem em todas as direções. Erupções vulcânicas submarinas, deslizamentos de terra e até mesmo meteoritos também podem provocar tsunamis.

No mar, essas ondas podem ter centenas de quilômetros de comprimento, mas não mais altas do que alguns metros e viajam na velocidade de um avião a jato, até 900 km/h. Quando as ondas se aproximam da terra, elas diminuem para cerca de 40 km por hora e começam a crescer em altura.

A maioria dos tsunamis tem menos de 3 metros de altura quando atingem a terra, mas podem atingir mais de 30 metros. Quando um tsunami chega à costa, áreas com menos de 8 metros acima do nível do mar e dentro de um quilômetro do mar estarão em maior perigo. No entanto, os tsunamis podem subir até 15 km para o interior.

O tsunami pode se assemelhar a uma parede de água ou, mais provavelmente, a um rápido aumento da inundação. Não vai parecer ondas grandes e onduladas como você vê na praia. É realmente um fluxo muito turbulento que está subindo e fluindo para a terra rapidamente.

Antes disso, porém, pode haver alguns sinais de alerta.

Primeiro você precisa sobreviver ao terremoto, se houver um. Depois de um forte terremoto na costa, certifique-se de chegar a um ponto alto, mesmo que um alerta oficial de tsunami ainda não tenha sido emitido. Se um tsunami local foi gerado, pode estar a poucos minutos de distância. “Você não pode esperar pelas autoridades se é um terremoto significativo e você vive ao longo da costa”, diz Denis Chang Seng, secretário técnico do Grupo de Coordenação Intergovernamental da UNESCO para o Sistema de Alerta e Mitigação Antecipada do Tsunami no Atlântico Nordeste, no Mediterrâneo.

Como Denis García descobriu em 1960, um tsunami também pode fazer com que o oceano se retire antes que ele chegue, deixando a areia e os recifes secos. Pode haver um ruído estrondoso também. “Você tem que reconhecer os sinais de alerta da própria natureza”, diz Chang Seng.

Enquanto isso, centros de rastreamento de tsunamis, como o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, no Havaí, ou o Centro Nacional de Alerta de Tsunamis, no Alasca, emitirão um alerta. Portanto, se estiver em um local propícios a esses fenômenos, esteja atento aos avisos oficiais, sirenes e instruções das autoridades locais.

“Você não quer hesitar se souber que um aviso foi emitido ou se se sentiu um tremor”, diz Laura Kong, diretora do Centro Internacional de Informações sobre Tsunamis, em Honolulu. “Você tem que se mexer.”

Vá para um terreno alto

Como sobreviver a um tsunami?
Shutterstock

Se acontecer de você estar em um barco no mar aberto, fique lá. Caso contrário, seu melhor curso de ação depende de quanto tempo você tem antes que o tsunami chegue.

Seu objetivo, supondo que você esteja em terra, é evacuar da costa. Tente chegar a algum lugar a pelo menos 30 metros acima do nível do mar ou a 3km de distância do oceano.

Se tiver sorte, o tsunami terá sido causado por um terremoto longe e não chegará por várias horas. Pegue um kit de emergência se tiver um na mão e leve seus animais de estimação com você. Se você não tem certeza para onde ir, pode haver sinais de evacuação que você pode seguir. Mas preste atenção a qualquer instrução do pessoal de emergência, pois eles podem recomendar uma rota de evacuação diferente da que você planejava fazer.

Ao se dirigir para um lugar alto, fique longe de rios e córregos. “Um tsunami pode subir o rio muito rápido, e muitas pessoas são pegas de surpresa”, diz Chang Seng.

E planeje evacuar a pé. “Se todos pegarem o carro no mesmo horário, haverá apenas trânsito e ninguém sairá”, diz Garrison-Laney.

Se já houve um terremoto na área, atente para linhas de energia derrubadas. Fique longe de edifícios e pontes que poderiam lançar detritos pesados ​​se houver um tremor secundário.

Se não der tempo…

tsunami
Shutterstock

Se você consegue enxergar a onda vindo, você deve assumir que está muito perto para fugir dela. Muitas pessoas que enfrentam um tsunami têm que se contentar com qualquer abrigo que tenham.

É onde os abrigos serão úteis. Muitas grandes cidades estrangeiras propícias a tsunamis têm estruturas robustas e altas o suficiente para resistir ao ataque da água. No ano passado, a Ocosta Elementary School em Westport, Washington, EUA, revelou a primeira estrutura de evacuação de tsunami do país. O ginásio da escola é projetado para resistir a um terremoto e tsunami e abrigar mais de 1.000 pessoas em seu telhado.

Se você está fugindo de um tsunami e nenhum refúgio está disponível, tente encontrar um edifício de concreto reforçado e resistente. Suba o mais alto possível – pelo menos até o terceiro andar – e siga para o telhado.

“Se há um grande hotel com vários andares, essa provavelmente seria sua melhor aposta”, diz Garrison-Laney. “Seria necessário que fosse um edifício com uma base de concreto bastante substancial e, mesmo assim, não há garantia”. Afinal, a maioria dos edifícios não foi construída para resistir aos tipos de forças que um tsunami lançará contra eles.

Se não houver edifícios, tente subir em uma árvore robusta.

Em último caso

Se tudo mais falhar, pegue um pedaço de detrito flutuante. Algumas pessoas sobreviveram subindo nos telhados e usando destroços como jangadas improvisadas.

Se você está preso na onda, você vai enfrentar água turbulenta cheia de entulho. A sobrevivência, neste momento, é uma questão de sorte. “Uma pessoa será apenas arrastada e levada como escombros; não há como nadar em um tsunami ”, diz Garrison-Laney. “Há muito entulho na água que você provavelmente será esmagado.”

Eventualmente, a onda vai recuar, arrastando carros, árvores e edifícios com ela. Mas mesmo que você tenha chegado até aqui, você ainda não está totalmente seguro. Um tsunami é na verdade uma série de ondas, e a primeira pode não ser a maior. As costas são frequentemente inundadas com várias ondas ao longo de um período de horas.

“As pessoas morreram presumindo que a primeira onda foi a extensão máxima do desastre”, diz Garrison-Laney. “Sempre há ondas subsequentes … da mesma forma que quando você joga uma pedra em uma poça de chuva, nunca há apenas uma onda.”

Então, se você está empoleirado em uma árvore robusta ou em um prédio e não recebeu a permissão do pessoal de emergência, não desça imediatamente. “Eu provavelmente ficaria na árvore por três ou quatro horas”, diz Garrison-Laney.

Espere que as autoridades lhe digam que é seguro retornar a áreas baixas. “O litoral pode ser devastado com inundações e sempre há riscos de incêndios”, diz Chang Seng.

E, por fim, o tsunami pode deixar estruturas enfraquecidas que não caíram de imediato. Várias horas depois do tsunami de 2004 no Oceano Índico, Chang Seng dirigiu por uma ponte em seu país de origem, a nação insular de Seychelles, localizada na costa leste da África. “Eu tinha acabado de atravessar a ponte em um carro, e depois de alguns segundos a mesma ponte desabou”, disse. [PopularScience]

Inscreva-se no nosso canal do YouTube

você pode gostar também
3 Comentários
  1. Zurê Ferreira Camargo Diz

    Gostei do artigo.

  2. Oliveira Diz

    Muito bom comentário. É sempre bom lê-los e ter o conhecimento. Nunca se sabe do que poderá vir num futuro. É bom ler sobre segurança no trânsito, cuidados em estacionamentos para evitar sermos assaltados. Saber não ocupa espaço. Obrigado pelas informações.

  3. Marcos alves Diz

    Os fins dos tempos como nós conhecermos tá chegando..rápido é não hã como intervir!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.