Pular para o conteúdo
É assim que os dinossauros seriam hoje se não tivessem sido extintos

Como seriam os dinossauros hoje se não tivessem sido extintos?

Vamos imaginar, por um momento, que nenhum meteorito caiu na Terra há 66 milhões de anos na Península de Yucatán e que os dinossauros ainda estão vivos. Como esses seres teriam prosperado ao longo dos anos e como eles seriam hoje? Eles ainda seriam aqueles répteis gigantes que percorriam as grandes planícies da terra ou teriam evoluído para uma forma muito diferente?

A verdade é que a extinção em massa dos dinossauros também possibilitou a evolução humana. Os mamíferos sobreviventes floresceram, incluindo os pequenos proto-primatas que evoluiriam para nós. Hoje, vivemos em clãs que dominam a Terra. Já somos 8 bilhões de habitantes no planeta. Mas o objetivo deste texto é falar sobre como seriam os dinossauros se não tivessem sido extintos da face do planeta e os humanos não tivessem prosperado ao ponto que conhecemos hoje.

Um dos primeiros cientistas a considerar uma situação semelhante foi o paleontólogo Dale Russell, que, na década de 1980, propôs um experimento mental no qual um dinossauro comedor de carne evoluiu para um ser inteligente capaz de usar ferramentas. Além disso, esse ser tinha um cérebro grande, polegares opositores e andava ereto. Esta é uma representação do que Russell imaginou com sua proposta:

Como seriam os dinossauros hoje se não tivessem sido extintos?

Esta é uma representação bastante criativa, mas improvável. A biologia de um animal limita a direção de sua evolução. Tomemos como exemplo os saurópodes. Algo em sua anatomia permitiu que eles crescessem de uma forma que nenhum animal terrestre havia feito antes ou depois. Começando no Jurássico, o brontossauro e outros semelhantes evoluíram para se tornarem gigantes de 30 a 50 toneladas e até 30 metros de comprimento, dez vezes o peso de um elefante e do tamanho de uma baleia azul.

Mas, embora esses dinossauros mostrassem uma clara tendência a crescer, o mesmo não acontecia com seus cérebros. Dinossauros jurássicos, como o Allosaurus, o Stegosaurus e o Brachiosaurus, tinham cérebros pequenos. No final do Cretáceo, 80 milhões de anos depois, tiranossauros e patos desenvolveram cérebros maiores. No entanto, apesar de seu tamanho, o cérebro do T. rex pesava apenas 400 gramas, enquanto o cérebro de um Velociraptor pesava 15 gramas. O cérebro humano médio pesa 1,3 kg.

Como seriam os dinossauros hoje se não tivessem sido extintos?

Os dinossauros também desenvolveram uma vida social cada vez mais complexa. Eles começaram a viver em bandos e desenvolveram chifres para lutar. No entanto, a história permaneceu a mesma: eles evoluíram para herbívoros gigantes e carnívoros com cérebros pequenos.

É muito provável que, se ainda estivessem vivos, não tivessem sofrido tantas mudanças. Talvez milhões de anos os tivessem dotado de cérebros ligeiramente maiores, mas não o suficiente para torná-los inteligentes como os humanos. Eles provavelmente teriam continuado a evoluir em direções semelhantes às que já estavam seguindo.

Os herbívoros gigantes teriam continuado crescendo e a se protegerem de predadores com chifres cada vez maiores e com camadas de escamas. Os carnívoros provavelmente teriam se tornado ainda mais eficientes em caçar e matar suas presas, mas não teriam evoluído para seres inteligentes.

Apesar de ser interessante imaginar como seriam os dinossauros se ainda estivessem vivos hoje, a verdade é que eles foram extintos há milhões de anos e sua evolução foi interrompida. A extinção em massa deles também permitiu que os mamíferos, incluindo os humanos, prosperassem e se tornassem dominantes na Terra. É impossível saber com certeza como os dinossauros teriam evoluído, mas podemos aprender muito sobre eles estudando os fósseis e tentando entender como eles viveram e sobreviveram durante sua existência.