Cientista reconstrói rosto de mulher que viveu há 2000 anos

Seu nome era “Hilda” e ela morava na Ilha de Lewis, na Escócia, há cerca de 2.000 anos.

Seu rosto agora foi reconstruído por uma estudante da Universidade de Dundee, que usou seu crânio – que está mantido em uma coleção em Edimburgo, na Escócia – para trazer Hilda de volta à vida.

Acredita-se que Hilda, o apelido dado à mulher, tinha mais de 60 anos quando morreu durante a Idade do Ferro – quase o dobro da expectativa de vida da época.

Universidade de Edimburgo

Karen Fleming, estudante de mestrado em identificação forense e arte facial, recriou a cabeça em cera. Fleming disse: “Hilda era um personagem fascinante para recriar.”

“Está claro que a partir do crânio ela estava desdentada antes de morrer, o que não é surpreendente, considerando a dieta das pessoas daquela época, mas foi impressionante por quanto tempo ela viveu.”

Universidade de Edimburgo

A expectativa de vida de uma mulher nessa época era de aproximadamente 31 anos, e hoje acredita-se que viver mais durante a Idade do Ferro era indicativo de uma vida privilegiada.

Hilda foi recriada de uma antiga caveira mantida no Museu Anatômico da Universidade de Edimburgo e é descrita como um dos seis crânios “Druidas das Hébridas” apresentados à Sociedade Frenológica de Edimburgo em 1833.

Universidade de Edimburgo

Fleming disse: “É impossível saber com certeza quando ela morreu porque não fomos capazes de datá-la, mas assumindo que a informação no jornal de 1833 está correta, Hilda faleceu a qualquer momento entre 55 a.C a 400 a.C., e era de origem celta. Eu acho que ela se parece com muitas mulheres mais velhas que eu conheci na vida e estou orgulhosa disso.”

Universidade de Edimburgo
Universidade de Edimburgo

Reproduzindo meticulosamente recursos em cera, Fleming disse que a onda de calor deste ano quase derreteu Hilda antes que ela fosse reconstruída.

“É engraçado dizer isso agora, mas eu tive que manter partes de Hilda, como suas orelhas modeladas com cera, na geladeira durante a maior parte do verão.”

Veja também: Arqueólogo reconstrói 14 rostos de pessoas que morreram há séculos ou milênios

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.