Notícias e artigos sobre ciência, incluindo espaço, biologia, arqueologia, e muito mais.

Cientistas finalmente explicam como as Pirâmides do Egito foram construídas

Contrariando os que julgam a capacidade dos povos antigos e acreditam em teorias mirabolantes de que alienígenas vieram de milhares de anos-luz de distância apenas para erguer pedras, cientistas finalmente demonstraram como as famosas Pirâmides do Egito, com seus enormes e pesados blocos, foram construídas.

De acordo com os cientistas, os antigos egípcios foram capazes de mover os blocos molhando a areia do deserto na frente de um aparelho construído para puxar objetos pesados.

Os físicos desejavam saber qual a força necessária para puxar objetos pesados em uma espécie de trenó gigante sobre a areia do deserto. Uma forma eficiente de fazer, segundo eles, é molhando a areia, o que reduz o atrito do trenó e o torna mais fácil de operar.

Mas calma, essa teoria não veio do nada. Cientistas encontraram uma pintura na parede do túmulo do governante egípcio Djehutihotep que revela 172 pessoas puxando um trenó com uma estátua gigante a bordo usando cordas. Além disso, uma das pessoas estava despejando um líquido, provavelmente água, sobre a areia do deserto por onde o trenó passaria. Eles dataram a pintura e descobriram que ela remonta a 1.900 a.C.

Com base na pintura, os pesquisadores testaram a ideia em laboratório, usando uma pequena versão do trenó sobre um bandeja de areia. Eles mediram a quantidade de força de tração necessária para mover o trenó, assim como a rigidez da areia, que foi molhada na quantidade certa para permitir que o trenó deslizasse com mais facilidade.

 “Pontes capilares surgem quando a água é adicionada à areia. Estas são pequenas gotas de água em que os grãos de areia se ligam. Na presença da quantidade adequada de água, a areia molhada é cerca de duas vezes mais rígida que areia seca. O trenó desliza mais facilmente sobre a areia firme, simplesmente porque ela não se acumula na frente do trenó como a areia seca”, explicam os físicos.

O estudo foi publicado na Physical Review Letters e, além de resolver um mistério de longa data, pode ajudar os cientistas a entender o comportamento de outros materiais granulares, como asfalto, concreto e carvão. [LiveScience]

Comentários
Carregando...