fbpx

Cientistas descobrem quem foram os construtores de Stonehenge, e reconstroem seus rostos

As pessoas da Grã-Bretanha do Neolítico Primitivo, cujos ancestrais construíram Stonehenge, podem não ser quem você acha que são.

Cerca de 6.000 anos atrás, uma onda de agricultores da costa do mar Egeu no que hoje é a Turquia viajou pela Europa continental, espalhou-se no que hoje é Espanha e Portugal, depois foi para a Grã-Bretanha, onde provocou o advento da agricultura na ilha. Em questão de séculos, eles substituíram quase totalmente a população nativa “britânica” de caçadores-coletores.

Reportado na revista Nature: Ecology & Evolution, um novo estudo analisou o DNA antigo de dezenas de pessoas que moravam na Grã-Bretanha entre 8500 aC e 2.500 aC, seis das quais eram caçadores-coletores mesolíticos (que datam de 11.600-6.000 anos atrás) e 47 agricultores neolíticos (que datam de 6.000 a 4.500 anos atrás). Um desses esqueletos incluía Cheddar Man, o mais antigo esqueleto humano quase completo encontrado na Grã-Bretanha.

A evidência genética mostra que a maior parte da população de caçadores-coletores da Grã-Bretanha foi substituída por fazendeiros com ancestrais originários da costa do Egeu, cuja composição genética se aproxima mais da população atual da Espanha e Portugal.

À esquerda: Cheddar Man, um exemplo de um britânico mesolítico © Tom Barnes / Channel 4. À direita: Reconstrução em 3D de Whitehawk Woman, um exemplo de uma neolítica britânica de 5.600 anos atrás © Royal Pavilion & Museums, Brighton & Hove

Mais importante, eles não deixaram apenas uma impressão genética na Grã-Bretanha; eles também trouxeram com eles a arte revolucionária da agricultura, bem como outras práticas culturais importantes, como novos ritos funerários, cerâmica e construção de monumentos de pedra, incluindo Stonehenge. A agricultura é datada pela primeira vez na Grã-Bretanha há cerca de 6.000 anos. Antes disso, as pessoas se alimentavam de caça, pesca e coleta.

Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Lucas Rabello (@lucasrmdm) em

“A transição para a agricultura marca uma das inovações tecnológicas mais importantes na evolução humana… Por mais de 100 anos os arqueólogos debateram se ela foi trazida para a Grã-Bretanha pelos agricultores continentais imigrantes, ou se foi adotada por caçadores-coletores locais”, explicou o autor do estudo Mark Thomas, professor de Genética, Evolução e Meio Ambiente na University College London, em um comunicado de imprensa.

“Nosso estudo apoia fortemente a visão de que os agricultores imigrantes introduziram a agricultura na Grã-Bretanha e substituíram em grande parte as populações indígenas de caçadores-coletores”.

Assim como a maioria dos caçadores-coletores europeus, os britânicos mesolíticos tinham pele escura e olhos azuis. Esses genes foram rapidamente eliminados após a chegada dos fazendeiros do mar Egeu, sugerindo que a população nativa era comparativamente pequena e rapidamente misturada com os bandos de recém-chegados. Em sua jornada da Turquia, eles se expandiram ao longo do Mediterrâneo e do Reno-Danúbio na Alemanha moderna, captando idéias e genes ao longo do caminho.

Se este estudo prova alguma coisa, isso mostra que a história da migração e do patrimônio genético na Europa e em outros lugares é muito mais interligada e complexa que muitas vezes parece ser.

você pode gostar também
1 comentário
  1. Diego Diz

    Muito bom cara.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.