As crianças que foram mutiladas pela Igreja para manter suas vozes agudas

A castração antes da puberdade impede que a laringe do menino se transforme por mudanças fisiológicas. Então, os homens mantinham a voz aguda para sempre para compor os corais de igrejas.

No século XVII, uma prática irreal e cruel deslanchou na Europa quando surgiu: os castrati, como eram chamados as crianças-adolescentes da época, que eram castradas para manter um tom de voz agudo que fascinava em concertos de ópera .

A denominação de “Los Castrati” como tal, origina-se do termo singular “castrati” e/ou “castrato” , que se refere a crianças-adolescentes cujos testículos foram retirados pela Igreja Católica. Era um processo denominado orquiectomia, com a finalidade de preservar o tom agudo ao cantar nos corais das Igrejas.

Deve-se notar que a castração antes da puberdade impede que a laringe do menino se transforme por mudanças fisiológicas normais no estágio e, como resultado, a extensão vocal é amplamente preservada.

Essa cirurgia era realizada em crianças entre 8 e 12 anos, pois justamente nessa idade os homens costumam mudar a voz do agudo para o grave.

Os castrati eram treinados para participar de concertos de ópera onde conquistavam o público com sua voz aguda de soprano. Esses pré-adolescentes naturalmente tinham notas de voz que cativavam e por isso essa tradição se manteve ao longo dos anos.

castrati

Os castrati possuíam um poderoso alcance soprano e eram adorados pela aristocracia europeia durante o Renascimento e o Barroco, porém, segundo algumas pesquisas, a castração já era realizada muito antes, datando de 400 d.C. para os mesmos fins musicais.

Segundo alguns registros, o número aproximado de crianças-adolescentes que eram castrados por ano girava em torno de 4 mil, e muitos deles pertenciam a famílias com poucos recursos econômicos, de modo que seus próprios pais eram os que concordavam que seus filhos fossem submetidos a essa tortura.

Alguns dos castrati mais famosos foram Senesino (1686-1758), Farinelli (1705-1782), Gaspare Pacchierotti (1740-1821) e Giovanni Velluti (1780-1861).

A “tradição” dos castrati prevaleceu até meados do século XIX, embora com menos boom em relação à ópera, pois a Igreja Católica continuava sujeitando os meninos à castração.

Da mesma forma, foi a própria Igreja Católica que pôs fim à horrível prática, graças ao Papa Pio X , que em 1903 a proibiu por considerá-la “um costume abominável contra a natureza humana”, o que fez com que as mulheres passassem a ter grande relevância na ópera.

Ao longo dos anos, a história dos castrati chegou à sétima arte com filmes como ‘Farinelli el Castrado’ (1994) de Gérard Corbiau, um filme biográfico sobre o famoso castrado Carlo Broschi, que recebeu o nome de “Farinelli”.

buy metformin metformin online