Afinal, por que acontece a turbulência? Ela é perigosa?

Mesmo para os experientes viajantes que estão confortáveis ​​sentados em um tubo de alumínio apertado voando pelo céu a 11.000 metros ao lado de uma criança gritando, a turbulência pode ser uma experiência enervante. Como você pode ter visto nos noticiários desta semana, houve uma história particularmente aterrorizante de cerca de 37 pessoas sendo feridas devido à extrema turbulência em um voo da Air Canada de Vancouver, Canadá, para Sydney, na Austrália. No entanto, essas ocorrências são raras e é nada para perder o sono.

Em termos mais simples, a turbulência em uma aeronave é como acertar um buraco no asfalto com seu carro. Em vez de um asfalto em ruínas, o avião entra em contato com correntes caóticas de ar, que podem ser produzidas de várias maneiras, tais como junções de ar frio e quente, correntes de jato, tempestades ou simplesmente voar sobre montanhas. Bater nessas “ondas” de fluxo de ar causa mudanças repentinas na altitude ou na inclinação do avião, o que resulta no balanço.

“Na mente dos passageiros, o avião está despencando centenas ou milhares de pés, mas podemos ver apenas uma contração de 10 ou 20 pés no altímetro”, disse Patrick Smith, piloto comercial e anfitrião do AskThePilot.com. Ou seja, nosso cérebro, que dentro do avião não tem uma referência clara da situação, o engana fazendo perceber que está caindo centenas de metros.

“Olhando para isso de uma perspectiva mais científica, a turbulência é, por falta de uma maneira melhor de dizer, apenas vento. Geralmente, nós, pilotos, nem pensamos nisso ”, acrescentou Smith.

Certas condições podem tornar os aviões mais propensos a experimentar uma má fase de turbulência, como a presença de cadeias montanhosas e tempestuosas nuvens cumulonimbus. Um estudo de 2017 conduzido pela Universidade de Reading calculou que a quantidade de turbulência severa aumentará dramaticamente em algum momento após 2050, devido às mudanças climáticas. Isso ocorre porque as temperaturas globais mais altas resultarão no fortalecimento das instabilidades do vento em altas altitudes e tornarão os bolsões de ar bruto mais fortes e frequentes.

Embora a turbulência seja muitas vezes inevitável, os pilotos geralmente conseguem descobrir onde as áreas irregulares estão localizadas, observando as previsões meteorológicas e os dados da variabilidade do vento. Correntes verticais causadas por tempestades são, sem dúvida, as mais preocupantes do grupo, embora sejam relativamente fáceis para os pilotos detectarem e evitarem.

Então, não precisamos ter medo da turbulência?

A coisa mais importante a se ter em consideração durante uma viagem de avião é: manter os cintos afivelados, pois o avião pode sim enfrentar uma turbulência inesperada. Se todas os passageiros daquele voo estivessem com os cintos apertados, nenhum teria se ferido.

E nenhuma turbulência é capaz de derrubar um avião, exceto as formadas dentro de nuvens cumulonimbus. Mas essas são fáceis de evitar, uma vez que todos os aviões são equipados com radares meteorológicos. Outros tipos de turbulência, como a de céu claro, não são capazes de danificar a estrutura do avião.

Dito isto, as viagens aéreas continuam sendo o meio de transporte mais seguro. Para cada bilhão de milhas de viagem, há apenas 0,07 acidentes fatais com viagens aéreas comerciais. Para carros, esse valor é de 7,28 e mais de 212 para motocicletas. De acordo com estatísticas da Administração Federal de Aviação, menos de 100 pessoas são feridas por turbulência anualmente. Considerando que há mais de 4 bilhões de passageiros para voos regulares a cada ano, isso é muito bom.

E lembre-se: mantenha os cintos afivelados.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.