Afinal, o 5G é ou não é perigoso para a saúde?

O 5G, a próxima geração de tecnologia celular para a próxima geração de smartphones, é iminente. E, com isso, há uma preocupação com o risco à saúde dessa rede nova e mais poderosa.

Até agora, você pode ter visto artigos no Facebook ou sites de saúde alternativa. O que eles dizem “5G é uma escalada perigosa da tecnologia móvel tradicional, repleta de radiação de energia mais alta que provoca potenciais efeitos danosos aos seres humanos. Alguns especialistas em 5G afirmam que a nova rede gera radiação de radiofrequência que pode danificar o DNA e levar ao câncer; causar danos oxidativos que podem causar envelhecimento prematuro; interromper o metabolismo celular; e potencialmente levar a outras doenças através da geração de proteínas do estresse.” 

Parece preocupante, mas vamos dar uma olhada na ciência real.

O que é o 5G?

Afinal, o 5G é ou não é perigoso para a saúde?
Shutterstock

O 5G tem sido anunciado há alguns anos, mas este é o ano em que as operadoras iniciam o processo de lançamento do novo padrão sem fio. Alguns países já vem implantando antenas, embora a disponibilidade generalizada ainda esteja a um ano ou mais de distância.

Isso não impede que os fabricantes de dispositivos e provedores de serviços pulem no trem de pouso 5G. O novo Galaxy S10 e Galaxy Fold da Samsung (o telefone que se desenrola em um tablet), por exemplo, estão prontos para o 5G, junto com modelos da LG, Huawei, Motorola, ZTE e outras.

O 5G oferece uma melhoria de pelo menos 10 vezes no desempenho da rede. A última grande atualização de rede foi o 4G, que estreou em 2009, com uma velocidade de pico de cerca de 10 Mbps. Em comparação, o 5G está pronto para fornecer velocidades de pico entre 10 e 20 Gbps. E a latência de rede cairá de 30ms para cerca de 1ms, ideal para streaming de jogos, vídeo online e a Internet das Coisas, que prevê o 5G para conectar sensores, computadores e outros dispositivos com latência ultrabaixa.

Uma evolução de preocupações

Afinal, o 5G é ou não é perigoso para a saúde?
Shutterstock

Antes de abordarmos o 5G, vale a pena ressaltar que os mais recentes temores de saúde sobre a radiação não estão acontecendo no vácuo. Preocupações sobre o 5G são a mais recente iteração de décadas de manchetes sobre os perigos da radiação eletromagnética. Vimos controvérsias sobre tudo, desde os riscos para a saúde de Wi-Fi a medidores inteligentes.

A hipersensibilidade eletromagnética, por exemplo, é uma doença hipotética na qual certas pessoas experimentam sintomas debilitantes na presença de radiação, como telefones celulares e Wi-Fi – então, sim, o comportamento bizarro de Michael McKean em “Better Call Saul” é uma coisa real. Mas, apesar das pessoas afirmarem tais sensibilidades por pelo menos 30 anos, revisões científicas sistemáticas descobriram que as “vítimas” não sabem dizer quando estão na presença de um campo eletromagnético, e a Organização Mundial de Saúde recomenda a avaliação psicológica para esses casos, isto é, é apenas um sintoma psicológico.

Da mesma forma, décadas de estudos não encontraram nenhuma ligação entre telefones celulares e cânceres, como tumores cerebrais, embora isso não tenha impedido que cidades como São Francisco aprovassem leis exigindo que as lojas exibissem a radiação emitida pelos aparelhos – o que implica, na mente dos consumidores, um risco.

Quão perigosa é a radiação de radiofrequência?

Na raiz de todas as preocupações sobre as redes de telefonia celular está a radiação de radiofrequência (RFR). O RFR é qualquer coisa emitida no espectro eletromagnético, desde microondas a raios X, ondas de rádio, luz do monitor ou luz do sol. Claramente, o RFR não é inerentemente perigoso, então o problema se torna descobrir em que circunstâncias ele pode ser.

Os cientistas dizem que o critério mais importante sobre se um determinado RFR é perigoso é se ele cai na categoria de radiação ionizante ou não ionizante. Simplificando, qualquer radiação que não seja ionizante é muito fraca para romper as ligações químicas. Isso inclui ultravioleta, luz visível, infravermelho e tudo com uma frequência menor, como ondas de rádio. Tecnologias cotidianas como linhas de energia, rádio FM e Wi-Fi também se enquadram nessa faixa. (As microondas são a única exceção: não-ionizantes, mas capazes de danificar o tecido; elas são precisamente e intencionalmente sintonizadas para ressoar com moléculas de água.) Frequências acima de UV, como raios X e raios gama, são ionizantes.

Dr. Steve Novella, professor assistente de neurologia em Yale e editor da Science-Based Medicine, entende que as pessoas geralmente se preocupam com a radiação. “Usar o termo radiação é enganoso porque as pessoas pensam em armas nucleares – elas pensam em radiação ionizante que absolutamente pode causar danos. Pode matar células. Pode causar mutações no DNA, mas a maior parte da radiação que lidamos no dia-a-dia é a não ionizante”.

Ou, nas palavras menos refinadas, porém mais viscerais, do autor C. Stuart Hardwick, “a radiação não é uma peste mágica da morte”.

Estudos em andamento

Afinal, o 5G é ou não é perigoso para a saúde?
Shutterstock

Claro, só porque não há nenhum mecanismo conhecido para a radiação não ionizante ter um efeito biológico, isso não significa que é seguro ou que não existe nenhum efeito. De fato, os pesquisadores continuam a realizar estudos. Um estudo recente foi divulgado pelo Programa Nacional de Toxicologia (NTP), uma agência gerida pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA. Neste estudo amplamente citado sobre radiação de radiofrequência de telefones celulares, cientistas descobriram que a alta exposição a RFR 3G pode ter levado a alguns casos de tumores cardíacos cancerígenos, tumores cerebrais e tumores nas glândulas supra-renais de ratos machos.

O estudo é uma boa lição sobre como é difícil fazer ciência assim. Como destaca o RealClearScience, o número de tumores detectados era tão pequeno que, estatisticamente, poderia ter ocorrido por acaso (o que pode ser mais provável, uma vez que foram detectados apenas em indivíduos do sexo masculino). Além disso, o nível e a duração da exposição ao RFR estavam bem acima do que qualquer humano seria exposto em toda a sua vida, e de fato. Segundo Novella: “Pesquisadores experientes olham para um estudo como esse e dizem que ele realmente não nos diz nada.”

Avaliando os riscos da 5G

Deixando de lado os estudos, o 5G está chegando e, como mencionado, há preocupações por parte de algumas pessoas sobre essa nova tecnologia.

Uma queixa comum sobre o 5G é que, devido à menor potência dos transmissores 5G, haverá mais deles. O Environmental Health Trust afirma que “o 5G exigirá a construção de literalmente centenas de milhares de novas antenas sem fio em cidades. ”

Segundo o Dr. Novella: “O que eles estão dizendo é que a dose será maior. Teoricamente, essa é uma pergunta razoável a ser feita. ”Mas os céticos advertem que você não deve confundir a pergunta com apenas afirmar que há um risco. Como Novella salienta, “ainda estamos falando de potência e frequência mais fracas que a luz. Você sai ao sol e está banhado em radiação eletromagnética que é muito maior do que essas torres de celular 5G.”

É fácil encontrar posts online dizendo que a frequência maior do 5G por si só constitui um risco. O RadiationHealthRisks.com observa que “1G, 2G, 3G e 4G usam entre 1 a 5 gigahertz de frequência. O 5G usa uma frequência de 24 a 90 gigahertz ”, e então afirma que “Dentro da porção de radiação RF do espectro eletromagnético, quanto maior a frequência, mais perigoso é para organismos vivos”.

Mas afirmar que a frequência mais alta é mais perigosa é apenas isso – uma afirmação, e há pouca ciência real para apoiar isso. O 5G permanece não ionizante por natureza.

Os cientistas continuarão testando novas redes à medida que a tecnologia evoluir, para garantir que a tecnologia que usamos todos os dias permaneça segura. Recentemente, em fevereiro, o senador norte-americano Richard Blumenthal criticou a FCC e a FDA por pesquisas insuficientes sobre os riscos potenciais da 5G. Como mostra o estudo do NTP, a pesquisa sobre os riscos de radiação é difícil e muitas vezes inconclusiva, o que significa que pode levar muito tempo para fazer um progresso real.

Mas, por enquanto, tudo o que sabemos sobre as redes 5G nos diz que não há motivo para se alarmar. Afinal, existem muitas tecnologias que usamos todos os dias com um risco mensurável substancialmente maior.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.