A população está prestes a chegar a 8 bilhões, a Terra suportará isso?

A Organização das Nações Unidas apresentou suas estimativas e projeções demográficas e sugere que em 2022, o planeta chegará a 8 bilhões de habitantes. E embora em alguns países as taxas de natalidade tenham diminuído, a ONU divulgou o número máximo com o qual a humanidade poderia continuar desfrutando de uma boa qualidade de vida e parece que não estamos no caminho certo. A questão é se a Terra suportará continuar fornecendo casas e recursos para 8 bilhões de pessoas.

De acordo com o relatório elaborado pela Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Secretaria das Nações Unidas, a nova marca de 8 bilhões de pessoas será alcançada em meados de novembro de 2022.

De acordo com suas projeções, China e Índia ocupam o primeiro e segundo lugar em superpopulação mundial , cada um com 1,4 bilhão de habitantes. No entanto, as projeções preveem que a Índia ultrapassará o gigante asiático em algum momento de 2023.

Embora o novo número seja um marco para a superpopulação no planeta, os números claramente não pararão por aí e continuarão aumentando à medida que as taxas de natalidade acompanham as baixas taxas de mortalidade. Atualmente, estima-se que ocorram mais de 200.000 nascimentos por dia.

As projeções preveem um crescimento que atingirá 9 bilhões de habitantes em 2037 e 10 bilhões em 2057. A população deverá se estabilizar entre 10 bilhões e 11 bilhões até 2100.

A Academia Australiana de Ciências realizou estudos para descobrir a ‘capacidade de carga’ máxima que a Terra poderia suportar. Com estimativas que variam de 500 milhões a 1000 trilhões (um 1 seguido de 21 zeros) de habitantes.

A questão aqui é: qual seria a qualidade de vida em todas essas faixas? Os resultados renderam uma grande variedade de números, mas quase todos concordam que a capacidade de carga ideal da Terra é de 8 bilhões de pessoas.

É preciso dizer que, embora a população esteja distribuída de forma diferente em cada país, nem sempre é a mesma que a quantidade de recursos consumidos. Por exemplo, os Estados Unidos são o terceiro país com maior população, com 355 milhões de pessoas (5% da população mundial), porém, consomem mais de 17% da energia produzida no mundo. Por outro lado, a China, que tem 1,4 bilhão de habitantes (17% da população mundial), consome apenas 25% da energia.

O relatório das Nações Unidas também sugere que a fertilidade diminuiu acentuadamente nas últimas décadas em muitos países. Hoje, dois terços dos habitantes do mundo vivem em um país onde a fecundidade é inferior a 2,1 nascimentos por mulher. Este é precisamente o nível de natalidade necessário para um crescimento zero a longo prazo, para uma população de baixa mortalidade.

Mas há outros países que estão em crescimento populacional. Segundo projeções, mais da metade da população esperada até 2050 virá de oito países específicos: República Democrática do Congo, Egito, Etiópia, Índia, Nigéria, Paquistão, Filipinas e a República Unida da Tanzânia.

Por outro lado, e como esperado, a pandemia levou a alterações nos números populacionais em todo o mundo. O relatório diz que “a expectativa de vida global caiu para 71 anos em 2021 (abaixo dos 72,9 em 2019). E, em alguns países, ondas sucessivas da pandemia podem ter produzido reduções de curto prazo no número de gestações e nascimentos”.

Mas o efeito de desaceleração do crescimento populacional teria de ser sustentado por várias décadas para produzir resultados substanciais na segunda metade do século.

De qualquer forma, os números nos lançam uma grande reflexão sobre como estamos administrando nossa convivência no planeta, pois devemos lembrar que não estamos sozinhos. Além disso, a gestão de recursos é outra questão que deve ser colocada na mesa. Casos como o dos Estados Unidos são uma evidência clara de que o capitalismo de consumo está ofuscando a gestão sustentável de nossa existência.

buy metformin metformin online