A história cruel de “Garganta profunda”, a atriz de filmes eróticos que foi obrigada a fazer coisas horripilantes

Linda Loveplace nasceu em 1949 no Bronx nova-iorquino. Filha de pais católicos, frequentou um colégio religioso onde, aparentemente, recebia provocações de suas companheiras por ter atitudes “dissimuladas”. O dia que seu pai se aposentou e se mudaram para a Flórida, as coisas começaram a mudar. A garota já tinha seus 16 anos e rapidamente ficou grávida de um menino. Depois que nasceu, sua mãe rapidamente o encaminhou para a adoção, sem dizê-la nada!

A conhecida atriz de filmes eróticos viveu em um mundo de contradições, mentiras e algumas fortes traições. Conheça sua história.

Linda Loveplace/Arquivo

Depois de sofrer a repentina perda de seu filho, Linda voltou a Nova York quando completou 20 anos. Lá conheceu Chuck Traynor, um homem que marcou sua vida por completo.

Linda Loveplace/Arquivo

No início parecia ser uma linda relação. Ele era “delicado” e atento com ela, mas rapidamente se transformou em um ser humano mal que a maltratava e humilhava sempre que tinha chance.

Linda Loveplace/Arquivo

Ele a obrigava a se prostituir ou simplesmente a “emprestava” a outros homens para agrada-los.

Linda Loveplace/Arquivo

Chuck Traynor foi o culpado da introdução de Linda ao mundo pornográfico. Mas era um mundo tão obscuro que ela até teve que gravar um filme tendo relações com um cachorro.

Linda Loveplace/Arquivo   

Quando chegou o ano de 1972, Linda ficou mundialmente famosa por ser a protagonista de “Garganta profunda”.

Linda Loveplace/Arquivo

Este filme tratava de uma mulher incapaz de ter orgasmos, até que descobriu que era porque tinha o clitóris na garganta, uma desculpa perfeita para que Linda fizesse uma demonstração de seus dotes especiais para o sexo oral.

O filme teve um pressuposto ridículo, mas, quando o presidente Nixon proibiu o filme e ordenou a captura do protagonista masculino, Harry Reems, impulsou a popularidade do filme e o converteu em um fenômeno que arrecadou mais de 50 milhões de dólares, algo incomum para a época, além de despertar a solidariedade de Hollywood. Sim, ela não recebeu nenhum dólar por seu trabalho: os 1.250 que lhe correspondiam por sua atuação ficou com seu marido.

Linda Loveplace/Arquivo

Anos depois ela disse o seguinte a respeito do filme:

“Quando assistirem o filme “Garganta profunda”, verão como estou sendo violada. É um crime que o filme siga disponível. Eu tinha uma pistola apontada na minha cabeça o tempo todo”. 

Linda Loveplace/Arquivo

Aos poucos, a linda mulher foi aproveitando sua fama para trilhar seu caminho por outros lados da indústria, mas lançado em 1974, seu único filme não pornográfico foi um fracasso total.

Linda Loveplace/Arquivo

Ao mesmo tempo, conseguiu divorciar-se de Traynor e conheceu seu segundo marido, Larry Marchiano (de quem se divorciou em 1996), e terminou como uma autentica inimiga da pornografia, apoiando comitês e iniciativas que buscam proibi-la e mostrando, como uma prova viva, o quão destrutivo é dedicar-se a ela.

Linda Loveplace/Arquivo

Nada a distanciou da controvérsia.

Houveram pessoas da indústria pornográfica que a apoiaram, mas a maioria a ameaçou dizendo que estava se aproveitando da situação. Os meios de comunicação se dedicaram a colocar em circulação cada detalhe sórdido da sua vida, tentando fazer as pessoas duvidarem se ela realmente fazia as coisas sendo obrigada ou realmente desfrutava das práticas extremistas.

Linda Loveplace/Arquivo  

Ela mesma confessou que só injetou silicone porque foi obrigada por seu primeiro marido, e isso lhe causou câncer de mama.

Como se fosse pouco, Linda deixou em claro quão usada se sentiu pelo movimento feminista da época, contando que muitas autoras fizeram dinheiro publicando livros e artigos sobre ela, sem ajudá-la quando mais necessitava.

A saúde tão pouco esteve do seu lado.

Linda Loveplace/Arquivo

Uma hepatite (contraída por uma transfusão depois de um acidente de trânsito quando era joveml) a levou a um transplante de fígado.

Se em algum momento de sua carreira houve glamour, esse momento durou pouco.

Linda Loveplace/Arquivo

Ela morreu no dia 22 de abril de 2002, em Denver (EUA), depois de ser desconectada do equipamento que a mantinha viva, depois de sofrer um terrível acidente de carro. Tinha apenas 53 anos. Deixou seu marido Larry viúvo e dois filhos, que estiveram presentes no momento de sua morte.

Linda Loveplace/Arquivo

Uma atriz que gerou muita controvérsia e desconfiança.

Comentários
Carregando...