A falha de San Andreas está prestes a rachar – e grande terremoto pode acontecer na Califórnia a qualquer momento

O diretor do Southern California Earthquake Center, Thomas Jordan, fez um anúncio recentemente que causou um arrepio na espinha de todos os californianos: que a falha de San Andreas parece estar em estado crítico e, como tal, poderia gerar um grande terremoto iminentemente.

Por que esse sismólogo está fazendo essas declarações alarmantes? Bem, o fato é que não há uma grande liberação de tensões na porção sul do sistema de falhas de San Andreas desde 1857. Em termos simples, San Andreas é um dos muitos sistemas de falhas que marcam a fronteira entre as placas do Pacífico e Norte Americana. Ambas as placas estão se movendo em uma direção aproximadamente norte, mas a placa do Pacífico está se movendo mais rápido do que a Norte Americana, o que significa que as tensões entre as placas estão constantemente se acumulando.

Em 1906, alguns desses estresses foram liberados na área da Baía de São Francisco em um evento de magnitude 7.8 e, novamente, no norte da Califórnia, durante o terremoto Loma Prieta em 1989, de magnitude 6.9. Eventos dessas magnitudes, no entanto, não ocorreram ao longo da falha de San Andreas recentemente, levando à sugestão de que há muito estresse acumulado e, quando tudo for liberado, teremos um “Big One”.

O quão grande seria um terremoto “Big One”? 

Falha de San Andreas
Falha de San Andreas. © Wikipedia

Em resumo, os californianos ficarão (razoavelmente) satisfeitos com as respostas a essas perguntas. No filme San Andreas, a falha produz um terremoto de magnitude 9.0. Embora não sejam inéditos no mundo, os terremotos deste tamanho são geralmente confinados a regiões da Terra onde a subducção – onde uma placa tectônica está sendo forçada abaixo da outra – está acontecendo, por exemplo, no Chile e no Japão. A situação tectônica na Califórnia é diferente. Lá, duas placas estão passando uma pela outra.

Como tal, as previsões recentes limitam a possível magnitude máxima do terremoto ao longo do sistema de falhas de San Andreas para 8.0, embora com uma estimativa de probabilidade de 7% de que tal evento possa ocorrer no sul da Califórnia nos próximos 30 anos; no mesmo período, há 75% de chance de um evento de magnitude 7.0. Embora as magnitudes de 7.0, 8.0 e 9.0 possam parecer insignificantemente diferentes, a energia que tais eventos desencadeariam varia significativamente, com um evento de magnitude 9.0 liberando 32 vezes mais energia do que uma magnitude 8.0 e 1.000 vezes mais energia do que uma magnitude 7.0.

Obviamente, no entanto, seja um 7.0 ou um 8.0, o dano é inevitável, mas toda a sequência de eventos, como descrita no filme, é improvável. Por exemplo, a falha de San Andreas não está abaixo do oceano e, como tal, qualquer derrapagem ao longo dela não pode deslocar a água até o ponto em que um tsunami seja gerado. A abertura de um abismo maciço é também fantasia, uma vez que as placas estão deslizando em relação uma à outra, não se afastando.

O que é realista, no entanto, é que uma grande quantidade de destruição é provável. Enquanto os códigos de construção na Califórnia são rigorosos, recomendando a adaptação de medidas de proteção sísmica para edifícios mais antigos e impedindo a construção de novos edifícios perto de linhas de falhas conhecidas, não há como tornar um edifício 100% seguro.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.