6 coisas que você não sabia sobre a Antártica

Versão em vídeo:

Versão em texto:

Antártida – ou também Antártica, como denominada no Brasil – é um continente com quatorze milhões de quilômetros quadrados, o que o faz o quarto maior dos continentes do planeta. A Antártida é maior que a Europa e a Oceania e, acredite se quiser, existe vida por lá: pinguins, focas, peixes, crustáceos, baleias, ursos e uma gama de aves consegue viver às temperaturas extremas. Porém, essas espécies vivem nas bordas do continente, uma vez que, no inverno, a temperatura pode chegar a 89 ºC negativos.

A diferença entre o Ártico (onde está o Polo Norte) e a Antártida (onde fica o Polo Sul do planeta) é sutil, mas muito significativa: ambos são muito frios e cobertos por neve, mas o norte consiste apenas em mar congelado, enquanto no sul existe terra, ou melhor, um continente inteiro repleto de fascínios e muitas curiosidades. E hoje iremos mostrar para você algumas delas, já que, apesar de ser o quarto maior dos continentes do mundo, é pouco explorado em comparação com os outros continentes do mundo e mexe com o imaginário humano.

Conheça agora mesmo 6 coisas que você não sabia sobre a Antártica:

6 – Geografia

@Shutterstock

Dentro da Antártica cabe um Estados Unidos e meio, o que significa que existe muita, mas muita terra para se explorar. Por isso, a Antártica é dividida em Leste e Oeste, sendo a região Leste a maior delas, já que ocupa dois terços do continente.

Na Antártica existem cadeias montanhosas transantárticas, uma das maiores do mundo. Você pode não acreditar, mas nada disso existia na era mezóica: recentemente, cientistas descobriram fósseis de animais e registros que mostram que a Antártica já foi um dia arborizada e repleta de vida selvagem.

Isso teria ocorrido por volta de 252 e 66 milhões de anos atrás e a vasta gama de possibilidades sobre o que poderia ter acontecido e sobre as espécies que poderiam ter existido por lá realmente são infinitas.

[Live Science]

Embora poucas pessoas morem na Antártida – falamos sobre os cientistas, para fins de estudo, é claro – o continente frio possui seu mapa próprio e nada usual: enquanto a maioria dos mapas é definido por imagens de satélite, áreas da Antártica foram visitadas pessoalmente, para que os cartógrafos possam mapear o continente gelado.

Esses mapas, no entanto, são tão detalhados que você pode até usá-lo como guia, pois contém informações valiosas. Na Antártida Oriental você encontra, definitivamente, o polo Sul do Planeta, enquanto do outro lado das montanhas transantárticas está a plataforma de gelo Ross, que é a maior plataforma da Antártica e pasmem: do tamanho da França!

Alguns dos mares ao redor da Antártica recebem nomes, como Mar de Weddell, o mar de Bellingshausen, o mar de Ross, o mar de Amundsen, o mar de Davis, entre outros. Bem que seria muito legal ter aprendido isso na escola, não é mesmo?

[NSIDC]

 5 – Clima e tempo

@Shutterstock

A Antártida é considerada um deserto por conta da baixa ocorrência de chuvas: para sair dessa categoria, o local precisaria receber mais de 50 centímetros de precipitação por ano, mas acontece que recebe apenas de 5 a 15 centímetros.

As temperaturas médias em sua região central ficam entre -30°C e -65°C, e foi na Antártida que a temperatura mais baixa do mundo foi documentada como o local mais frio do planeta: -89.9 °C na Estação Vostok, uma base para estudos científicos pertencente à Rússia.

Devido à influência das correntes marítimas, as zonas costeiras apresentam temperaturas entre os -10°C e -20°C, onde vivem as espécies variadas de animais que conhecemos.

O que torna Antártica tão diferente de outros desertos é que a chuva não cai necessariamente no chão: no verão, chove e a neve se acumula antes mesmo de chegar ao chão.

O clima da Antártica é extremamente seco, sendo que lá, inclusive, podemos encontrar os Vales Secos, considerados os lugares mais secos na Terra. Esse local não vê chuva ou neve há dois milhões de anos. Dá pra acreditar?

Uma curiosidade bizarra é que a Antártica não tem um fuso horário definido – ou seja, nada de relógios por lá. Fora isso, as estações também são esquisitas, pois o continente permanece escuro durante o inverno e, durante os meses de verão, o Sol nunca se põe, devido à inclinação da Terra.

[Hurtigruten]

Outra coisa interessante também é que a Antártica também é o lugar que mais venta no planeta: alguns dos ventos chegam a 320 quilômetros por hora!

Mas calma, se tudo já está estranho, saiba que pode ficar ainda mais: o continente armazena cerca de 70% da água doce do planeta, apesar de ser o mais seco de todos. Sem dúvida é o continente mais contraditório do mundo, não é mesmo?

[FactSlides]

4 – Segredos glaciais

@Shutterstock

Um segredo muito interessante são as chamadas de montanhas subglaciais de Gamburtsev, que estão localizadas sob a Antártica. Especificamente, essas montanhas estão enterradas sob 600 metros de gelo, aproximadamente.

A profundidade máxima do gelo que foi encontrada, foi de 4.800 metros, sendo que seus picos atingem alturas de cerca de 2.700 metros e variam de 1.200 quilômetros de extensão. Incrível, não?

Por outro lado, o ponto mais alto na Antártida é o Monte Vinson, com uma altitude de 4.892 metros. E, por mais estranho que possa parecer, também existem lagos na Antártida como, por exemplo, o lago Vostok que é um dos maiores lagos subglaciais do mundo. Esse lago enterrado sob 3,2 quilômetros de gelo.

[Live Science]

3 – Vida selvagem

@Shutterstock

A Antártica é o único continente sem répteis e isso parece ser bom para quem morre de medo deles, certo? Bem, nem tanto. Existem animais assustadores na Antártica: um exemplo deles são as “aranhas” que existem por lá.  Elas podem ser do tamanho de pratos bem grandes, aproximadamente. Mas calma: elas não irão te picar pois vivem no mar. Então, fique tranquilo caso esteja andando pelo continente.

Não existem populações de índios na Antártica, mas lá ainda é o lar de outros seres vivos que não sejam os seres humanos querendo estudar o local: é possível encontrar focas, baleias, peixes, pinguins e alguns tipos de aves.

No lago Vostok, no entanto, os cientistas descobriram alguns micróbios que parecem viver em um ecossistema baseado em produtos químicos dentro das rochas, ao invés da luz solar.

[Science News for Students]

A Antártica parece ter um pouco de tudo, não é mesmo? Bem, e ainda há mais: um vulcão ativo! Esse vulcão é o Monte Erebus, que também abriga um dos poucos lagos de lava de longa duração da Terra, sendo o vulcão mais ativo ao sul do planeta.

A Antártica tem pelo menos 138 vulcões e provavelmente existem mais a serem descobertos. O continente também possui uma famosa cachoeira que fica vermelha e que parece sangue sendo derramado.

Sem dúvida a Antártica é um poço de fenômenos esquisitos e bizarros.

[National Museum of Natural History]

2 – Curiosidades gerais

@Shutterstock

Na Antártida, existem cerca de 70 a 80 instalações de pesquisa permanentes e a maior delas é a McMurdo Station, a principal base estadunidense que pode acomodar até 3.000 pessoas durante o verão.

Essas instalações não são muito confortáveis e são reforçadas para suportarem o frio. Apesar disso, são muito necessárias, pois os cientistas as usam para descobrir coisas novas sobre o planeta todos os dias. Uma curiosidade interessante é que apesar de existir o Tratado da Antártida, que concede livre exploração científica ao continente, a Argentina enviou uma mulher grávida para lá como parte de seu esforço para conseguir uma parte da terra.

Não sabemos o que os argentinos queriam com isso, afinal, mas em janeiro de 1978, Emilio Marcos Palma se tornou a primeira pessoa a nascer na Antártida. Desde o nascimento de Emilio Palma, apenas dez pessoas nasceram no continente.

Bem, se pensamos em até mesmo colonizar Marte, talvez um dia a Antártica seja colonizada, não é mesmo?

Mencionamos anteriormente sobre o Tratado da Antártica e ficamos devendo alguns detalhes importantes para você sobre ele: em 1º de dezembro de 1959, o Tratado da Antártica foi assinado por 12 nações. Seu objetivo era proibir atividades militares no continente para evitar discórdias internacionais e, desde então, o tratado aumentou para 53 participantes.

A Antártida foi vista pela primeira vez em 1820. Naquela época, navegar pelo Oceano Antártico era difícil para os cascos de madeira dos navios, de modo que uma viagem à Antártica certamente era algo bem raro.

 Apenas 20 anos depois foi descoberto que não se tratava de uma cadeia de ilhas, mas sim de um continente inteiro.

Se você, no entanto, tem vontade de visitar a Antártica, pode fazer isso através de expedições como a National Geographic ou a Lindblad. Lembrando-se que visitar é tudo o que você pode fazer, pois o Tratado da Antártica proíbe treinamento militar, atividades de mineração e resíduos e explosões nucleares no continente. Então, comporte-se bem e não vá explodir nada, ok?

 Por outro lado, o Chile tem uma vila na Antártida equipada com escola, correios, hospital e hotel e ainda tem serviço de TV e telefone celular. Para quem gosta do frio, vale a pena uma visita, não é mesmo?

[Fact Slides]

1 – Futuro da Antártida

@Shutterstock

Se existe algo que não temos dúvida sobre o que não queremos, é que o gelo da Antártica derreta. Isso significaria problemas colossais para nós.

Mas, para a infelicidade de todos, as geleiras já começaram a derreter, graças às mudanças climáticas.

O derretimento do gelo causou até uma pequena mudança na gravidade na região. Os cientistas dizem que, se todo o gelo da Antártica derretesse, o nível do mar subiria até 60 metros e o nível do mar em todo o mundo já está subindo ameaçadoramente, o que preocupa a comunidade científica, que alerta que em um futuro não muito distante teremos que nos despedir de partes de Nova York, Flórida e Caribe, entre outros lugares que tanto adoramos.

É por esse motivo que os esforços para desacelerar as mudanças climáticas sejam efetuados pois, em futuro próximo, a Terra poderá se tornar um mundo da água.

Segundo a NASA, a Antártica está aquecendo cerca de cinco vezes a taxa do resto do mundo e isso… bem, é muito perigoso!

[Live Science]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.