6 coisas impossíveis que podem acontecer em outros planetas

Versão em vídeo:

Versão em texto:

A Terra é ainda para nós um oceano inexplorado: por falar em oceanos, você sabia que cerca de 95% de nossos oceanos ainda são desconhecidos para nós?

Bem, em passos lentos conseguimos descobrir um pouco mais sobre nosso planeta e sobre os tantos outros que existem por aí – ainda mais em nosso Sistema Solar.

Com tudo o que já sabemos, conseguimos imaginar que algumas coisas são impossíveis aqui na Terra. Mas isso não significa que sejam impossíveis em outros lugares do universo, não é mesmo?

O universo não é só estranho: é muito mais estranho do que sequer podemos imaginar. E hoje você conhecerá 6 coisas impossíveis que podem acontecer em outros planetas. Prepare-se para se surpreender!

6 –  Sombras duplas ou triplas

@Shutterstock

Na Terra temos nossas sombras projetadas, que praticamente “nos seguem” durante o dia. Mas isso não é uma coisa tão frequente assim em outros lugares do universo.

Temos apenas uma sombra porque ela é projetada pelo nosso Sol. Mas e se… um planeta tiver dois sóis?

Um planeta que orbita duas estrelas, como o planeta fictício Tatooine de Star Wars, teria dois pores-do-sol incríveis e projetaria duas sombras para cada pessoa. Isso se fosse possível visitar o planeta, é claro. Com dois sóis, já dá para imaginar o quão quente seria a temperatura.

Parece ficção, mas um planeta similar a Tatooine existe: é o Kepler-16b, que orbita duas estrelas e é absurdamente quente.

5 – Condições climáticas estranhas

Concepção de COROT 7b @Wikipedia

O clima na Terra às vezes é estranho e violento. Mas acredite, é extremamente tranquilo em comparação a outros locais no universo.

No planeta COROT-7b, por exemplo, chove pedras ao invés de água. E sabe por que isso acontece?

Por conta da metade do planeta ser composta de rochas a uma temperatura de 2600 °C e a outra metade ser mais fria, medindo uma temperatura de 177 °C. A temperatura do lado mais quente é suficiente para evaporar as rochas, formando uma espécie de “nuvem de pedra” carregada de magma. Essas nuvens, ao atingirem o lado mais frio, esfriam o magma, provocando uma “chuva” de pedras.

Esse planeta seria algo mais parecido com o “inferno” do que qualquer outro lugar na Terra.

Pensou que acabava aí? Nada disso. Existe um planeta bem mais bizarro: o HD189773-b, que está localizado há 63 anos luz de nós. Ele é um pouco maior que Júpiter e muito bonito visto do espaço.

Sua beleza se dá por conta de sua composição: sua atmosfera é rica em partículas de sílica. O resultado? Os ventos podem literalmente “gritar”, em uma velocidade de 2km por segundo. Ou seja, 7 vezes a velocidade do som.

O planeta HD189773-b tem uma peculiaridade ainda mais bizarra: sua temperatura de 930 °C e os ventos extremos fazem o planeta “chover” vidro, de maneira totalmente violenta.

4 – As luas de outros planetas podem ser pequenos “mundinhos” infernais

@Shutterstock

Um lugar próximo e ainda bizarro é a lua Titã, uma das luas de Saturno. Sua temperatura é de -179 °C e sua atmosfera é tão densa que, em 2005, descobriu-se algo bizarro sobre essa lua: ela possui vales, rios e chuvas, assim como na Terra, porém por conta da temperatura, que é extremamente baixa, a água forma rochas bem sólidas de gelo e o metano existe em estado líquido. Os rios e lagos da lua são compostos de metano e há tanto gás nessa lua que as chuvas são extremamente ácidas.

Por sorte Titã é a lua de Saturno e não a nossa, não é mesmo?

3 – Você poderia, literalmente, “voar” em outro planeta

@Shutterstock

Em alguns planetas você pode, literalmente “voar”: com a gravidade agindo de forma mais limitada e uma atmosfera densa, basta ter um parzinho de asas que você poderia sair por aí livre como uma borboleta. Você precisaria de uma roupa especial para se proteger dos danos da atmosfera, é claro, mas poderia realizar o sonho de voar em terras alienígenas – o que é impossível de se fazer aqui na Terra.

Existem cerca de 1000 planetas já descobertos com essas condições.

2 – Chuva de diamantes

@Shutterstock

Quando pensamos em diamantes, automaticamente pensamos em riquezas e celebridades usando joias icônicas em sessões de premiações, certo? Mas e se… te dissermos que em Saturno e Júpiter os diamantes são itens mais do que abundantes? E se te dissermos, ainda, que nesses planetas ocorrem chuvas de diamantes? Certamente Elizabeth Taylor faria uma festa em saber, não é mesmo?

Novos dados obtidos e apresentados por dois cientistas americanos no encontro anual da divisão de Ciências Planetárias da Sociedade Americana de Astronomia indicam que o carbono cristalizado é abundante na atmosfera desses planetas.

Kevin Baines, da Universidade de Winsconsin-Madison e do Laboratório de Propulsão da Nasa e Mona Delitsky, do instituto California Speciality Engineering, co-autora da pesquisa, propõem que na medida que os raios transformam o metano em partículas de carbono, em choque com a pressão atmosférica, faz o carbono se transformar primeiramente em pedaços de grafite e, depois, em diamantes.

Estima-se que mil toneladas de diamantes sejam produzidas anualmente em Saturno e sua composição química deixa os cientistas mais do que certos de que a pressão é mais do que o suficiente para o carbono se estabilizar como diamante. Incrível, não?

1 – Existem planetas oceânicos

@Shutterstock

Já imaginou um planeta inteiramente coberto por água? Sim, ele existe: é o GJ1214-b. É um planeta muitas vezes maior que a Terra. Colocando em perspectiva, seria como se os oceanos da Terra fossem apenas uma pequena poça d’água em comparação com ele.

Mesmo que a água cubra 70% da Terra, representa 0,005% de sua massa total. Já em GJ1214-b a água compõe 10% da massa do planeta. O que significa que o planeta inteiro é coberto por um oceano muito, mas muito profundo. Tão profundo que a pressão extrema faria a água das maiores profundezas virar gelo!

Se 95% por cento de nossos oceanos permanece inexplorado e já conhecemos tantos monstros marinhos, você consegue imaginar quais tipos de criaturas poderiam existir lá? Dá até um frio na barriga só de pensar, não é mesmo?

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.