5 coisas estranhas que você provavelmente não sabe sobre Chernobyl

A usina nuclear de Chernobyl explodiu há mais de três décadas, em 1986, e você pode assistir a minissérie de TV “Chernobyl”, da HBO, que estreia esta semana. [HBO lançará série sobre o desastre de Chernobyl. Muito drama garantido em cada episódio]

Embora a maioria das pessoas conheça a história geral – que, devido a erro humano, o reator nuclear explodiu e liberou material radioativo em toda a Europa – poucos conhecem os detalhes básicos. Aqui estão cinco fatos estranhos que você provavelmente não sabia sobre Chernobyl. [Chernobyl: tudo o que você precisa saber sobre o maior desastre nuclear da história]

1. Semelhante a Hiroshima

Bomba atômica
Shutterstock

Cerca de 30.000 pessoas estavam perto do reator de Chernobyl quando este explodiu em 26 de abril de 1986. Acredita-se que as pessoas expostas à radiação receberam cerca de 45 rem (rem é uma unidade de dosagem de radiação), em média, semelhante à dose média recebida por sobreviventes depois que a bomba atômica foi lançada sobre Hiroshima, no Japão, em 1945.

Enquanto 45 rem não é o suficiente para causar a doença da radiação (que geralmente ocorre em cerca de 200 rem), ainda aumenta o risco de câncer em 1,8%, segundo os pesquisadores. Esse risco deve ter levado a cerca de 500 mortes por câncer na tragédia, segundo estimativas iniciais.

No entanto, uma estimativa de 2006 da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que está associada às Nações Unidas, calculou um número muito maior de mortes por câncer. A AIEA analisou a distribuição total da radiação, que atingiu toda a Europa e até os Estados Unidos, e estimou que a dose cumulativa de radiação de Chernobyl era de cerca de 10 milhões de rem, o que levaria a mais 4.000 mortes por câncer no acidente. Até hoje, há debates sobre o assunto.

2. O maior dano acabou em semanas

Chernobyl
Shutterstock

A explosão inicial foi enorme, mas o maior dano da radiação aconteceu nas primeiras semanas. Você pode pensar na radiação como fragmentos que voam para fora quando um núcleo explode, como estilhaços de uma bomba.

Assim como o plástico bolha estourado, cada núcleo pode explodir e liberar a radiação apenas uma vez. Apenas 15 minutos após a explosão de Chernobyl, a radioatividade caiu para um quarto do seu valor inicial; após um dia, para um décimo quinto; após três meses, para menos de 1%.

“Mas ainda há alguns, até hoje”, disse Richard Muller, professor emérito de física na Universidade da Califórnia, em Berkeley, EUA. “Grande parte da radiação literalmente subiu em fumaça, e apenas a radiação perto do solo afetou a população”. [Agora você pode entrar em Chernobyl e ver a assustadora cidade-fantasma em 360°]

3. Dezenas de bombeiros morreram

Wikimedia

A explosão de Chernobyl não apenas liberou muita radiação; também iniciou um incêndio na usina. Os bombeiros que correram para deter as chamas foram expostos a altos níveis de radiação, e dezenas morreram de envenenamento por radiação.

Esses bombeiros foram expostos a mais de 1 quatrilhão de gamas cada. Mas o que isso significa?

Raios gama – um tipo penetrante de radiação que é liberado a partir de armas nucleares, bombas sujas e explosões de reatores – é como um raio X extremamente energético. Existem cerca de 10 trilhões de raios gama em cada 1 rem de radiação, escreveu Muller.

Uma pessoa que recebe uma dose total de 100 rem provavelmente não notará, já que nossos sistemas podem reparar a maior parte desse dano sem deixar uma pessoa doente. Com 200 rem, uma pessoa pode desenvolver envenenamento por radiação. Pacientes que receberam quimioterapia às vezes experimentam esse tipo de doença, levando a efeitos colaterais como perda de cabelo e náuseas. (Essa náusea é causada, em parte, pelo corpo que trabalha febrilmente para consertar os danos causados ​​pela radiação; por isso, corta outras atividades, como a digestão).

As pessoas atingidas com 300 rem têm uma boa chance de morrer a menos que recebam tratamento imediato, como uma transfusão de sangue. [Esta imagem do porão de Chernobyl é realmente aterrorizante]

4. Não havia construção de contenção

Agora você entrar em Chernobyl e ver a assustadora cidade-fantasma em 360°
Shutterstock

Chernobyl não tinha uma medida de segurança importante: um prédio de contenção.

Uma estrutura de contenção é uma concha hermética que rodeia um reator nuclear. Esta casca, que geralmente é em forma de cúpula e feita de concreto reforçado com aço, é projetada para confinar produtos de fissão que podem ser liberados na atmosfera durante um acidente, de acordo com a Comissão Reguladora Nuclear dos EUA.

Se houvesse um prédio de contenção em Chernobyl, segundo Muller, “o acidente poderia muito bem não ter causado praticamente nenhuma morte”. [Além de Chernobyl: 20 incríveis cidades fantasmas que você precisa conhecer]

5. Há vida selvagem lá agora

Chernobyl Pripyat
Shutterstock

A área de Chernobyl foi evacuada após a explosão; uma vez que os humanos saíram, a vida selvagem se instalou.

Os números de alces, veados, veados e javalis selvagens que vivem na zona de exclusão são semelhantes aos números da população em reservas naturais não contaminadas próximas, segundo um estudo de 2015. Os lobos estão se saindo especialmente bem, com uma população que é sete vezes maior que a população de lobo nas reservas vizinhas.

“Isso não significa que a radiação é boa para a vida selvagem, apenas que os efeitos da habitação humana – incluindo caça, agricultura e silvicultura – são muito piores”, disse Jim Smith, coordenador da equipe de observação do estudo e professor de ciências ambientais da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido.

No entanto, outros cientistas apontaram que os níveis de vida selvagem em Chernobyl são menores do que aqueles em outras regiões protegidas da Europa, indicando que a radiação ainda está afetando a área. [LiveScience]

você pode gostar também
1 comentário
  1. alfredo Diz

    sera que nem com o tempo poderá voltar a ter vida neste lugar ?

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.