21 fatos sobre Josef Stalin, responsável pela morte de 20 milhões de pessoas

Figura controversa e de presença inevitável em todos os livros de história, Josef Stalin foi o governante da União Soviética entre 1920 e 1953. Sua ideologia aplicava o marxismo a partir das interpretações leninistas, e foi durante o seu governo que a Alemanha Nazista encontrou sua derrota final, quando Berlim foi capturada em 1945, marcando o fim da Segunda Guerra Mundial.

Nesta lista, você vai conhecer alguns fatos curiosos sobre a vida de Stalin.

1. Sua infância não foi nada fácil.

Laski Diffusion/Getty Images

A história de Josef Stalin é bastante conhecida a partir do momento em que ele se tornou líder da União Soviética, país que acabou por ter extrema importância na história moderna, até a sua dissolução. No entanto, pouco se fala sobre o que acontecera com o governante em sua infância.

Filho de família muito humilde, todas as três irmãs de Stalin morreram durante a infância, e ele sofrera muito com a implicância de seus colegas na escola, por conta de seu sotaque diferente dos demais. Há relatos que contam que mesmo os professores zombavam do garoto.

2. Violência em casa.

O pai de Stalin, que trabalhava como sapateiro, acabou caindo no alcoolismo quando perdeu seu emprego. De acordo com o que escreveram posteriormente alguns de seus amigos de infância, Stalin rotineiramente era agredido fisicamente pelo pai, o que para muitos explica a frieza e a “falta de emoções” que o ditador desenvolveu ao longo do tempo.

3. O bigode de Stalin.

WikiCommons

É impossível pensar em Josef Stalin sem lembrar de seu icônico bigode. De fato, a característica era bastante famosa na época em que ele governava, e supostamente teria inspirado outras figuras da história a cultivar os pelos faciais, como Sadam Hussein e até mesmo Adolf Hitler.

4. Vida profissional.

Sua principal e mais lembrada atividade obviamente é a de líder da União Soviética, mas este não foi o único “emprego” de Stalin. Antes de entrar para a história da política internacional, Stalin tinha um humilde posto no Observatório Meteorológico de Tiflis, onde atuava como “homem do tempo”, realizando medições meteorológicas e previsões de chuva.

Quem imaginava, naquela época, que aquele homem se tornaria que se tornou?

5. Bom aluno, ainda que encrenqueiro.

WikiCommons

Stalin, como foi em toda sua vida, era bastante controverso na escola. Apesar de ser um dos melhores alunos do local onde estudava, marcou sua vida escolar com episódios de arruaça e rebeldia. Formou-se com louvor e recebeu todos os incentivos e benefícios para cursar a Universidade, mas segundo os registros da época ele também esteve envolvido na formação de uma gangue, que supostamente ateou fogo em uma loja em determinada ocasião.

6. Amante dos vinhos.

Longe de ser alcoólatra como o pai, Stalin também apreciava uma boa bebida. Suas preferidas eram os vinhos, e segundo os historiadores o seu favorito era o Khvanchkara – vinho tradicional da Geórgia, que além da uva leva um sabor de framboesa.

7. Seu primeiro contato com o capitalismo.

Depois de ter sido hospitalizado após um acidente, o pai de Stalin supostamente o teria forçado a trabalhar como aprendiz de sapateiro em uma fábrica. Este teria sido o seu primeiro contato com o capitalismo, e fora totalmente abusivo, insalubre e desmotivador.

Para muitos, esta é a raiz do ódio do ditador pelo sistema capitalista.

8. Poeta.

Outra atividade pouco conhecido de Stalin era a poesia. Ávido leitor dos mais variados tipos de literatura, ele também arriscava suas próprias poesias, e era consideravelmente bom nisso. Cinco poemas de sua autoria foram publicados no ‘Iveria’, jornal literário bastante conhecido na Geórgia naquela época.

9. Ele não era russo, como muitos pensam.

WikiCommons

Como você certamente já percebeu, citamos a Geórgia mais de uma vez até aqui. Isso nos leva a mais um fato interessante que normalmente é ignorado por algumas pessoas: Stalin não era russo. Ele nasceu em Gori, na Geórgia, que fazia parte do Império Russo naquela época, mas não estava dentro do que hoje se conhece como o território da Rússia.

10. Seu nome verdadeiro não era Josef Stalin.

Ao nascer, em 1878, ele recebeu o nome de Ioseb Besarionis dze Jughashvili. O nome “Josef Stalin” passou a ser utilizado apenas em 1913, quando foi deportado para a Sibéria.

11. Primeira passagem pela prisão.

Hulton-Deutsch Collection/CORBIS/Corbis

A prisão prisão de Stalin ocorreu já no século 20, enquanto ele trabalhava em um depósito. O local pegou fogo, e depois disso os funcionários passaram a pedir um aumento salarial, que fora rejeitado pelos empregadores.

Stalin passou então a organizar greves e demonstrações públicas denunciando a violência da polícia para com os manifestantes, e a prisão injusta de grevistas.

Quando as autoridades ficaram sabendo que Stalin era o homem por trás de tudo isso, ele acabou sendo preso, no dia 5 de abril de 1902.

12. Stalin não era ninguém no momento da Revolução Russa.

No momento da Revolução Russa de 1917, Stalin ainda não era ninguém dentro da vida política do seu país. Ele estava no fim da sua terceira década de vida, não tinha muito dinheiro, não vivia em nenhum local fixo e trabalhava como comentarista em uma rádio.

13. Problemas pessoais na vida adulta.

Se a infância de Stalin foi repleta de tragédias e acontecimentos negativos, a vida adulta não foi mais tranquila. Em 1903, ele se casou com Ekaterina Svanidze, que acabou morrendo por febre tifoide apenas quatro anos mais tarde.

De acordo com amigos próximos de Stalin na época, sua tristeza era tanta que seus amigos precisaram esconder seu revólver, com medo de que ele tentasse tirar a própria vida.

14. Um de seus filhos foi capturado pelos alemães.

WikiCommons

Stalin teve cinco filhos durante a sua vida, todos já falecidos. A mais nova, Svetlana Alliluyeva, faleceu apenas em 2011. Mas um de seus filhos, Yakov Djugashvili, talvez tenha sido o que teve a relação mais conturbada com o pai. Stalin e Yakov nunca se acertaram, e certa vez o pai teria inclusive dito que o filho não passava de um “mero sapateiro”.

Yakov faleceu ainda jovem, aos 36 anos, capturado pelos alemães enquanto servia ao Exército Vermelho. Ao perceberem que haviam capturado um filho de Stalin, os alemães teriam oferecido a vida do homem em troca de um oficial de cargo maior – oferta que fora rechaçada por Stalin.

15. Uma de suas esposas tirou a própria vida.

WikiCommons

Nadia Alliluyeva-Stalina, segunda esposa do governante da URSS, acabou por tirar sua própria vida em 1932. De acordo com a maioria das fontes, o principal motivo que levou Nadia a esta atitude drástica foi a fome intensa enfrentada na URSS no começo dos anos 1930, e a sua discordância em relação a certas atitudes de Stalin.

16. Manipulação de fotos.

Newseum/The Commissar Vanishes

Stalin alegadamente alterava ou ordenava que fossem adulteradas fotografias históricas da União Soviética. Em várias ocasiões, pessoas próximas ligadas ao governante eram retiradas de imagens depois de criarem inimizade ou serem executadas por ele.

17. Stalin queria que John Wayne fosse morto.

John Wayne, famoso pelos filmes de cowboy e pelo seu posicionamento anti-comunista, obviamente não tinha o apreço de Josef Stalin.

De acordo com uma biografia de John Wayne, Stalin teria “encomendado” a sua morte à KGB, o que acabou por não se concretizar.

18. Ele nunca disse uma de suas frases mais famosas.

Stalin é bastante conhecido por algumas de suas frases icônicas, mas uma das mais famosas não é verdadeira.

A citação “Uma única morte é uma tragédia, mas um milhão de mortes é estatística” é comumente atribuída ao governante soviético, mas na verdade foi originalmente escrita por Erich Maria Remarque, escritor alemão que obviamente nunca conheceu Stalin.

19. Sua morte ainda guarda algumas controvérsias.

Oficialmente, Stalin morreu em 1º de março de 1953, por conta de uma hemorragia cerebral. No entanto, com o passar dos tempos, algumas pessoas passaram a acusar seu ministro de assuntos interiores, Lavrenty Beria, por seu suposto assassinato.

Em um livro de memórias publicados em 1993, Beria teria inclusive admitido sua participação na morte de Stalin, administrando veneno ao governante.

De fato, anos depois, cientistas concordaram que de alguma forma Stalin havia ingerido veneno de rato, o que levou à hemorragia cerebral que tirou sua vida.

20. Responsável pela morte de 20 milhões de pessoas.

Josef Stalin é considerado responsável (direta ou indiretamente) pela morte de mais de 20 milhões de pessoas. Entre estas, estavam cidadãos do seu país, soldados na guerra, reféns, inimigos, conspiradores, aliados, entre outros. Por conta de seu poder, no entanto, ele nunca pagou por nenhuma das mortes que protagonizou.

você pode gostar também
7 Comentários
  1. Czech Diz

    O segundo maior genocida da História odiava a parte ruim do sistema capitalista, contudo promoveu as gulags, aqueles campos de concentração de trabalho escravo, condenando à morte aqueles que jurava defender, os trabalhadores.

    Promoveu a HOLODOMOR, o genocídio por fome na Ucrânia. Sobre isso, foi construída uma lápide no ponto turístico Memorial Ucraniano em Curitiba/PR, em homenagem às suas vítimas do campo.

    Mesmo assim, há pessoas afins ao pensamento dele, com certo grau de sociopatia, que dizem que “Stálin matou pouco”. 😠
    Óleo de peróba neles!

  2. Antonio Diz

    Stalin Guia genial dos povos liderou a humanidade na cruzada historica mais importante da existencia humana contra a forma mais degenerada de imperialismo que foi o nazifascismo saindo se vitorioso ….lembrem se …se não fosse pela ação de Stalin nasceriamos todos escravos do degenerado Adolf Hitler.

    1. Czech Diz

      Passando pano pra Ditador Totalitário, puxa-saco?
      Ou se esqueceu propositadamente do Pacto de Ribbentrop-Molotov, aquele acordo de não-agressão entre as duas potências militares ao invadirem a Polônia ao mesmo tempo?

      Assim com Hitler, Stálin invadiu a terra vizinha, mas pelo seu lado oriental e massacrou o exército polonês, cujo pior episódio ficou conhecido como massacre de Katyn.

      Só se tornaram inimigos quando a ambição de Hitler não encontrou limites na Europa.

      Bandido que mata outro bandido não o torna herói.
      Chamá-lo de GUIA genial é uma ofensa ao bom senso e, principalmente, às famílias de suas vítimas.

  3. Fajardo Diz

    GRANDE E MAIUSCULA VERDADE !!!!STALIN VISIONARIO E SALVADOR DOS POVOS

    1. Czech Diz

      Fale isso para o povo polonês e ucraniano, mané!

  4. Luiz Gustavo Diz

    NÃO EXISTIU MARXISMO LENINISMO NO GOVERNO DESSE ASSASSINADO, FOI UMA DITADURA STALINISTA, MALUCA, DE GENOCÍDIO. RASGOU A HISTÓRIA DO VERDADEIRO SOCIALISMO LIBERTADOR.

  5. Arlindo Grazina Diz

    Admirar Stalin é uma insanidade absoluta. É o mesmo que chamar Fidel Castro para uma manifestação pró democracia em Cuba. É apologia a mais óbvia idiotice.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.